Dosagem da política monetária está adequada

A dosagem da política monetária se mostrou, até o momento adequada, disse o presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, em audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, ontem (10).

Destacou a “queda substancial” da inflação em 12 meses, de 10,7% ao final de 2015 para 2,5% em setembro de 2017. “A ociosidade na economia desempenhou papel desinflacionário na medida em que demanda era limitada frente à oferta disponível, como é típico de períodos recessivos. No entanto, não podemos dimensionar exageradamente esse fator”, disse aos senadores.
Goldfajn lembrou que a recessão durou mais de dois anos, mas a inflação manteve-se elevada até o terceiro trimestre do ano passado. Isso aconteceu porque, em um ambiente de incertezas e expectativas de inflação elevadas, as empresas continuaram a reajustar seus preços para evitar possível queda das margens de lucro. “Esse comportamento defensivo aprofundava a recessão sem que houvesse queda na inflação”, explicou.
“A condução firme da política monetária, aliada à mudança na direção da política econômica de forma geral, foi decisiva para mitigar esse comportamento defensivo, reduzindo as expectativas de inflação e colocando a inflação em trajetória de queda”, acrescentou. Para ele, a recente queda da inflação é resultado da atuação “firme” do BC para “domar as expectativas inflacionárias, apoiado pela política econômica de forma geral”. “A dosagem da política monetária [definição da Selic] se mostrou adequada, com atuais expectativas de crescimento para 2017 e 2018 maiores que as esperadas no final do ano passado”, disse (ABr).