Contato: (11) 3043-4171

Comerciantes paulistanos estão mais confiantes

É a maior pontuação desde março de 2014.

Pela quarta vez consecutiva, o comerciante do município de São Paulo se mostrou mais confiante de acordo com o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC), que registrou em novembro alta de 2%, ao passar de 107,5 pontos em outubro para 109,7 pontos no mês atual

É a maior pontuação desde março de 2014. Na comparação anual, o ICEC avançou 14,1%. Apurado mensalmente pela FecomercioSP, o ICEC varia de zero (pessimismo total) a 200 pontos (otimismo total).
Em novembro, o ICEC das empresas com até 50 funcionários atingiu 109,6 pontos, alta de 2,2% em relação ao mês anterior e o maior patamar desde março de 2014. Nas companhias com mais de 50 empregados, o recuo foi de 3,5%, passando de 115,3 pontos em outubro para 111,2 pontos em novembro. No comparativo anual, tanto as pequenas como as grandes empresas registraram crescimento na confiança, de 14,2% e 11,4%, respectivamente.
Segundo a assessoria econômica da FecomercioSP a percepção dos empresários mostra que o processo de recuperação vai se consolidando gradativamente. As perspectivas de vendas de Natal são de crescimento ao redor de 5% neste ano, que, se confirmada, pode alavancar os indicadores com vistas a 2018.
Na avaliação da FecomercioSP, o aparente fim das turbulências políticas e a esperança de retomada da agenda de reformas surtiram efeitos positivos sobre as expectativas dos empresários que atingiram o maior nível em quase quatro anos. O Índice de Expectativas do Empresário do Comércio (IEEC) registrou alta de 1,4%, ao passar de 150,8 pontos em outubro para 152,9 pontos em novembro, a maior pontuação desde dezembro de 2013. Em relação a novembro do ano passado, a alta foi de 2,8%.

Maioria dos consumidores pretende comprar presentes no Natal

Entre os consumidores,  71% comprarão presentes para até quatro pessoas com ticket médio de R$ 52,86.

Oitenta e três por cento dos consumidores entrevistados pela Boa Vista SCPC, em sua tradicional pesquisa online sobre a intenção de compra para o Natal e Fim de Ano, declararam que irão comprar presentes para esta data. No entanto, destes, 75% pretendem gastar menos em relação a 2016, quando 79% tinham esta pretensão. Outros 16% irão gastar a mesma quantia, enquanto 9% um valor superior. Em 2016 80% dos respondentes afirmaram que pretendiam presentear alguém no Natal e em 2015, 81%.
Dentre esses consumidores, 71% comprarão presentes para até quatro pessoas com ticket médio de R$ 52,86, um crescimento de 2,8% no valor pretendido contra 6,4% registrados em 2016, quando o valor médio gasto foi de R$ 51,40. A maior parte das compras será em lojas de departamentos e centros comerciais, com 37% das menções. Os demais consumidores irão se dividir entre as lojas de rua (34%) e as lojas de shoppings (29%).
71% dos consumidores irão pagar à vista. O principal meio de pagamento será o dinheiro com 44% das menções, seguido por 33% para cartão de débito. Os outros 29% dos consumidores pagarão a maior parte de suas compras de forma parcelada, sendo o cartão de crédito o meio de pagamento a ser utilizado por 91% deles.
Para os 17% que não irão comprar presentes no Natal, os principais motivos apontados são o desemprego (25%) e o endividamento (19%). Outros fatores que apresentaram crescimento em relação ao ano passado foram: contenção de despesas (de 5% para 15%), não comemorar a data (de 5% para 14%) e o aumento dos preços/juros/inflação (de 1% para 7%) - (SCPC).

Eletrobras vai investir mais de R$ 19,75 bilhões de 2018 a 2022

A Eletrobras divulgou ontem (18), em fato relevante ao mercado e aos acionistas, o seu Plano Diretor de Negócios e Gestão (PDNG) para o período de 2018-2022, que prevê investimentos nos segmentos de geração, transmissão, distribuição e infraestrutura e outros que ultrapassam R$ 19,75 bilhões.
Só com investimentos corporativos, ou seja, previstos em negócios da própria Eletrobras, eles devem alcançar o total de R$ 14,239,077 bilhões. Com geração de energia R$ 5,146,677 bilhões; e com transmissão, R$ 7,299,910 bilhões. Para investimentos em Sociedades de Propósito Específico (SPEs), o plano projeta o valor de R$ 5,517,195 bilhões.
De acordo com o documento, o plano diretor foi aprovado em reunião do Conselho de Administração da estatal, durante reunião realizada na última sexta-feira (15). O aviso relevante diz que o PDNG 2018-2022, à semelhança do último plano (2017-2021) dará prioridade aos mesmos pilares estratégicos: governança e conformidade, disciplina financeira e excelência operacional, com a inclusão de mais um, o da valorização das pessoas, por a empresa entender como relevante a “priorização de projetos relacionados à gestão de pessoas” (ABr).

Inadimplência atinge mais de 61 milhões de brasileiros

Segundo estudo desenvolvido pela área de Decision Analytics da Serasa Experian, o número de consumidores inadimplentes no país chegou a 61,1 milhões. Na comparação com novembro de 2016, o aumento foi de 1,91%. O montante alcançado pelas dívidas foi de R$270,5 bilhões, com média de quatro dívidas por CPF, totalizando R$ 4.425,00 por pessoa. Apesar de as dívidas atrasadas com bancos e cartões de crédito terem a maior representatividade dentro do índice, a alta em novembro foi puxada pelo segmento de Utilities (água, luz e gás).
A maior concentração dos negativados está no gênero masculino, que representa 50,9% dos inadimplentes. A maioria das pessoas com débitos vencidos tem entre 41 e 50 anos (19,6% do total). Em segundo lugar no ranking de participação entre os inadimplentes estão os jovens de 18 a 25 anos, que respondem por 14,4% do total. Segundo o estudo, a região com maior percentual de pessoas com dívidas atrasadas é a Sudeste, com participação de 44,9%. Na sequência estão: Nordeste, com 25,3%, Sul, 12,7%, Norte, 8,8% e Centro-Oeste, 8,3% (Serasa Experian).

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171