Passagens aéreas puxaram para baixo inflação de março

Com a queda das passagens, o grupo transportes teve deflação (queda de preços) de 0,25%.

Com queda de preços de 15,42%, as passagens aéreas foram o item que teve maior impacto no recuo da taxa de inflação de 0,32%, em fevereiro, para 0,09%, em março deste ano

De acordo com o IBGE, a queda de preços para março era esperada, já que os meses anteriores (janeiro e fevereiro) são de férias escolares e março é mês de volta às aulas, quando a demanda por passagens se reduz. O IPCA, que mede a inflação oficial do país, foi divulgado ontem (10) pelo IBGE.
Com a queda das passagens e o recuo de 0,19% do preço da gasolina, o grupo transportes teve deflação (queda de preços) de 0,25%. Outro grupo de despesa com deflação foi comunicação, com recuo de 0,33%.
Por outro lado, o grupo de despesas saúde e cuidados pessoais, teve alta de 0,48%, com o maior impacto na inflação de março. O principal responsável pela alta dos gastos com saúde foi o item plano de saúde (1,06%).
O item individual que mais contribuiu para a inflação em março, no entanto, foi o das frutas, que tiveram alta de preços de 5,32%. Os preços dos alimentos como um todo subiram 0,07% no último mês. Os gastos com habitação também tiveram impacto importante na inflação do mês, com taxa de 0,19%, influenciados principalmente pelo aumento do custo com energia elétrica, de 0,67%. A variação de preços pode ser explicada pelos reajustes de 9,09% e de 21,46% nas duas concessionárias de energia do Rio de Janeiro (ABr).

Inflação tem a menor taxa para março desde 1994

Inflação caiu para 0,09% em março. Acumulado em 12 meses é de 2,68%.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do país, foi de 0,09% em março. A taxa é menor que as observadas em fevereiro (0,32%) e em março de 2017 (0,25%). Esse é o menor percentual para meses de março desde a implantação do Plano Real, em 1994.
O IPCA acumula inflação de 0,70% no ano e de 2,68% em 12 meses. Os dados foram divulgados hoje (10), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os principais responsáveis pelo recuo da taxa de fevereiro para março foram os transportes, com deflação (queda de preços) de 0,25%, e a comunicação (deflação de 0,33%).
Os gastos com saúde e cuidados pessoais evitaram uma queda maior do IPCA, já que esse o grupo de despesas registrou inflação de 0,48% no mês. Outros grupos com inflação foram habitação (0,19%), vestuário (0,33%), alimentação e bebidas (0,07%), educação (0,28%), despesas pessoais (0,05%) e artigos de residência (0,08%) (ABr).

China apresenta denúncia na OMC contra EUA

A China apresentou uma denúncia comercial à Organização Mundial do Comércio (OMC) contra os Estados Unidos, depois da decisão de Donald Trump de adotar impostos às importações de aço e alumínio. De acordo com o documento, Pequim solicitou um período de consultas de 60 dias com o governo norte-americano para resolver a “guerra comercial”. Esta é a primeira etapa no processo e pode demorar anos.
“A China espera dos EUA à demanda e deseja a definição de uma data e um local mutuamente aceitáveis para as consultas”, diz o texto. Caso as negociações falhem, o próximo passo poderá ser a China pedir a decisão de um grupo de especialistas comerciais.
A guerra comercial entre China e Estados Unidos teve início em março, quando Trump assinou uma nova ordem que impõe uma sobretaxa de 10% na importação de alumínio e de 25% na de aço. Os novos impostos entraram em vigor no dia 23 passado e são aplicados a todos países, exceto ao Canadá, México, Austrália, Argentina, Coreia do Sul, Brasil e União Europeia. Em resposta, o governo chinês anunciou sobretaxas a 128 produtos norte-americanos no valor de US$3 bilhões (ANSA).

 
Custo da construção civil cresceu 0,14% em março

O Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), acusou inflação de 0,14% em março, taxa inferior ao 0,30% de fevereiro. É o menor percentual do Sinapi para o mês de março desde o início do Plano Real, em 1994.
O Sinapi acumula taxa de inflação de 3,49% em 12 meses, segundo dados divulgados hoje (10), no Rio de Janeiro, pelo IBGE.
O custo nacional da construção, por metro quadrado, ficou em R$ 1.074,41, em março. O custo dos materiais de construção subiu 0,49% e fechou o mês em R$ 553,35 por metro quadrado. Já o custo da mão de obra por metro quadrado caiu 0,22% e passou a ser de R$ 521,06 (ABr).

Recuperação de crédito cresceu 0,7% em março

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou crescimento em março de 0,7% na comparação mensal com ajuste sazonal. Já na análise acumulada em 12 meses, houve queda de 1,0% (abril de 2017 até março de 2018 frente aos 12 meses antecedentes). Na comparação com o mesmo mês de 2017 a queda foi de 3,0%.
Em termos regionais, na comparação acumulada em 12 meses, observou-se alta na região Sul (6,6%) e Sudeste (0,1%). Em sentido oposto, a região Nordeste foi o destaque negativo (-7,3%), seguido do Norte (-5,5) e Centro-Oeste (-3,7%).
Apesar da queda no acumulado em 12 meses, algumas regiões já conseguiram reverter suas tendências ao longo do último ano, efeito ligado ao gradual aumento da atividade econômica e melhoria do mercado de trabalho. Caso esse cenário continue, espera-se convergência da recuperação de crédito para as demais regiões em níveis positivos ao longo do ano (SCPC).

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP