Lei Seca soma dados positivos após 10 anos, mas levanta questões

"Se beber, não dirija". A frase, usada frequentemente em campanhas publicitárias na televisão e no rádio, faz parte do cotidiano do brasileiro há mais 10 anos. Em alguns estados, como Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Sul, ela obrigatoriamente deve ser impressa em cardápios de bares e restaurantes                                                                         

16311181 temporario

Léo Rodrigues/Agência Brasil

Embora campanhas embasadas nessa frase já fossem realizadas desde o fim dos anos 1990, é com a aprovação da Lei Seca, em 2008, há exatos 10 anos, que ela passa a ser utilizada de forma mais ampla e articulada pelo poder público e organizações da sociedade civil, tornando-a cada vez mais familiar para a população. A nova legislação trouxe modificações importantes no Código de Trânsito. De lá pra cá, especialistas celebram dados positivos, mas também levantam questões que consideram relevantes para aprimorar o quadro.

Um estudo conduzido pelo Centro de Pesquisa e Economia do Seguro e divulgado no ano passado - aponta que, entre 2008 e 2016, a Lei Seca teria evitado a morte de quase 41 mil pessoas, o que vale a evitar a queda de mais de 80 aviões Boeings 747. "Agregando o valor estatístico da vida, corrigido para 2016 pelo IGP-DI, a economia brasileira teria evitado uma perda de produto de R$ 74,5 bilhões a preços de 2016", registra o estudo.

O levantamento tomou como base estatísticas do SUS. Ele mostrou ainda que, embora tenha havido aumento de 7% no número de acidentes em 2016 na comparação com 2013, houve 35 mil mortes a menos.

Agente da Polícia Rodoviária Federal realiza teste do bafômetro.Segundo o levantamento, os óbitos se mantêm estáveis com tendência de queda desde 2008, o que sugere a ocorrência de acidentes menos graves a partir da aprovação da Lei Seca. Os acidentes de trânsito são apontados como um das principais causas de invalidez e mortes precoces no Brasil, e a Lei Seca surgiu da necessidade de impor penalidades mais severas para as infrações no trânsito com o intuito de dar respostas a esses índices.

Ela não teria apenas ampliado o rigor da legislação, mas também estimulado o debate. "Pelo lado da sociedade civil, surgiram campanhas de educação na mídia, escolas e empresas", aponta a pesquisa. O levantamento do Centro de Pesquisa, citado no livro 'Lei Seca, 10 Anos — A Lei da Vida', lançado pelo deputado federal Hugo Leal (PSD), autor do projeto aprovado em 2008. A obra narra a trajetória dos 10 anos, passando pelas discussões sobre a legislação, construção do conceito de alcoolemia zero, desdobramento, modificações e interpretações no Poder Judiciário.

Para o deputado, a principal preocupação é garantir a efetiva fiscalização. "Não adianta ampliar a punição e não punir. A suspensão da CNH por um ano é uma realidade, mas os estados estão cumprindo? É importante que as pessoas tenham a percepção de que a lei é aplicada. Aí, sim, haverá impactos. Se demorar muito, a aplicação da punição pode não ter o efeito que a gente deseja. Temos números relevantes sobre o impacto da lei, mas ainda não é aquém do cenário que nós queremos". Ele avalia, porém, que a digitalização e a tecnologia já estão contribuindo para uma maior agilidade.

Antes da Lei Seca, o Código de Trânsito em vigor, aprovado em 1997, já limitava a ingestão até seis decigramas de álcool por litro de sangue. A legislação de 2008 tolerava o limite de 0,1 miligrama por litro (mg/l). Ela fixou punições que envolvem multas elevadas, perda da habilitação e recolhimento do veículo. No caso de acidentes com vítimas, o responsável deve responder a processo penal. Em 2012, uma modificação estabeleceria a infração a partir de 0,5 mg/l. Uma nova alteração em 2016 também intensificaria o rigor fixando a alcoolemia zero.

"Diversas pesquisas mostraram que, mesmo em pequenas quantidades, o reflexo fica comprometido", defende Deborah Malta , professora da Escola de Enfermagem da UFMG. Ela é uma das envolvidas na Vigitel, coordenada pelo Ministério da Saúde, que trata a questão do ponto de vista da saúde pública. Um dado deste estudo que chama atenção é que o número de homens que assumem beber e dirigir é bem superior ao de mulheres. Considerando os dados de 2017 coletados em 27 capitais, 11,7% da população masculina afirmam cometer a infração, contra apenas 2,5% da população feminina. Desde 2012, mais de 82% dos acidentados no trânsito e mais de 77 % dos mortos foram do sexo masculino.

Para Débora, o principal desafio é reduzir disparidades na aplicação da lei, já que é nítida a diferença quando se comparam capitais. "Há cidades que fazem mais blitz do que outras. Cuiabá, Goiânia, Teresina, Palmas e São Luís são algumas capitais onde os dados revelam que a legislação teve menos impacto". Além disso, ela avalia que, mesmo onde as ações são mais intensificadas, poderiam ter um salto de qualidade se a ação foram mais articulada para envolver os variados órgãos públicos. Outra observação da pesquisadora é que, em cidades pequenas, a fiscalização acaba ficando sob responsabilidade exclusiva do governo estadual e na prática não acontece.

Estudo mostra que, de 2008 a 2016, Lei Seca teria evitado 41 mil mortes.O deputado Hugo Leal reconhece a falta de uniformidade na aplicação da lei em todo o país. "O Rio, por exemplo, optou por fazer uma política pública de fiscalização e obviamente tem um impacto. Começou em 2009, um ano depois que a legislação entrou em vigor". Ele faz referência à Operação Lei Seca que, segundo dados do governo estadual, realizou mais de 20 mil blitzes desde março de 2009. Dados do estado de São Paulo mostram que as ações vêm se intensificando a cada ano. O número de multas mais que quadruplicou, saltando de 11,7 mil em 2008 para 45 mil em 2016.

Também em 2016, ficou determinado que a recusa ao teste do bafômetro é infração gravíssima, além da suspensão do direito de dirigir. Além disso, foi ampliada a pena prevista ao motorista causador da morte ou de lesão corporal: passou para cinco a oito anos de reclusão. Para o professor de direito da UERJ, Maurício Mota, o grande mérito da lei foi criar um ambiente onde as pessoas estão tendo mais responsabilidade. Ele, no entanto, sente falta de mais campanhas educativas e se preocupa com o peso dado à multa, o que poderia produzir injustiça na tentativa de ser pedagógico.

O número de homens que assumem beber e dirigir é bem superior ao de mulheres."Uma multa acima de R$ 2 mil pode ser algo muito excessivo. Há pessoas que não têm condições de arcar (...) A eficácia da lei não se dá só com repressão. Ela se dá com a constância da aplicação da lei". Maurício acredita que o desafio é pensar a aplicação da lei com garantia de direitos e cita o exemplo do bafômetro, lembrando que a Constituição determina que ninguém é obrigado a produzir prova contra si mesmo. No entanto, com as mudanças implementadas em 2016, a detenção pode ocorrer quando a capacidade psicomotora alterada por influência de álcool for comprovada também por testemunhas e até vídeos.

Outra questão que gera debate é a quantidade de recursos possíveis. Da primeira notificação até a punição de fato, são seis possibilidades de manifestação do suposto infrator. Na visão de Maurício Mota, o volume pode ser excessivo. Para ele, a preocupação maior deveria ser outra. "Esses recursos na esfera administrativa nem sempre têm demonstrado efetividade. Isto é, levar os argumentos do suposto infrator a sério. Não é só uma questão do numero de níveis e instâncias. É garantir o direito à defesa. Permitir a verificação dos argumentos de forma a transmitir confiança à população. Não pode ser algo apenas protocolar, pois isso, influencia a percepção da população sobre a qualidade da lei".

.

Mais artigos...

  1. Junho aumenta riscos de acidente com fogos e balões
  2. Dom Pedro I criou Supremo Tribunal com poderes esvaziados
  3. "Sem solução, quem matou terá carta branca", diz pai de Marielle
  4. Livro sobre intelectuais negros põe em xeque ideia de democracia racial no país
  5. Carro elétrico ainda espera incentivos para crescer no Brasil
  6. Cora Coralina é inspiração para artesãs e doceiras na Cidade de Goiás
  7. Ascensão e queda de José Bonifácio, o 'Patriarca da Independência'
  8. Brasil perdeu mais de 430 mil empregos na construção entre 2015 e 2016
  9. Desmatamento e ocupação desordenada ameaçam conservação do Cerrado
  10. Poluição sonora prejudica a saúde e preocupa especialistas
  11. Senado deve aprovar incentivo para combater cartéis
  12. Cade propõe medidas para reduzir preços dos combustíveis
  13. O Brasil ocupa o oitavo lugar no ranking de número de tabagistas no mundo
  14. Entenda a composição do preço da gasolina e do diesel no Brasil
  15. Guimarães Rosa é recriado em prosas, pinturas e bordados
  16. Verdades e mentiras sobre o Cadastro Positivo
  17. Estudo da USP mostra como o álcool em dose moderada protege o coração
  18. Brasil pretende atrair mão de obra estrangeira qualificada para o país
  19. Bossa nova completa 60 anos: conheça a história do gênero musical
  20. Saí da Igreja do Rosário, andei por São Paulo e tropecei na história
  21. País busca soluções para aumento de judicialização na saúde
  22. Divisão de tarefas domésticas ainda é desigual no Brasil
  23. Cuidar da saúde é principal motivação dos que se planejam para aposentadoria
  24. Economia brasileira ainda não sentiu efeitos da Copa 2018
  25. Senado e Câmara aprovaram Lei Áurea em apenas 5 dias
  26. Dimension Data e Cisco expandem tecnologia anticaça na África
  27. Proteção de dados ganha importância na política e economia no Brasil
  28. Mais de 80 mil brasileiros migraram para Portugal em busca de segurança
  29. A cinco meses das eleições, Câmara e Senado trabalham em ritmo lento
  30. Jornais noticiaram Esquadrão da Morte de acordo com clima político
  31. Famílias sonham com clínica-escola gratuita para autistas
  32. Senado avança na definição de código que defende contribuintes
  33. Livro explica o poder e a consolidação dos Estados Unidos
  34. Pediatras lançam campanha para elucidar mitos sobre saúde infantil
  35. Mais de 40% dos brasileiros até 14 anos vivem em situação de pobreza
  36. Um milhão de indígenas brasileiros buscam alternativas para sobreviver
  37. Cuba elege 1º presidente após 60 anos de governo dos irmãos Castro
  38. Oito em cada dez brasileiros não se preparam para aposentadoria
  39. Vida de Adoniran Barbosa é tema de documentário
  40. Proximidade entre animais domésticos e silvestres traz riscos de doenças a humanos
  41. IBGE: ricos receberam 36 vezes acima do que ganharam os pobres em 2017
  42. Pesquisa revela que 58% dos brasileiros não se dedicam às próprias finanças
  43. Os mano e as mina na mira dos homi
  44. Maior virtuose do bandolim é lembrado no seu centenário
  45. Ferramenta auxilia na preparação tática de goleiros
  46. "Eu tenho um sonho!" - morte de Martin Luther King completou 50 anos e ex-assessor relembra lutas
  47. Multiculturalismo no futebol deve se expandir em seleções europeias
  48. Dia da Constituição comemorou avanços na cidadania desde a independência do Brasil
  49. Três anos depois de aprovada, Lei do Feminicídio tem avanços e desafios
  50. BC: Selic deve voltar a ter redução em maio e cortes se encerram em junho
  51. Em busca de um novo modelo de gestão para o uso da água
  52. Lei poderá dar segurança ao Farmácia Popular
  53. Acesso dos pobres à água só é possível com controle social, dizem especialistas
  54. Por que as mulheres “desapareceram” dos cursos de computação?
  55. Interiorização de venezuelanos para São Paulo e Manaus começa em abril
  56. Relatório da Unesco sobre água propõe soluções baseadas na natureza
  57. Veja quem luta contra quem no conflito na Síria
  58. Surto de febre amarela desafia vigilância de epidemias
  59. São Paulo, uma metrópole para poucos
  60. Mesmo com decisão do TST, governo não descarta privatização dos Correios
  61. Documento único estará disponível em julho
  62. Mulheres são donas de 31% de empresas nos Estados Unidos
  63. IBGE: mulheres ganham menos que homens mesmo sendo maioria com ensino superior
  64. Cadastro Positivo: Entenda o que é e quais são os reais benefícios ao consumidor
  65. CNI recomenda desburocratização, educação e pesquisa para indústria crescer
  66. Seu próximo negócio poderá ser de outro planeta
  67. Soluções sertanejas ajudam a vencer a seca no semiárido nordestino
  68. Pesquisador destaca papel da irrigação na sustentabilidade ambiental
  69. Laser infravermelho ajuda a combater gordura no fígado
  70. Leis não alteraram perfil dos caminhoneiros no Brasil, mostra estudo
  71. Técnicas de redução de ansiedade ajudam a acertar pênaltis
  72. Cremes dentais não resolvem sozinhos erosão dental e hipersensibilidade dos dentes
  73. Pesquisa diz que, de 69 milhões de casas, só 2,8% não têm TV no Brasil
  74. Hábitos alimentares deram nova identidade a japoneses na Amazônia
  75. Vitória antitabagista
  76. Desmatamento vai aquecer clima do planeta mais que o estimado
  77. Medida Provisória que altera reforma trabalhista ainda não começou a tramitar
  78. De Picasso a Chagall – Conheça o Carnaval retratado na arte
  79. Portela lembra na avenida os imigrantes judeus que se instalaram no Recife
  80. Beija-Flor fecha grupo especial com desfile sobre monstros e seus criadores
  81. União da Ilha desfila os sabores da culinária brasileira
  82. Na Marquês de Sapucaí, Imperatriz conta enredo dos 200 anos do Museu Nacional
  83. Haitianos são maioria entre os imigrantes no mercado formal brasileiro
  84. 60% das lesões no futebol atingem as coxas e joelhos
  85. Mídia representa pessoas em situação de rua de forma negativa
  86. Rap e jazz facilitam formação cultural e engajamento na escola
  87. Nova lei dá esperança a quem aguarda adoção
  88. Conheça 10 receitas 'italianas' que só existem no Brasil
  89. Brasileiros beneficiados pelo Daca vivem incerteza nos Estados Unidos
  90. Aumento de bilionários em 2017 poderia acabar com a extrema pobreza por 7 vezes
  91. Confira dez perguntas e curiosidades sobre a febre amarela
  92. Cai percepção de piora da economia entre comerciantes
  93. O escritor portenho Jorge Luis Borges continua dando o que falar
  94. Hepatite A: saiba como se pega o vírus, quais são os sintomas e tratamentos
  95. Queda da inflação beneficiou mais a classe de renda baixa, diz Ipea
  96. Psicanálise também tem lugar para pessoas em vulnerabilidade social
  97. Pesquisa identifica populações mais vulneráveis a transtornos mentais graves
  98. Promoções impulsionam comércio e vendas no varejo cresceram 0,7% em novembro
  99. Etanol brasileiro pode substituir 13,7% do petróleo consumido no mundo
  100. Eleições e Copa do Mundo devem afetar pauta de votações no Congresso