Contato: (11) 3043-4171

Comida síria transporta imaginário de refugiados para lugar que não existe mais

A culinária é algo que permeia muitos aspectos da vida. Um simples prato pode fazer lembrar de alguém especial

Comida temporario

Foto: Fernanda Scagliusi

Estudo feito na Faculdade de Saúde Pública da USP usou a culinária como ponto de partida para analisar as dificuldades de refugiados sírios em São Paulo.

Maria Fernanda Ziegler/Agência FAPESP

O valor simbólico da comida também está no cheiro de um tempero, por exemplo, capaz de remeter imediatamente a um lugar ou situação do passado e a tudo o que se passava e era sentido naquele tempo. Há ainda o famoso caso da receita, geralmente da avó, que ninguém é capaz de replicar à altura. Normalmente, o motivo da impossibilidade de copiá-la não está em um ingrediente secretíssimo, mas no afeto sentido por quem originalmente fazia a tal receita.

Para os refugiados sírios no Brasil, o simbolismo da comida tem duas características principais: além de reforçar a identidade serve como uma espécie de ponte capaz de transportar o imaginário para um lugar que não existe mais. É a Damasco, Homs, Aleppo e outras localidades de mais de sete anos atrás, quando a guerra civil atual nem tinha começado e essas pessoas ainda viviam por lá em situação completamente diferente.

Essa é a conclusão de um estudo realizado na Faculdade de Saúde Pública da PUSP e apoiado pela FAPESP. O artigo, o primeiro sobre o papel da comida síria no processo de aculturação de refugiados sírios no Brasil, foi publicado na revista científica Appetite. Ao entrevistar 10 refugiados sírios que estão reconstruindo suas vidas no Brasil, os pesquisadores usaram a comida como ponto de partida para abordar questões relacionadas ao refúgio e às atrocidades da guerra, investigando assim os diálogos entre alimentação, cultura, migração, identidade e gênero.

“Para eles, a comida segue como uma ponte entre o hoje e uma realidade que muito provavelmente não voltará a existir. A comida também reforça a identidade deles como sírios, não como refugiados. É um ponto de referência que faz com que eles continuem se percebendo com sírios”, disse Fernanda Scagliusi, primeira autora do artigo e coordenadora do Grupo de Pesquisa em Alimentação e Cultura. Os refugiados demostraram sentimento positivo ao falar da vidas na Síria antes da guerra. “O resultado é um dualismo da realidade nostálgica e a realidade dura que passaram e ainda estão passando”, disse Scagliusi.

Para os pesquisadores, esses efeitos são ainda mais significativos, visto que a comida síria não só é a base alimentar dos participantes do estudo, mas a fonte de renda e sobrevivência das famílias no Brasil. Até mesmo pelo objetivo do estudo, todos os entrevistados trabalhavam com comida síria. Nesses casos, existe, portanto, uma motivação extra para preservar técnicas, sabores e aromas aprendidos e vivenciados no passado.

Tradição que quebra barreiras
O maior fluxo de refugiados no século 21 (entre 2000 e 2016) em São Paulo é da Síria, com 1.030 novos registros no período. A despeito das dificuldades que os refugiados, o processo de aculturação tem como base a culinária. Desde que começaram a se estabelecer na cidade, em 2011, e a montar restaurantes, serviços de buffets e aulas de culinária, um grande número de notícias divulgadas mostraram refugiados sírios reconstruindo a vida por meio da venda de quitutes.

“A maioria dos participantes do estudo tinha profissões diferentes. O idioma é talvez a principal barreira, mas há a questão econômica e a questão da validação dos diplomas, que é um processo muito caro e burocrático. Muitas vezes, eles necessitam de documentos que perderam na guerra, ou que já não existem mais. Acaba que a comida é uma linguagem universal que, de certa maneira, é uma solução para eles”, disse Scagliusi.

Entre os dez participantes do estudo apenas dois trabalhavam com comida na Síria – um era dono de dois restaurantes e outro de uma padaria famosa. Os outros tinham profissões alheias à gastronomia, como é o caso de um conhecido médico ortopedista, de uma professora de inglês e de um executivo. Juntam-se a esses últimos, duas donas de casas, um engenheiro mecânico e um empresário do ramo têxtil.

Em todas as famílias pesquisadas, o gasto com comida, não só para a família, mas também para os negócios é priorizado. “A comida tende a ser privilegiada entre todas as necessidades. Também está conectada a boas memórias de momentos com a família”, disse Scagliusi. Para a produção da comida “certa”, com cheiro, aparência e sabor igual à feita na Síria, são necessários muita técnica, conhecimento e temperos específicos. Portanto, pistache e romã – ingredientes caros no Brasil e muito baratos na Síria antes da guerra – têm destaque na lista de compras. “Até a família com maior dificuldade financeira compra pistache, tâmaras e cardamomo. Eles compram para o uso na comida preparada para a família e para ser vendida em seus estabelecimentos”.

A coalhada, que na Síria podia ser comprada a preços módicos em qualquer estabelecimento, passou a ser produzida em casa, seguindo receitas antigas de família. “É importante que não fique seca e possa ser misturada com cordeiro e outras carnes”, disse uma entrevistada. Mas o exemplo mais simbólico da importância dada aos ingredientes é o cardamomo, condimento usado no café sírio. “O cardamomo é muito caro no Brasil, só que não existe café sírio sem ele. Apesar de caro, é algo que eles não conseguem abrir mão”, disse Scagliusi.

Sírios na cozinha síria

Além da importância dos ingredientes, raramente os participantes do estudo empregavam brasileiros para as atividades diretamente relacionadas ao preparo dos alimentos. Cabe aos funcionários brasileiros o trabalho de atender os clientes ou de auxiliar nas tarefas. “As comidas precisam ser feitas por mãos sírias. Há a preocupação de manter a produção de alimentos tipicamente sírios”, disse Scagliusi. E dá trabalho. “Todos os participantes foram unânimes em relatar o quão trabalhoso é produzir comida síria, inclusive os que já trabalhavam com gastronomia antes da guerra”, disse.

Isso porque existe um esforço em manter a ampla variedade de receitas. Mais de uma vez os pesquisadores ouviram dos participantes o orgulho de ter um cardápio com mais de 25 pratos, por exemplo. “A comida síria é muito diversificada e não existe o nosso conceito de uma base que se mantém, como arroz e feijão, e alguns elementos que variam. Tudo varia a cada refeição. No almoço todos os pratos variam. Então, para as crianças, foi muito difícil se adaptar ao feijão com arroz. Mas o pão de queijo brasileiro foi aprovado e é quase uma unanimidade”, disse.

No entanto, mais uma vez o afeto surge como determinante no processo de aculturação. “Tem um casal entre os entrevistados que adora arroz e feijão. Uma voluntária que trabalha com os refugiados ficou na casa deles ajudando por um bom tempo, depois que o bebê do casal nasceu no Brasil. Nesse período ela cozinhava para eles. Provavelmente pegaram o gosto pelo arroz e feijão pelo vínculo afetivo com ela”, disse.

O estudo faz parte da pesquisa “A comida como refúgio – refugiados sírios na cidade de São Paulo, Brasil”, que visa explorar os papéis socioculturais da alimentação nas vidas de refugiados sírios que trabalham com comida síria na cidade de São Paulo.

Mais artigos...

  1. ONU: nenhum país consegue garantir direitos reprodutivos das mulheres
  2. Estudo destaca estreita relação entre álcool, drogas e violência
  3. Brasil avança, mas tem desafio para cumprir meta de emissão de carbono
  4. Apenas 3,3% dos estudantes brasileiros querem ser professores
  5. Na primeira eleição presidencial, Brasil teve eleitor de menos e candidato demais
  6. Oito em cada dez idosos têm percepção positiva da terceira idade
  7. Senado analisa aposentadoria especial para condutores de ambulância
  8. Metade das cidades do país ainda não dá voz aos idosos
  9. Prédio do Museu Nacional já preocupava Senado do Império
  10. Referência da história contemporânea, Constituição completa 30 anos
  11. Desemprego pauta candidatos e será desafio ao próximo presidente
  12. Em 15 anos, Estatuto do Idoso deu visibilidade ao envelhecimento
  13. 30 anos da Constituição: Principal símbolo do processo de redemocratização nacional
  14. Rebanho de bovinos e produção de leite caem, diz pesquisa do IBGE
  15. Cresce preocupação com desperdício de alimentos em todo o mundo
  16. Empresários brasileiros apostam em alimentos e bebidas saudáveis
  17. Secretário admite que pode fechar o ano sem elucidar caso Marielle
  18. Futuro presidente terá de enfrentar financiamento do SUS
  19. Apesar de aumento, menos de 40% das cidades têm política de saneamento
  20. Metade das mulheres férteis em SP usaram pílula do dia seguinte
  21. Animais criados livres no Pampa fornecem carne mais saudável
  22. Primeiro transhomem a ser operado no Brasil, João Nery prepara livro
  23. Avança o Indicador de inadimplência do consumidor; país tem 62,9 milhões de negativados
  24. Filtro colorido aumenta velocidade de leitura de crianças com dislexia
  25. Manual ensina a cuidar da saúde bucal de crianças com autismo
  26. Iniciativas do Judiciário combatem e reparam violência contra a mulher
  27. Epidemia de gripe espanhola no Brasil mata presidente, faz escolas aprovarem todos os alunos e leva à criação da caipirinha
  28. Reforma tornou ensino profissional obrigatório em 1971
  29. Museu do Ipiranga questiona os sentidos da independência
  30. Governo vai liberar recursos emergenciais para o Museu Nacional no Rio
  31. Alunos deixam ensino fundamental com desempenho pior do que entraram
  32. Câmara discute propostas polêmicas sobre orgânicos e agrotóxicos
  33. Especialistas apontam epidemia de cesarianas no Brasil
  34. Foco de instabilidade, impacto migratório é desafio em Pacaraima
  35. Há 55 anos, Senado ajudou a derrubar parlamentarismo
  36. Especialistas debatem soluções tecnológicas para ajudar o agronegócio
  37. Denúncias de feminicídio e tentativas de assassinato chegam a 10 mil
  38. Merenda escolar é vigiada no país por 80 mil “detetives”
  39. Dos 27,4 mil registros de candidaturas, 8,4 mil são de mulheres
  40. Jogadores contam histórias do preconceito enfrentado na Europa_2
  41. Subutilização da força de trabalho atinge 27,6 milhões no Brasil
  42. Ofensiva contra o lixo: país se engaja em debate sobre a coleta seletiva
  43. Seis em cada dez crianças no Brasil vivem na pobreza, diz Unicef
  44. Manifestações afros são incorporadas à cultura sem valorização dos negros
  45. Ruy Barbosa desafiou elite e fez 1a campanha eleitoral moderna
  46. Sarampo: especialista alerta sobre a importância da vacinação
  47. Casos de suicídio motivam debate sobre saúde mental nas universidades
  48. Mortes de presos aumentam 10 vezes em quase vinte anos no Rio
  49. Petróleo, combustíveis e Refis reforçam receitas da União este ano
  50. Mulheres que fizeram aborto relatam momentos de medo e desespero
  51. Supremo Tribunal Federal debate hoje a descriminalização do aborto
  52. 44% dos empresários do varejo e de serviços estão otimistas com economia para o segundo semestre
  53. Ecossistemas tropicais abrigam mais de três quartos das espécies de plantas e animais
  54. Metade dos docentes no país não recomenda a própria profissão
  55. Projeto cria regras para proteger dados pessoais
  56. Censo mostra aumento da área destinada à agricultura no país
  57. População brasileira deve chegar a 233,2 milhões em 2047, diz IBGE
  58. Construtoras acreditam em multa maior por distrato; Procons condenam
  59. Museu Paulista e Sesc Ipiranga apresentam “Papéis Efêmeros”
  60. Radiografia do ativismo indica revitalização do papel político das cidades
  61. Canecão foi referência para música brasileira e revelou grandes nomes
  62. Saúde alerta que as baixas coberturas vacinais acendem a luz vermelha
  63. Em minoria, mulheres buscam liderar negócios de inovação e tecnologia
  64. Lei de proteção de dados vai mudar cotidiano de cidadãos e empresas
  65. Estudo destaca papel central da música nos ritos de incorporação da Umbanda
  66. Cientistas vão treinar robôs para identificação automática de plantas
  67. Combate a Lampião quase entrou na Constituição de 1934
  68. Estudo aponta 30 profissões que estão surgindo com a indústria 4.0
  69. Na era Trump, imigrantes buscam espaço na política dos Estados Unidos
  70. Acompanhar tramitação de lei ainda é desafio
  71. O maravilhoso universo das plantas e a força dos nutrientes
  72. Junho deixou sementes de participação popular
  73. Número de brasileiros em áreas de risco passa de 8 milhões, diz IBGE
  74. Vida verde: benefícios do vegetarianismo e veganismo à saúde atraem cada vez mais brasileiros
  75. Uso de energia solar no campo cresce com usinas flutuantes
  76. Vinho é a bebida alcoólica preferida dos brasileiros na melhor idade, aponta pesquisa
  77. Músicos amadores criam grupos para reviver antigos sambas esquecidos
  78. Projetos buscam evitar tragédias como o desabamento de edifício em São Paulo
  79. Quilombo a 50 km de Brasília luta para manter território e identidade
  80. Lei Seca soma dados positivos após 10 anos, mas levanta questões
  81. Junho aumenta riscos de acidente com fogos e balões
  82. Dom Pedro I criou Supremo Tribunal com poderes esvaziados
  83. "Sem solução, quem matou terá carta branca", diz pai de Marielle
  84. Livro sobre intelectuais negros põe em xeque ideia de democracia racial no país
  85. Carro elétrico ainda espera incentivos para crescer no Brasil
  86. Cora Coralina é inspiração para artesãs e doceiras na Cidade de Goiás
  87. Ascensão e queda de José Bonifácio, o 'Patriarca da Independência'
  88. Brasil perdeu mais de 430 mil empregos na construção entre 2015 e 2016
  89. Desmatamento e ocupação desordenada ameaçam conservação do Cerrado
  90. Poluição sonora prejudica a saúde e preocupa especialistas
  91. Senado deve aprovar incentivo para combater cartéis
  92. Cade propõe medidas para reduzir preços dos combustíveis
  93. O Brasil ocupa o oitavo lugar no ranking de número de tabagistas no mundo
  94. Entenda a composição do preço da gasolina e do diesel no Brasil
  95. Guimarães Rosa é recriado em prosas, pinturas e bordados
  96. Verdades e mentiras sobre o Cadastro Positivo
  97. Estudo da USP mostra como o álcool em dose moderada protege o coração
  98. Brasil pretende atrair mão de obra estrangeira qualificada para o país
  99. Bossa nova completa 60 anos: conheça a história do gênero musical
  100. Saí da Igreja do Rosário, andei por São Paulo e tropecei na história

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171