Desmatamento vai aquecer clima do planeta mais que o estimado

Floresta produz emissões que resfriam clima, e desmatamento pode levar a maior aquecimento que o previsto considerando só emissão de carbono

Cecília Bastos/USP Imagens

Artigo na Nature Communications alerta que o desmatamento provocará um aquecimento mais intenso do que o previsto.

AC-IF/Jornal da USP

O desmatamento de florestas vai provocar um aquecimento do clima global muito mais intenso do que o estimado originalmente, devido às alterações nas emissões de compostos orgânicos voláteis e às coemissões de dióxido de carbono com gases reativos e gases de efeito estufa de meia-vida curta.

Um time internacional de pesquisadores, com a participação de cientistas do Instituto de Física (IF) da USP e da Unifesp, campus Diadema, calculou a força radiativa do desmatamento, levando em conta não somente o CO2 emitido, mas também o metano, o black carbon (carbono na forma de material particulado), a alteração no albedo (a fração da radiação refletida de volta ao espaço) de superfície e todos os efeitos radiativos conhecidos. O resultado final aponta que a temperatura vai subir mais do que o previsto anteriormente.

A pesquisa foi publicada recentemente na revista Nature Communications e utilizou detalhados modelos climáticos globais acoplados à química de gases e partículas em alta resolução. Descobriu-se que as emissões de florestas que resfriam o clima (compostos orgânicos voláteis biogênicos, os BVOCs) ficarão menores, implicando que o desflorestamento pode levar a temperaturas mais altas do que o considerado em estudos anteriores.

As emissões de florestas que resfriam o clima ficarão menores, o que pode levar a temperaturas mais altas do que o considerado nas primeiras pesquisas.O físico Paulo Artaxo, do IF, um dos autores do estudo, explica que os BVOCs são gases emitidos naturalmente pelas plantas como parte de seu metabolismo. “Eles se transformam, em parte, em partículas. Na Amazônia, a maior parte das partículas em suspensão na atmosfera são provenientes da oxidação destes BVOCs. As partículas que são associadas com os BVOCs resfriam o clima do planeta, sendo mais um serviço ambiental que as florestas realizam”, descreve o físico. Ele também afirma que a maior parte dos estudos dos impactos climáticos do desmatamento publicados anteriormente focou somente as emissões de CO2.

“Neste novo estudo, levamos em conta a redução das emissões de BVOCs, a emissão de black carbon, metano e os demais gases de efeito estufa de vida curta”, explica. Os BVOCs participam de complexas reações químicas e podem produzir ozônio e metano, ambos gases de efeito estufa de meia-vida curta, isto é, com eliminação em menor tempo.

“O estudo considerou todos esses fatores conjuntamente, além das mudanças no albedo de superfície, quando derrubamos uma floresta e a trocamos para pastagem ou plantações”, acrescenta. Os gases de efeito estufa de meia-vida curta (do inglês Short Lived Climate Pollutants – SLCP) consistem em metano (CH4) e precursores de ozônio que aquecem a atmosfera e têm meia-vida muito mais curta do que a do CO2. Estes gases são emitidos conjuntamente com o CO2 no processo de desmatamento e queimadas, como ocorre na Amazônia. Seu efeito no clima é forte, pois são mais potentes que o CO2 para fazerem efeito estufa.

A ilustração mostra que esse aquecimento é desigual, sendo maior nos trópicos, onde foi previsto um aquecimento de cerca de 2 graus na Amazônia.Levando em conta todos esses fatores, observou-se que as emissões das florestas que esfriam o clima têm um papel enorme na regulação da temperatura do planeta. “Derrubando as florestas, acabamos com este efeito esfriador, e aumentamos o aquecimento global.” Artaxo coloca que o efeito global é de um aquecimento adicional de 0.8 °C, em um cenário de desmatamento total. “Isso é um valor alto, comparável ao atual aquecimento médio global (cerca de 1.2 °C) ocorrido com todas as emissões antropogênicas desde 1850”, diz o físico.

Luciana Rizzo, professora da Unifesp, outra coautora do estudo, salienta que, nos trópicos, o efeito atual das emissões de VOCs resfriando o clima é mais forte do que em florestas temperadas. “Portanto, o desmatamento nos trópicos tem um efeito mais importante no clima global”, conclui.

Empresas usam eletricidade gerada por fontes renováveis e bactérias

energia-nova-siemens temsproarioA Evonik e a Siemens planejam usar eletricidade gerada por fontes renováveis e bactérias para converter dióxido de carbono (CO2) em produtos químicos especiais. As duas empresas estão trabalhando em processos de eletrólise e fermentação, em um projeto de pesquisa em conjunto chamado Rheticus. O projeto foi lançado no último mês e deve ter duração de dois anos. A primeira usina de teste está programada para entrar em operação até 2021 na instalação da Evonik, em Marl, na Alemanha, que produz produtos químicos como butanol e hexanol, que são usados na produção de plásticos especiais e suplementos alimentares, por exemplo. A próxima etapa pode ser uma usina com capacidade para produzir até 20 mil toneladas por ano. Existe também a possibilidade de fabricar outros produtos químicos especiais ou combustíveis. Cerca de 20 cientistas das duas empresas estão envolvidos no projeto.
“Estamos desenvolvendo uma plataforma que nos permitirá produzir produtos químicos de forma muito mais econômica e verde do que hoje”, explica o Dr. Günter Schmid, responsável pelo projeto técnico da Siemens Corporate Technology. “Com a nossa plataforma, as empresas de energia poderão, no futuro, expandir suas usinas de acordo com suas necessidades”. A nova tecnologia combina vários benefícios. Além de permitir a produção sustentável de produtos químicos, ela também serve como um armazenamento de energia, podendo atender às oscilações de energia e ajudar a estabilizar a rede de distribuição. O projeto Rheticus está vinculado à Iniciativa Kopernikus de transição energética na Alemanha, que busca novas soluções para reestruturar o sistema energético. O projeto Rheticus receberá 2,8 milhões de euros de financiamento do Ministério da Educação e Pesquisa (BMBF) da Alemanha.
“Com a plataforma Rheticus, queremos mostrar que a fotossíntese artificial é viável”, acrescenta o Dr. Thomas Haas, responsável pelo projeto no departamento de pesquisa estratégica da Evonik Creavis. A fotossíntese artificial é onde o CO2 e a água são convertidos em produtos químicos usando uma combinação de etapas químicas e biológicas, em um processo semelhante àquele aplicado pelas folhas, que usam clorofila e enzimas para sintetizar a glicose.
A Siemens e a Evonik estão dedicando suas competências principais para essa colaboração de pesquisa. A Siemens fornece a tecnologia de eletrólise, que é usada no primeiro momento para converter dióxido de carbono e água em hidrogênio e monóxido de carbono (CO) usando eletricidade. A Evonik contribui com o processo de fermentação, convertendo gases que contêm CO em produtos úteis por meio de processos metabólicos com a ajuda de micro-organismos especiais. No projeto Rheticus, estas duas fases – eletrólise e fermentação – são ampliadas no laboratório e combinadas em instalações de testes técnicos (Envolverde)

Mais artigos...

  1. Medida Provisória que altera reforma trabalhista ainda não começou a tramitar
  2. De Picasso a Chagall – Conheça o Carnaval retratado na arte
  3. Portela lembra na avenida os imigrantes judeus que se instalaram no Recife
  4. Beija-Flor fecha grupo especial com desfile sobre monstros e seus criadores
  5. União da Ilha desfila os sabores da culinária brasileira
  6. Na Marquês de Sapucaí, Imperatriz conta enredo dos 200 anos do Museu Nacional
  7. Haitianos são maioria entre os imigrantes no mercado formal brasileiro
  8. 60% das lesões no futebol atingem as coxas e joelhos
  9. Mídia representa pessoas em situação de rua de forma negativa
  10. Rap e jazz facilitam formação cultural e engajamento na escola
  11. Nova lei dá esperança a quem aguarda adoção
  12. Conheça 10 receitas 'italianas' que só existem no Brasil
  13. Brasileiros beneficiados pelo Daca vivem incerteza nos Estados Unidos
  14. Aumento de bilionários em 2017 poderia acabar com a extrema pobreza por 7 vezes
  15. Confira dez perguntas e curiosidades sobre a febre amarela
  16. Cai percepção de piora da economia entre comerciantes
  17. O escritor portenho Jorge Luis Borges continua dando o que falar
  18. Hepatite A: saiba como se pega o vírus, quais são os sintomas e tratamentos
  19. Queda da inflação beneficiou mais a classe de renda baixa, diz Ipea
  20. Psicanálise também tem lugar para pessoas em vulnerabilidade social
  21. Pesquisa identifica populações mais vulneráveis a transtornos mentais graves
  22. Promoções impulsionam comércio e vendas no varejo cresceram 0,7% em novembro
  23. Etanol brasileiro pode substituir 13,7% do petróleo consumido no mundo
  24. Eleições e Copa do Mundo devem afetar pauta de votações no Congresso
  25. Livro em tupi moderno busca fortalecer o idioma na Amazônia
  26. Retrospectiva/2017: Fim da recessão, queda de juros e da inflação marcaram a economia
  27. Retrospectiva/2017: O ano dos ataques cibernéticos
  28. Retrospectiva/2017: O ano em que o Brasil mostrou que se importa com a Amazônia
  29. Lado brasileiro de Itaipu também poderá ser reserva de biosfera da Unesco
  30. Simplificar para melhorar (e muito): a urgente Reforma Tributária
  31. Fake news e controle na internet são desafios para as eleições de 2018
  32. Condições de vida são mais baixas em áreas longe dos centros
  33. Bichos de pelúcia substituem animais de laboratório em aulas na USP
  34. IBGE: 50 milhões de brasileiros vivem na linha de pobreza
  35. Em 2015 sete municípios respondiam por 25% do PIB do país, mostra IBGE
  36. País ainda precisa avançar no combate ao racismo
  37. Com política eficiente, país pode reverter prazo para cumprir objetivos estipulados pela ONU
  38. 70 anos da maior descoberta arqueológica bíblica: Manuscritos do Mar Morto
  39. Bitcoin passa de US$ 13 mil e vira 'desejo de consumo'
  40. Pesquisa do IBGE mostra trabalho "invisível" feito em 2016 no país
  41. Divórcio demorou a chegar no Brasil
  42. Prédios públicos ficam vermelhos contra a aids
  43. Estudo resgata a história do Movimento do Custo de Vida
  44. Anabolizantes comprometem funcionalidade do “colesterol bom”
  45. Presença de árvores reduz casos de câncer de pulmão em idosos
  46. Proximidade do verão aciona alerta para desastres naturais
  47. Nova lei regula situação de estrangeiros no país
  48. SP e Prefeitura de Humaitá atendem ribeirinhos no Amazonas
  49. O desaparecimento de pessoas é um problema grave, que atinge milhares de famílias no Brasil
  50. Alimentos e cosméticos podem ter alerta sobre substância cancerígena_02
  51. OIT diz que há mais de 70 milhões de jovens desempregados no mundo
  52. Lixo no mar brasileiro vai de drogas a plástico
  53. Livro 'Vestígios da Memória' mostra a riqueza da arquitetura paulista
  54. Atenção dos pais pode reduzir risco de abuso de drogas na adolescência
  55. Reforma trabalhista entrou em vigor neste sábado com novas formas de contratação
  56. Alimentos e cosméticos podem ter alerta sobre substância cancerígena
  57. Dois anos depois, atingidos por barragem em Mariana ainda não foram indenizados
  58. População não entende rótulos, diz pesquisa
  59. Ética no esporte: uma poderosa ferramenta de formação de caráter
  60. Desafios para o cumprimento do Acordo de Paris
  61. Historiador desconstrói mitos sobre Teatro Municipal de São Paulo
  62. Dia mundial de combate ao abuso infantil
  63. Bullying na escola está ligado à má relação familiar, diz estudo
  64. Naufrágios chamam a atenção para a segurança nas hidrovias brasileiras
  65. Com frete rodoviário abaixo do custo, CNI defende fiscalização para evitar crise
  66. Livro analisa educação clandestina no gueto de Varsóvia
  67. Igualdade entre homem e mulher pode agregar US$ 28 trilhões ao PIB até 2025
  68. Os acordes dissonantes da contracultura nos anos de chumbo
  69. Reforma eleitoral abre espaço para propaganda paga em sites
  70. Rotina de jovens com HIV inclui estigma e mudança de hábitos
  71. Gravidez precoce ainda é alta, mostram dados
  72. Rede de apoio é fundamental para combater violência contra a mulher
  73. FAO sugere que jovens de países em desenvolvimento não deixem áreas rurais
  74. Conheça a trajetória do Velho Guerreiro
  75. O que as crianças estão aprendendo sobre o amor?
  76. Outubro Rosa conscientiza sobre prevenção do câncer de mama
  77. Indústria fecha primeiros oito meses do ano com crescimento de 1,5%, diz IBGE
  78. Perda de renda e medo do desemprego fazem brasileiros diminuírem consumo
  79. Desconfiança e preconceito da sociedade dificultam ressocialização de presos
  80. Açaí teve maior valor de produção na extração vegetal em 2016, diz pesquisa
  81. Fécula de mandioca poderá substituir parte da farinha de trigo na composição do pão
  82. Pesquisa aponta saídas para combater desigualdade no Brasil
  83. No Brasil, 45% da população ainda não têm acesso a serviço adequado de esgoto
  84. Integrar história da ciência nas escolas pode revolucionar ensino
  85. Cerca de 11 mil pessoas tiram a própria vida todos os anos no Brasil
  86. Estudo feito na Unicamp permite traçar o roteiro da obesidade
  87. Crise pode limitar financiamento estudantil
  88. Gorduras boas: saiba a importância desses nutrientes e porque eles devem fazer parte do nosso dia a dia
  89. Mercado de trabalho dá sinais de recuperação no segundo trimestre
  90. Cientistas dizem que furacões como o Irma são evidência de aquecimento global
  91. Programa Identidade Jovem enfrenta baixa adesão e resistência dos empresários
  92. Crescimento de ataques virtuais acende alerta sobre suicídio
  93. Na Georgia, brasileiros criam rede de apoio e acolhem mais de 300 pessoas
  94. O Império do Brasil
  95. Cabelos fracos, quebradiços e com queda? A solução pode estar no cardápio
  96. Microplásticos ameaçam 529 espécies da fauna marinha em todo o mundo
  97. Enade: matrículas em instituições públicas crescem e rede privada tem redução
  98. Pesquisadores descrevem 381 novas espécies de animais e plantas da Amazônia
  99. Direito à saúde bucal pode virar lei
  100. Casa da Moeda: Economistas não acreditam que privatização traga risco de fraude
Mais Lidas