País busca soluções para aumento de judicialização na saúde

“Meu nome é Ana Laura, sou irmã do Rogério Rossi, um homem de 50 anos diagnosticado com ELA (esclerose lateral amiotrófica). Ele está internado. Necessito de ajuda para ter esse medicamento o quanto antes! Por isso, gostaria do apoio de cada um de vocês para pressionar o poder público e, assim, conseguir o remédio.”

 imagem materia 18 05 2018 temporario

Hospital em Brasília: quem não consegue atendimento recorre à Justiça.

Nelson Oliveira/Ag. Senado/Especial Cidadania

Todas as semanas, mensagens como essa são disparadas por redes de abaixo-assinados como o Change. Elas fazem parte de um dos mais intrincados nós da administração pública brasileira: a via judicial como caminho para a obtenção de tratamentos médicos. Batem à porta dos tribunais tanto quem precisa de um tratamento de alto custo, como o da esclerose lateral amiotrófica, uma doença considerada rara — atinge um em cada cem mil pessoas no Brasil — quanto quem precisa de uma simples consulta na rede pública.

Nesse intervalo, há um variado espectro de males a exigir medicamentos, intervenções e até fornecimento de fraldas.

Em 7 de março, o então ministro da Saúde Ricardo Barros fez desse tema um dos pontos principais de um balanço de atividades para a Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado. Barros explicou aos parlamentares as medidas para fazer face ao que chamou de “um problema sério na saúde”. Entre elas, a inclusão, nas licitações de remédios de fornecedores não autorizados pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) para baratear os preços. Essa medida é objeto de controvérsia judicial tanto na esfera do Superior Tribunal de Justiça (STJ) quanto do Supremo Tribunal Federal (STF).

Aproveitando um questionamento do senador Valdemir Moka (PMDB-MS), o ministro foi taxativo: “não existe orçamento para a judicialização. São R$ 7 bilhões por ano em sentenças judiciais. O dinheiro da judicialização é deslocado de outras ações para atender a judicialização. Isso desestrutura o planejamento que foi feito para atender a população”.

Esse número, conforme explicação oficial do ministério, é a soma dos gastos anuais da União, dos estados e dos municípios para atender às sentenças.

saindo temporarioDireito
No apelo de Ana Laura, percebe-se a dimensão humana, financeira e ética do drama que é o atendimento aos doentes pelo Sistema Único de Saúde (SUS), já que a Constituição prevê em seu artigo 196: a saúde é “direito de todos e dever do Estado”. O preceito é regulamentado nos mesmos te

imagem materia 02 18 05 2018 temporario

rmos pela Lei 8.080, de 1990.

O direito à saúde é o que igualmente levou Ivanilde Ramos Negreiros à Defensoria Pública do Distrito Federal no dia 3 deste mês. Ela buscava ajuda para uma tia de 62 anos, que enfrenta sérios problemas ortopédicos e está há três anos presa a uma cama em sua casa na periferia de Brasília.

— O médico diz que se a cirurgia não for feita, a saúde dela vai declinar cada vez mais — diz Ivanilde, que tem inutilmente solicitado ao Governo do Distrito Federal a realização do procedimento.

Para o coordenador do Núcleo de Saúde da Defensoria Pública, Celestino Chupel, o problema é que o Estado não está provendo o que deveria em matéria de atendimento clínico e hospitalar e de fornecimento de remédios, levando ao agravamento da saúde da população e a demandas pela via judicial, o que encarece os procedimentos, já que as compras em grupo para remédios padronizados são mais baratas do que adquiri-los a cada processo.

— O que se tenta muitas vezes é culpar o doente pela judicialização, quando ela é resultado da omissão ou desorganização do Estado —afirma Chupel.

Ivanilde reclama para a tia uma cirurgia associada a prótese bilateral no quadril. Sai por aproximadamente R$ 90 mil.

registro temporario

— Usa-se o exemplo de tratamentos de custo muito alto para criticar a judicialização, quando ela é um problema bem mais amplo — observa o defensor.

Custos
No núcleo que Chupel coordena, são atendidas cerca de 30 mil pessoas por ano, a maior parte com problemas tratáveis por terapias de custo modesto.

Segundo o defensor, no caso das doenças raras, vale a mesma lógica das doenças comuns: quando o Estado incorpora os tratamentos à rotina do SUS, o custo é reduzido “assustadoramente”, não só do ponto de vista dos remédios e procedimentos, que são adquiridos por processos controlados, inclusive com licitação, mas do ponto de vista do custo da ação judicial em si.

O defensor Ramiro Santana, que trabalha com o acompanhamento de ações judiciais e é representante da defensoria no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), disse que o órgão é demandado para que os cidadãos muitas vezes obtenham uma simples consulta e exames como mamografia, ecocardiograma e ressonância magnética — essa última ao custo médio de R$ 800.

Por isso, ele não vê “fundamentos claros” na afirmação de que a via judicial é um privilégio obtido às custas dos 

recursos que serviriam a um grande contingente:

— Existe um mito de que a judicialização é para a elite. O outro é que a judicialização desestrutura os orçamentos. Outros fatores vêm antes, como, por exemplo, a PEC do Limite de Gastos e as isenções para os planos de saúde das pessoas físicas — afirmou.

Conforme Santana, parte do problema decorre do atraso do país na estruturação do acesso à assistência farmacêutica, principalmente para as pessoas com doenças raras:

— De qualquer maneira, o sistema já está bem organizado: A Agência Nacional de Vigilância Sanitária cuida do registro dos medicamentos e faz a barreira sanitária. A Conitec [Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS] e as comissões estaduais analisam a adoção de novos procedimentos. Precisamos agora ter mais celeridade nessas análises e instrumentos para evitar, seja o favorecimento de uma empresa farmacêutica, seja o esquecimento de qualquer faixa da população.

Efetividade
A celeridade dos processos de incorporação de tratamentos, e a consequente redução dos processos judiciais, poderia ser impulsionada, de acordo com o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), por indicador conhecido como avaliação de custo-efetividade. É possível chegar a ela calculando-se quanto custará cada ano de sobrevida — com relativa qualidade — após um determinado tratamento.

Consequentemente, poderia ser estabelecida, em valores monetários, uma linha de corte, abaixo da qual o tratamento seria considerado adequado em termos de custo, em face de sua efetividade.

— Não é possível continuar com essa regra de judicialização sem que possamos aprimorar os tratamentos e as terapias que possam estar disponíveis para a população. É claro que fica sempre a discussão de caráter orçamentário, mas é uma discussão que pouco me sensibiliza, num país onde tantas pessoas morrem por falta de uma oportunidade — ponderou o senador em audiência pública na Comissão de Assuntos Sociais em agosto.

Cássio acredita que um critério objetivo, regulamentado de maneira clara e amplamente divulgado cooperaria para a adoção de novos tratamentos, evitando o limbo no qual atuam os demandantes na Justiça.

A rigor, a Lei 8.080 já determina a avaliação de custo-efetividade dos medicamentos e terapias fornecidas pelo SUS, além de análise da eficácia e segurança para as diferentes fases evolutivas da doença.

Mais artigos...

  1. Divisão de tarefas domésticas ainda é desigual no Brasil
  2. Cuidar da saúde é principal motivação dos que se planejam para aposentadoria
  3. Economia brasileira ainda não sentiu efeitos da Copa 2018
  4. Senado e Câmara aprovaram Lei Áurea em apenas 5 dias
  5. Dimension Data e Cisco expandem tecnologia anticaça na África
  6. Proteção de dados ganha importância na política e economia no Brasil
  7. Mais de 80 mil brasileiros migraram para Portugal em busca de segurança
  8. A cinco meses das eleições, Câmara e Senado trabalham em ritmo lento
  9. Jornais noticiaram Esquadrão da Morte de acordo com clima político
  10. Famílias sonham com clínica-escola gratuita para autistas
  11. Senado avança na definição de código que defende contribuintes
  12. Livro explica o poder e a consolidação dos Estados Unidos
  13. Pediatras lançam campanha para elucidar mitos sobre saúde infantil
  14. Mais de 40% dos brasileiros até 14 anos vivem em situação de pobreza
  15. Um milhão de indígenas brasileiros buscam alternativas para sobreviver
  16. Cuba elege 1º presidente após 60 anos de governo dos irmãos Castro
  17. Oito em cada dez brasileiros não se preparam para aposentadoria
  18. Vida de Adoniran Barbosa é tema de documentário
  19. Proximidade entre animais domésticos e silvestres traz riscos de doenças a humanos
  20. IBGE: ricos receberam 36 vezes acima do que ganharam os pobres em 2017
  21. Pesquisa revela que 58% dos brasileiros não se dedicam às próprias finanças
  22. Os mano e as mina na mira dos homi
  23. Maior virtuose do bandolim é lembrado no seu centenário
  24. Ferramenta auxilia na preparação tática de goleiros
  25. "Eu tenho um sonho!" - morte de Martin Luther King completou 50 anos e ex-assessor relembra lutas
  26. Multiculturalismo no futebol deve se expandir em seleções europeias
  27. Dia da Constituição comemorou avanços na cidadania desde a independência do Brasil
  28. Três anos depois de aprovada, Lei do Feminicídio tem avanços e desafios
  29. BC: Selic deve voltar a ter redução em maio e cortes se encerram em junho
  30. Em busca de um novo modelo de gestão para o uso da água
  31. Lei poderá dar segurança ao Farmácia Popular
  32. Acesso dos pobres à água só é possível com controle social, dizem especialistas
  33. Por que as mulheres “desapareceram” dos cursos de computação?
  34. Interiorização de venezuelanos para São Paulo e Manaus começa em abril
  35. Relatório da Unesco sobre água propõe soluções baseadas na natureza
  36. Veja quem luta contra quem no conflito na Síria
  37. Surto de febre amarela desafia vigilância de epidemias
  38. São Paulo, uma metrópole para poucos
  39. Mesmo com decisão do TST, governo não descarta privatização dos Correios
  40. Documento único estará disponível em julho
  41. Mulheres são donas de 31% de empresas nos Estados Unidos
  42. IBGE: mulheres ganham menos que homens mesmo sendo maioria com ensino superior
  43. Cadastro Positivo: Entenda o que é e quais são os reais benefícios ao consumidor
  44. CNI recomenda desburocratização, educação e pesquisa para indústria crescer
  45. Seu próximo negócio poderá ser de outro planeta
  46. Soluções sertanejas ajudam a vencer a seca no semiárido nordestino
  47. Pesquisador destaca papel da irrigação na sustentabilidade ambiental
  48. Laser infravermelho ajuda a combater gordura no fígado
  49. Leis não alteraram perfil dos caminhoneiros no Brasil, mostra estudo
  50. Técnicas de redução de ansiedade ajudam a acertar pênaltis
  51. Cremes dentais não resolvem sozinhos erosão dental e hipersensibilidade dos dentes
  52. Pesquisa diz que, de 69 milhões de casas, só 2,8% não têm TV no Brasil
  53. Hábitos alimentares deram nova identidade a japoneses na Amazônia
  54. Vitória antitabagista
  55. Desmatamento vai aquecer clima do planeta mais que o estimado
  56. Medida Provisória que altera reforma trabalhista ainda não começou a tramitar
  57. De Picasso a Chagall – Conheça o Carnaval retratado na arte
  58. Portela lembra na avenida os imigrantes judeus que se instalaram no Recife
  59. Beija-Flor fecha grupo especial com desfile sobre monstros e seus criadores
  60. União da Ilha desfila os sabores da culinária brasileira
  61. Na Marquês de Sapucaí, Imperatriz conta enredo dos 200 anos do Museu Nacional
  62. Haitianos são maioria entre os imigrantes no mercado formal brasileiro
  63. 60% das lesões no futebol atingem as coxas e joelhos
  64. Mídia representa pessoas em situação de rua de forma negativa
  65. Rap e jazz facilitam formação cultural e engajamento na escola
  66. Nova lei dá esperança a quem aguarda adoção
  67. Conheça 10 receitas 'italianas' que só existem no Brasil
  68. Brasileiros beneficiados pelo Daca vivem incerteza nos Estados Unidos
  69. Aumento de bilionários em 2017 poderia acabar com a extrema pobreza por 7 vezes
  70. Confira dez perguntas e curiosidades sobre a febre amarela
  71. Cai percepção de piora da economia entre comerciantes
  72. O escritor portenho Jorge Luis Borges continua dando o que falar
  73. Hepatite A: saiba como se pega o vírus, quais são os sintomas e tratamentos
  74. Queda da inflação beneficiou mais a classe de renda baixa, diz Ipea
  75. Psicanálise também tem lugar para pessoas em vulnerabilidade social
  76. Pesquisa identifica populações mais vulneráveis a transtornos mentais graves
  77. Promoções impulsionam comércio e vendas no varejo cresceram 0,7% em novembro
  78. Etanol brasileiro pode substituir 13,7% do petróleo consumido no mundo
  79. Eleições e Copa do Mundo devem afetar pauta de votações no Congresso
  80. Livro em tupi moderno busca fortalecer o idioma na Amazônia
  81. Retrospectiva/2017: Fim da recessão, queda de juros e da inflação marcaram a economia
  82. Retrospectiva/2017: O ano dos ataques cibernéticos
  83. Retrospectiva/2017: O ano em que o Brasil mostrou que se importa com a Amazônia
  84. Lado brasileiro de Itaipu também poderá ser reserva de biosfera da Unesco
  85. Simplificar para melhorar (e muito): a urgente Reforma Tributária
  86. Fake news e controle na internet são desafios para as eleições de 2018
  87. Condições de vida são mais baixas em áreas longe dos centros
  88. Bichos de pelúcia substituem animais de laboratório em aulas na USP
  89. IBGE: 50 milhões de brasileiros vivem na linha de pobreza
  90. Em 2015 sete municípios respondiam por 25% do PIB do país, mostra IBGE
  91. País ainda precisa avançar no combate ao racismo
  92. Com política eficiente, país pode reverter prazo para cumprir objetivos estipulados pela ONU
  93. 70 anos da maior descoberta arqueológica bíblica: Manuscritos do Mar Morto
  94. Bitcoin passa de US$ 13 mil e vira 'desejo de consumo'
  95. Pesquisa do IBGE mostra trabalho "invisível" feito em 2016 no país
  96. Divórcio demorou a chegar no Brasil
  97. Prédios públicos ficam vermelhos contra a aids
  98. Estudo resgata a história do Movimento do Custo de Vida
  99. Anabolizantes comprometem funcionalidade do “colesterol bom”
  100. Presença de árvores reduz casos de câncer de pulmão em idosos
Mais Lidas