Divisão de tarefas domésticas ainda é desigual no Brasil

No fim de 2010, o jornalista e executivo Claudio Henrique dos Santos deixou o Brasil com a família rumo a  Cingapura. Sua mulher havia recebido um convite para trabalhar no país asiático. Ele fechou sua recém-aberta loja de vinhos e previu que a experiência anterior como assessor de comunicação em grandes empresas multinacionais abriria portas profissionais no novo país

 imagem materia 17 05 2018 temporario

Mulheres dedicam ao lar 10 horas a mais por semana que os homens.

Guilherme Oliveira/Ag. Senado/Especial Cidadania

Ao chegar lá, a realidade foi outra, porém. Santos não conseguiu obter um visto de trabalho para o novo lar. Isso não prejudicou a vida da família: o salário da esposa era suficiente para dar ao casal e à filha de 3 anos uma condição confortável. No entanto, a situação mexeu com a cabeça dele.

— Eu era um cara supermachista. Não sabia, mas era. Passei o primeiro ano com dificuldades. Eu trabalhei a vida inteira, nunca dependi de ninguém e de repente precisava pedir dinheiro para a minha mulher para comprar um sanduíche.

Sem trabalhar fora, o jornalista se incumbiu da vida doméstica — apenas para passar o tempo, como ele próprio admite, e não por um senso de responsabilidade. Afinal, entendia que aquela não deveria ser sua função.

— Para mim era assim: o gato mia, o cachorro late e a mulher cuida da casa e dos filhos. Parecia uma coisa tão natural.

Pouco tempo depois, a mulher foi promovida e transferida para os Estados Unidos. Santos conta que viu o sucesso da companheira, percebeu que a família estava levando uma boa vida e percebeu que não podia ser egoísta a ponto de se rebelar contra isso. Decidiu “sair do armário”: a partir dali, tornou-se dono de casa em tempo integral.

horas temporarioA transformação forçada abriu os olhos de Santos, mas muitos homens brasileiros ainda encaram com normalidade a desigualdade entre os gêneros no compartilhamento das tarefas domésticas. Em abril, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou números, extraídos da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, que mostram a diferença da participação de homens e de mulheres nos encargos cotidianos. Apesar de um maior envolvimento deles em comparação com os dados colhidos no passado, ainda são elas que carregam a maior parte do fardo: dedicam o dobro do tempo às tarefas domésticas.divisao temporario

Dupla jornada
Um fator que contribui para alimentar essa desigualdade está associado, curiosamente, a uma mudança social positiva que se processou nas últimas décadas: a inserção resiliente da mulher no mercado de trabalho formal.

A participação feminina na população economicamente ativa avolumou-se consistentemente de meados do século passado até hoje, chegando mais perto de um equilíbrio com a parcela masculina desse grupo — a disparidade chegava, no fim dos anos 1970, a sete homens e três mulheres em cada grupo de dez trabalhadores.
Também cresceu a taxa de atividade econômica dentro da população feminina, que mais do que dobrou no mesmo período, o que significa mais mulheres inseridas ou buscando se inserir no mercado remunerado. Apesar de o auge dessa tendência não ter atingido o mesmo patamar que o da população masculina, a evolução foi bem maior do que a registrada entre os homens.

A especialista em políticas públicas e pesquisadora do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Natália Fontoura explica que essa transformação aconteceu sem que houvesse atenção ao que se passava da porta de casa para dentro. A maior participação das mulheres no mercado de trabalho não veio combinada com uma revisão das configurações domésticas.

Como resultado, a mulher passou a exercer uma jornada múltipla: além do seu novo papel como trabalhadora formal, ela precisa cumprir as tarefas do lar.

— O arranjo tradicional é que o homem é o provedor e a mulher é a cuidadora. Quando passamos a ter uma entrada mais forte das mulheres no mercado de trabalho, começa a haver divisão do trabalho de provimento. Mas o trabalho de cuidados não é compartilhado na mesma magnitude.

A resistência à adaptação das rotinas cotidianas nas famílias é atribuída a valores culturais, que podem estar mudando lentamente. Para a socióloga Milena do Carmo, coordenadora do Instituto Promundo, é possível detectar conscientização crescente entre os novos adultos.

— Acredito que é uma questão geracional. Se antes trabalhávamos com resistência em todos os segmentos da sociedade, hoje encontramos transformações nesse quadro, em especial entre as classes médias.

O Promundo é uma organização não governamental (ONG) que trabalha com a promoção da equidade de gênero em várias frentes. Uma delas é a promoção do envolvimento dos homens na paternidade e nos cuidados domésticos, por meio de projetos educativos em escolas e centros de saúde, de seminários e de pesquisas periódicas.

Esforço
Apesar de enxergar um maior interesse dos homens, em nível individual, em se envolverem na transformação dos modelos padrão de organização familiar, Milena observa que ainda há pouco respaldo social para impulsionar essa mudança.

— Homens cuidando de crianças e limpando a casa ainda causam estranhamento e não têm encontrado apoio da família estendida, de amigos e do local de trabalho. Diversos relatos de pais envolvidos apontam para a dificuldade de encontrar outros homens na mesma situação.

Claudio Henrique dos Santos tem se esforçado para ser parte catalisadora desse esforço. Hoje morando na França, ele vem ao Brasil periodicamente para dar palestras sobre suas experiências pessoais. Também escreveu um livro: Macho do Século XXI — O executivo que virou dono de casa. E acabou gostando (Ed. Claridade, 2013). A adaptação da obra para o cinema está em fase de pré-produção.

Santos conta que se depara com reações positivas dos homens na audiência de suas palestras. Alguns, que já incorporam o compartilhamento de tarefas como parte fundamental da vida cotidiana, mostram-se incentivados a “sair do armário”.

Outros — os “mais cabeçudos”, diz — não reagem mal às exposições, pelo contrário: o jornalista acredita que a trajetória particular dele, sendo inicialmente um homem completamente insensível a essa questão, ajuda-o a se comunicar bem com essa parcela do público masculino.

— Coloco o cara para pensar que poderia ser ele [no meu lugar], porque eu era igual [a ele]. Se eu não tivesse vivido uma experiência super-radical, continuaria fazendo as mesmas coisas — explica.tipos temporario

Atividade no lar poderá ter reconhecimento como parte da economia e ser incluída no PIB
A desigualdade de gênero no campo das tarefas domésticas não é um tema que possa ser corrigido por interferência legislativa direta, mas há alternativas possíveis ao alcance das políticas públicas. Natália Fontoura, do Ipea, é uma das autoras de um estudo que busca estabelecer um marco conceitual para esse setor de atividades — chamado de “economia dos cuidados”.

imagem materia 2 17 05 2018 temporarioA delimitação do termo já é alvo de discussões em nível acadêmico e há inclusive correntes divergentes que defendem definições mais ou menos abrangentes: uma delas se restringe aos cuidados diretos de pessoas dependentes e vulneráveis, enquanto a outra se refere a toda atividade necessária para manter a integridade de um ambiente (como lavar louça, fazer faxina e cozinhar). O que ambas as definições têm em comum, porém, é o objetivo de dar reconhecimento econômico a tarefas que são consideradas corriqueiras, mas que, se não forem realizadas, inviabilizam o funcionamento da economia formal.

— O cuidado doméstico não brota naturalmente se ninguém fizer, e só se alguém fizer é que as pessoas podem fazer todas as outras atividades, como trabalhar fora e ir para a escola. Tudo depende disso. A noção de trabalho tinha muito a ver com o mundo produtivo, gerando um bem ou produto mercantilizado, mas é importante entender que os cuidados são um trabalho — argumenta Natália.

O marco conceitual buscado pelo estudo do Ipea teria a função de inserir a economia dos cuidados no produto interno bruto (PIB) brasileiro, encontrando uma forma de quantificá-lo e atribuir a ele uma fatia da economia nacional. Com essa estatística em mãos, seria possível evidenciar a contribuição que as tarefas domésticas cotidianas prestam para a produtividade nacional.

Natália entende, ainda, que identificar essa contribuição jogará uma luz diferente sobre a discrepância da participação de cada gênero nas atividades domésticas.

Mais artigos...

  1. Cuidar da saúde é principal motivação dos que se planejam para aposentadoria
  2. Economia brasileira ainda não sentiu efeitos da Copa 2018
  3. Senado e Câmara aprovaram Lei Áurea em apenas 5 dias
  4. Dimension Data e Cisco expandem tecnologia anticaça na África
  5. Proteção de dados ganha importância na política e economia no Brasil
  6. Mais de 80 mil brasileiros migraram para Portugal em busca de segurança
  7. A cinco meses das eleições, Câmara e Senado trabalham em ritmo lento
  8. Jornais noticiaram Esquadrão da Morte de acordo com clima político
  9. Famílias sonham com clínica-escola gratuita para autistas
  10. Senado avança na definição de código que defende contribuintes
  11. Livro explica o poder e a consolidação dos Estados Unidos
  12. Pediatras lançam campanha para elucidar mitos sobre saúde infantil
  13. Mais de 40% dos brasileiros até 14 anos vivem em situação de pobreza
  14. Um milhão de indígenas brasileiros buscam alternativas para sobreviver
  15. Cuba elege 1º presidente após 60 anos de governo dos irmãos Castro
  16. Oito em cada dez brasileiros não se preparam para aposentadoria
  17. Vida de Adoniran Barbosa é tema de documentário
  18. Proximidade entre animais domésticos e silvestres traz riscos de doenças a humanos
  19. IBGE: ricos receberam 36 vezes acima do que ganharam os pobres em 2017
  20. Pesquisa revela que 58% dos brasileiros não se dedicam às próprias finanças
  21. Os mano e as mina na mira dos homi
  22. Maior virtuose do bandolim é lembrado no seu centenário
  23. Ferramenta auxilia na preparação tática de goleiros
  24. "Eu tenho um sonho!" - morte de Martin Luther King completou 50 anos e ex-assessor relembra lutas
  25. Multiculturalismo no futebol deve se expandir em seleções europeias
  26. Dia da Constituição comemorou avanços na cidadania desde a independência do Brasil
  27. Três anos depois de aprovada, Lei do Feminicídio tem avanços e desafios
  28. BC: Selic deve voltar a ter redução em maio e cortes se encerram em junho
  29. Em busca de um novo modelo de gestão para o uso da água
  30. Lei poderá dar segurança ao Farmácia Popular
  31. Acesso dos pobres à água só é possível com controle social, dizem especialistas
  32. Por que as mulheres “desapareceram” dos cursos de computação?
  33. Interiorização de venezuelanos para São Paulo e Manaus começa em abril
  34. Relatório da Unesco sobre água propõe soluções baseadas na natureza
  35. Veja quem luta contra quem no conflito na Síria
  36. Surto de febre amarela desafia vigilância de epidemias
  37. São Paulo, uma metrópole para poucos
  38. Mesmo com decisão do TST, governo não descarta privatização dos Correios
  39. Documento único estará disponível em julho
  40. Mulheres são donas de 31% de empresas nos Estados Unidos
  41. IBGE: mulheres ganham menos que homens mesmo sendo maioria com ensino superior
  42. Cadastro Positivo: Entenda o que é e quais são os reais benefícios ao consumidor
  43. CNI recomenda desburocratização, educação e pesquisa para indústria crescer
  44. Seu próximo negócio poderá ser de outro planeta
  45. Soluções sertanejas ajudam a vencer a seca no semiárido nordestino
  46. Pesquisador destaca papel da irrigação na sustentabilidade ambiental
  47. Laser infravermelho ajuda a combater gordura no fígado
  48. Leis não alteraram perfil dos caminhoneiros no Brasil, mostra estudo
  49. Técnicas de redução de ansiedade ajudam a acertar pênaltis
  50. Cremes dentais não resolvem sozinhos erosão dental e hipersensibilidade dos dentes
  51. Pesquisa diz que, de 69 milhões de casas, só 2,8% não têm TV no Brasil
  52. Hábitos alimentares deram nova identidade a japoneses na Amazônia
  53. Vitória antitabagista
  54. Desmatamento vai aquecer clima do planeta mais que o estimado
  55. Medida Provisória que altera reforma trabalhista ainda não começou a tramitar
  56. De Picasso a Chagall – Conheça o Carnaval retratado na arte
  57. Portela lembra na avenida os imigrantes judeus que se instalaram no Recife
  58. Beija-Flor fecha grupo especial com desfile sobre monstros e seus criadores
  59. União da Ilha desfila os sabores da culinária brasileira
  60. Na Marquês de Sapucaí, Imperatriz conta enredo dos 200 anos do Museu Nacional
  61. Haitianos são maioria entre os imigrantes no mercado formal brasileiro
  62. 60% das lesões no futebol atingem as coxas e joelhos
  63. Mídia representa pessoas em situação de rua de forma negativa
  64. Rap e jazz facilitam formação cultural e engajamento na escola
  65. Nova lei dá esperança a quem aguarda adoção
  66. Conheça 10 receitas 'italianas' que só existem no Brasil
  67. Brasileiros beneficiados pelo Daca vivem incerteza nos Estados Unidos
  68. Aumento de bilionários em 2017 poderia acabar com a extrema pobreza por 7 vezes
  69. Confira dez perguntas e curiosidades sobre a febre amarela
  70. Cai percepção de piora da economia entre comerciantes
  71. O escritor portenho Jorge Luis Borges continua dando o que falar
  72. Hepatite A: saiba como se pega o vírus, quais são os sintomas e tratamentos
  73. Queda da inflação beneficiou mais a classe de renda baixa, diz Ipea
  74. Psicanálise também tem lugar para pessoas em vulnerabilidade social
  75. Pesquisa identifica populações mais vulneráveis a transtornos mentais graves
  76. Promoções impulsionam comércio e vendas no varejo cresceram 0,7% em novembro
  77. Etanol brasileiro pode substituir 13,7% do petróleo consumido no mundo
  78. Eleições e Copa do Mundo devem afetar pauta de votações no Congresso
  79. Livro em tupi moderno busca fortalecer o idioma na Amazônia
  80. Retrospectiva/2017: Fim da recessão, queda de juros e da inflação marcaram a economia
  81. Retrospectiva/2017: O ano dos ataques cibernéticos
  82. Retrospectiva/2017: O ano em que o Brasil mostrou que se importa com a Amazônia
  83. Lado brasileiro de Itaipu também poderá ser reserva de biosfera da Unesco
  84. Simplificar para melhorar (e muito): a urgente Reforma Tributária
  85. Fake news e controle na internet são desafios para as eleições de 2018
  86. Condições de vida são mais baixas em áreas longe dos centros
  87. Bichos de pelúcia substituem animais de laboratório em aulas na USP
  88. IBGE: 50 milhões de brasileiros vivem na linha de pobreza
  89. Em 2015 sete municípios respondiam por 25% do PIB do país, mostra IBGE
  90. País ainda precisa avançar no combate ao racismo
  91. Com política eficiente, país pode reverter prazo para cumprir objetivos estipulados pela ONU
  92. 70 anos da maior descoberta arqueológica bíblica: Manuscritos do Mar Morto
  93. Bitcoin passa de US$ 13 mil e vira 'desejo de consumo'
  94. Pesquisa do IBGE mostra trabalho "invisível" feito em 2016 no país
  95. Divórcio demorou a chegar no Brasil
  96. Prédios públicos ficam vermelhos contra a aids
  97. Estudo resgata a história do Movimento do Custo de Vida
  98. Anabolizantes comprometem funcionalidade do “colesterol bom”
  99. Presença de árvores reduz casos de câncer de pulmão em idosos
  100. Proximidade do verão aciona alerta para desastres naturais
Mais Lidas