Contato: (11) 3043-4171

Encerrada há um século, Primeira Guerra extinguiu impérios

Encerrada há 100 anos, com o armistício do dia 11 de novembro de 1918, a Primeira Guerra Mundial provocou profundas mudanças no mapa-múndi, com o desaparecimento dos grandes impérios e o surgimento de vários Estados-nação

mapa-da-europa-antes-do-inicio-da-primeira temproario

Antes da Primeira Guerra em 1914, divisão territorial mostra grandes impérios.

mapa-da-europa-depois-do-fim temproario

Depois do fim da Primeira Guerra, impérios se fragmentam em vários Estados-nações.

Arte/UOL

Império Russo
O conflito terminou com a vitória da Tríplice Entente, formada por Reino Unido, França e Império Russo. O triunfo, no entanto, não impediu este último de perder as repúblicas bálticas (Letônia, Lituânia e Estônia), Bielorrússia, Ucrânia, Polônia e Finlândia no Tratado de Brest-Litovski, assinado com a Alemanha em março de 1918.

Após a derrota alemã na Primeira Guerra, os países bálticos, Finlândia e Polônia declararam suas independências, enquanto Bielorrússia e Ucrânia foram reanexadas pela agora União Soviética.

Império Alemão
Derrotado pelos Aliados, o jovem império formado na unificação da Alemanha, em 1871, teve de devolver a Alsácia-Lorena para a França e ceder territórios para Bélgica e Polônia, além de todas as suas posses coloniais.

Império Austro-Húngaro
O poderoso império dos Habsburgo na Europa Central e no caldeirão étnico dos Bálcãs foi dizimado pela Primeira Guerra Mundial. Foi o assassinato do herdeiro do trono austro-húngaro, arquiduque Francisco Ferdinando, que desencadeou a Primeira Guerra e, em última instância, o fim da dinastia.

Áustria e Hungria se tornaram países separados e viram o surgimento da Tchecoslováquia (hoje Eslováquia e República Tcheca) e da Iugoslávia, que englobava também Sérvia e Montenegro. O extremo-leste do império, que corresponde à Transilvânia, foi anexado pela Romênia.

Já o sudoeste foi tomado pela Itália e atualmente engloba as regiões de Trentino-Alto Ádige, onde existem até hoje movimentos separatistas pró-Áustria, especialmente na província autônoma de Bolzano, e o extremo-leste de Friuli Veneza Giulia, como as cidades de Gorizia e Trieste.

A Itália também anexou a península da Ístria, hoje pertencente à Croácia.

Império Otomano
Única potência muçulmana a desafiar o Ocidente, o Império Turco-Otomano, aliado da Alemanha, já chegou em declínio à Primeira Guerra, que determinaria sua extinção.
Antes dominante no norte da África, no Oriente Médio e no sudeste da Europa, o império se transformou em República da Turquia, com território resumido à península de Anatólia, a parcela asiática e majoritária do país, e a Constantinopla, hoje Istambul (ANSA).

Encerrada 2 temproario

Foto: ANSA

Os novos nacionalismos nascem do fracasso de vários aspectos do projeto de globalização.

100 anos após 1ª Guerra, nacionalismo mostra nova roupagem

Em 11 de novembro de 1918, com o armistício entre o derrotado Império Alemão e os vitoriosos Aliados, o mundo pôde celebrar o fim de sua primeira Grande Guerra, mas via se consolidar também uma ideologia que permearia inúmeros conflitos no século 20 e chegaria ao novo milênio revigorada e em outra roupagem: o nacionalismo.

Um século se passou desde o fim da Primeira Guerra Mundial, mas o sentimento da "nação em primeiro lugar" ressurge novamente com força em todo o planeta, fazendo líderes internacionais voltarem aos conflitos ocorridos entre 1914 e 1918 para alertar sobre um suposto perigo iminente.

No último domingo (4), durante a festa que celebra a campanha da Itália na Primeira Guerra, o presidente Sergio Mattarella afirmou que é preciso "reiterar com força a amizade e a colaboração" e criticou as "bajulações de um nacionalismo agressivo". "O amor à Pátria não coincide com o extremismo nacionalista", disse.

Dois dias depois, o presidente da França, Emmanuel Macron, reforçou que "demônios" do passado podem "ressurgir". "A paz da Europa é precária e foi construída sobre esses dramas, sobre a Primeira Guerra Mundial, que causou 10 milhões de mortes.
Defender fechamento de fronteiras, a recusa do próximo. A Europa está cada vez mais fraturada", alertou. Para o historiador Sidney Leite, pró-reitor do Centro Universitário Belas Artes, de São Paulo, o nacionalismo era muito mais forte entre o fim do século 19 e o início do 20, apesar de seu recente ressurgimento.

"Os matizes nacionalistas eram muito mais fortes, e não havia até então os excessos que os nacionalistas mostrariam na Primeira e na Segunda Guerras. O nacionalismo está agora dentro de um conjunto de forças que se mostra muito mais como uma concepção de posicionamento político, mas sem a mesma hegemonia das três primeiras décadas do século passado", diz.

O nacionalismo do pré-guerra estava, explica Leite, muito ligado a uma concepção de poder e território. Um dos efeitos colaterais dessa característica é o expansionismo, algo que não se vê no nacionalismo de hoje, que possui um caráter mais protecionista, de fechamento ao que vem de fora.

"Não vejo o expansionismo como uma ideia central do nacionalismo contemporâneo. O caso norte-americano, por exemplo, é muito mais de fechar fronteiras, evitar a chegada do outro. O perigo de enfraquecer a cultura local está muito presente também no nacionalismo francês", acrescenta o historiador.

O aspecto expansionista é um dos catalizadores da Grande Guerra, especialmente na Alemanha, que buscava protagonismo político e a expansão de suas fronteiras para conquistar territórios e mercados em um cenário de pujança econômica.

"A Primeira Guerra Mundial é como um palco onde aos poucos o cenário vai se construindo, pela competição econômica entre Estados nacionais, pela disputa se valendo de armas e por um sistema internacional de alianças que me coloca sempre em um campo contrário a outro", diz Leite.

Globalização fracassada
Para o historiador, os novos nacionalismos nascem do fracasso de vários aspectos do projeto de globalização. "Quando entramos no século 21, a perspectiva era de uma vitória inexorável da globalização. Isso não aconteceu", explica.

Ao longo dos anos, a sociedade e os Estados começaram a perceber que estavam perdendo empregos e qualidade de vida, o que dá combustível para uma onda nacionalista que ganha força em momentos de incertezas e crises.

"Penso que precisamos estudar, como se tivéssemos um termômetro, até que ponto essa tendência pode se tornar maioria. Ou possui um teto?", questiona o historiador (ANSA).

Mais artigos...

  1. Estigmas e tabus: por que o câncer de ontem não é o mesmo de hoje
  2. ONG oferece assessoria a empreendedores no Brasil
  3. Ministros do STF defendem necessidade de reforma política
  4. Sem obras em dois distritos, moradores de Mariana mostram apreensão
  5. Em novembro de 1955, crise fez Brasil ter 3 presidentes numa única semana
  6. General Heleno defende uso de atiradores de elite contra criminosos
  7. Preservar a Constituição e unir sociedade são prioridades de Bolsonaro
  8. Negros e brancos de alta renda moram em locais distantes e distintos
  9. Antes da Eletrobras, Brasil vivia rotina de apagões
  10. A água no Brasil: da abundância à escassez
  11. Alimentação está na pauta do novo Congresso
  12. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens
  13. Projeto pretende retardar o envelhecimento do sistema imune humano
  14. Comida síria transporta imaginário de refugiados para lugar que não existe mais
  15. ONU: nenhum país consegue garantir direitos reprodutivos das mulheres
  16. Estudo destaca estreita relação entre álcool, drogas e violência
  17. Brasil avança, mas tem desafio para cumprir meta de emissão de carbono
  18. Apenas 3,3% dos estudantes brasileiros querem ser professores
  19. Na primeira eleição presidencial, Brasil teve eleitor de menos e candidato demais
  20. Oito em cada dez idosos têm percepção positiva da terceira idade
  21. Senado analisa aposentadoria especial para condutores de ambulância
  22. Metade das cidades do país ainda não dá voz aos idosos
  23. Prédio do Museu Nacional já preocupava Senado do Império
  24. Referência da história contemporânea, Constituição completa 30 anos
  25. Desemprego pauta candidatos e será desafio ao próximo presidente
  26. Em 15 anos, Estatuto do Idoso deu visibilidade ao envelhecimento
  27. 30 anos da Constituição: Principal símbolo do processo de redemocratização nacional
  28. Rebanho de bovinos e produção de leite caem, diz pesquisa do IBGE
  29. Cresce preocupação com desperdício de alimentos em todo o mundo
  30. Empresários brasileiros apostam em alimentos e bebidas saudáveis
  31. Secretário admite que pode fechar o ano sem elucidar caso Marielle
  32. Futuro presidente terá de enfrentar financiamento do SUS
  33. Apesar de aumento, menos de 40% das cidades têm política de saneamento
  34. Metade das mulheres férteis em SP usaram pílula do dia seguinte
  35. Animais criados livres no Pampa fornecem carne mais saudável
  36. Primeiro transhomem a ser operado no Brasil, João Nery prepara livro
  37. Avança o Indicador de inadimplência do consumidor; país tem 62,9 milhões de negativados
  38. Filtro colorido aumenta velocidade de leitura de crianças com dislexia
  39. Manual ensina a cuidar da saúde bucal de crianças com autismo
  40. Iniciativas do Judiciário combatem e reparam violência contra a mulher
  41. Epidemia de gripe espanhola no Brasil mata presidente, faz escolas aprovarem todos os alunos e leva à criação da caipirinha
  42. Reforma tornou ensino profissional obrigatório em 1971
  43. Museu do Ipiranga questiona os sentidos da independência
  44. Governo vai liberar recursos emergenciais para o Museu Nacional no Rio
  45. Alunos deixam ensino fundamental com desempenho pior do que entraram
  46. Câmara discute propostas polêmicas sobre orgânicos e agrotóxicos
  47. Especialistas apontam epidemia de cesarianas no Brasil
  48. Foco de instabilidade, impacto migratório é desafio em Pacaraima
  49. Há 55 anos, Senado ajudou a derrubar parlamentarismo
  50. Especialistas debatem soluções tecnológicas para ajudar o agronegócio
  51. Denúncias de feminicídio e tentativas de assassinato chegam a 10 mil
  52. Merenda escolar é vigiada no país por 80 mil “detetives”
  53. Dos 27,4 mil registros de candidaturas, 8,4 mil são de mulheres
  54. Jogadores contam histórias do preconceito enfrentado na Europa_2
  55. Subutilização da força de trabalho atinge 27,6 milhões no Brasil
  56. Ofensiva contra o lixo: país se engaja em debate sobre a coleta seletiva
  57. Seis em cada dez crianças no Brasil vivem na pobreza, diz Unicef
  58. Manifestações afros são incorporadas à cultura sem valorização dos negros
  59. Ruy Barbosa desafiou elite e fez 1a campanha eleitoral moderna
  60. Sarampo: especialista alerta sobre a importância da vacinação
  61. Casos de suicídio motivam debate sobre saúde mental nas universidades
  62. Mortes de presos aumentam 10 vezes em quase vinte anos no Rio
  63. Petróleo, combustíveis e Refis reforçam receitas da União este ano
  64. Mulheres que fizeram aborto relatam momentos de medo e desespero
  65. Supremo Tribunal Federal debate hoje a descriminalização do aborto
  66. 44% dos empresários do varejo e de serviços estão otimistas com economia para o segundo semestre
  67. Ecossistemas tropicais abrigam mais de três quartos das espécies de plantas e animais
  68. Metade dos docentes no país não recomenda a própria profissão
  69. Projeto cria regras para proteger dados pessoais
  70. Censo mostra aumento da área destinada à agricultura no país
  71. População brasileira deve chegar a 233,2 milhões em 2047, diz IBGE
  72. Construtoras acreditam em multa maior por distrato; Procons condenam
  73. Museu Paulista e Sesc Ipiranga apresentam “Papéis Efêmeros”
  74. Radiografia do ativismo indica revitalização do papel político das cidades
  75. Canecão foi referência para música brasileira e revelou grandes nomes
  76. Saúde alerta que as baixas coberturas vacinais acendem a luz vermelha
  77. Em minoria, mulheres buscam liderar negócios de inovação e tecnologia
  78. Lei de proteção de dados vai mudar cotidiano de cidadãos e empresas
  79. Estudo destaca papel central da música nos ritos de incorporação da Umbanda
  80. Cientistas vão treinar robôs para identificação automática de plantas
  81. Combate a Lampião quase entrou na Constituição de 1934
  82. Estudo aponta 30 profissões que estão surgindo com a indústria 4.0
  83. Na era Trump, imigrantes buscam espaço na política dos Estados Unidos
  84. Acompanhar tramitação de lei ainda é desafio
  85. O maravilhoso universo das plantas e a força dos nutrientes
  86. Junho deixou sementes de participação popular
  87. Número de brasileiros em áreas de risco passa de 8 milhões, diz IBGE
  88. Vida verde: benefícios do vegetarianismo e veganismo à saúde atraem cada vez mais brasileiros
  89. Uso de energia solar no campo cresce com usinas flutuantes
  90. Vinho é a bebida alcoólica preferida dos brasileiros na melhor idade, aponta pesquisa
  91. Músicos amadores criam grupos para reviver antigos sambas esquecidos
  92. Projetos buscam evitar tragédias como o desabamento de edifício em São Paulo
  93. Quilombo a 50 km de Brasília luta para manter território e identidade
  94. Lei Seca soma dados positivos após 10 anos, mas levanta questões
  95. Junho aumenta riscos de acidente com fogos e balões
  96. Dom Pedro I criou Supremo Tribunal com poderes esvaziados
  97. "Sem solução, quem matou terá carta branca", diz pai de Marielle
  98. Livro sobre intelectuais negros põe em xeque ideia de democracia racial no país
  99. Carro elétrico ainda espera incentivos para crescer no Brasil
  100. Cora Coralina é inspiração para artesãs e doceiras na Cidade de Goiás

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171