Iniciativas do Judiciário combatem e reparam violência contra a mulher

O estado de São Paulo chegou este mês ao milésimo julgamento de crime de feminicídio na Justiça brasileira, desde a edição da Lei nº 13.104/15, que introduziu o feminicídio - perseguição e morte intencional de pessoas do sexo feminino - como qualificação de homicídio, segundo dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ)

Iniciativas temproario

Fotos: Fernando Frazão/ABr

Iniciativas do Judiciário combatem e reparam violência contra a mulher.

Camila Boehm/Agência Brasil

O número foi alcançado durante a 11ª edição da “Semana Justiça pela Paz em Casa”, uma iniciativa nacional para incentivar o julgamento de crimes contra a vida de mulheres.

“O número de mil julgamentos é bastante significativo. A violência contra a mulher sempre aconteceu, não é uma novidade, mas o fato de os casos estarem chegando ao conhecimento do sistema de Justiça significa que a política pública para isso está acontecendo e tem sido eficaz”, disse Teresa Cristina Cabral, juíza do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) e integrante da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Poder Judiciário do estado (Comesp).

“Obviamente, precisamos combater a violência, lutar para diminuir os índices e os acontecimentos, mas como a subnotificação sempre foi muito grande, é uma notícia boa nesse sentido, de que a política pública está funcionando, elas [as vítimas] estão procurando ajuda”, acrescentou. Segundo a juíza, os julgamentos demonstram que algo está sendo feito em relação à violência contra a mulher e combatem a naturalização desses crimes.

Além dos julgamentos, o sistema judiciário oferece apoio na prevenção e reparação às mulheres que sobrevivem à violência. O Projeto Fênix, parceria do tribunal paulista com a Secretaria da Saúde e a Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) Turma do Bem, viabiliza cirurgias reparadoras para vítimas de violência doméstica e de gênero.

986724-25112015 9870 temproario

Fotos: Fernando Frazão/Agência Brasil

“Os crimes praticados contra as mulheres muitas vezes se caracterizam por um alto número de golpes, atingem as mulheres em locais que podem machucar de forma íntima ou causar um dano muito grave, que não leve à morte, mas cause dor e que a mutile, que deixe uma marca muito constrangedora no caso de tentativa de feminicídio ou, no caso de morte, um sofrimento”.

Desde 2016, o projeto oferece procedimentos gratuitos de reparação estética, ortopédica e odontológica para essas mulheres. O encaminhamento da paciente ao programa é feito por juízes, integrantes do Ministério Público e da Defensoria Pública, além das delegacias de polícia. As vítimas também podem solicitar a reparação das lesões ocasionadas por agressões diretamente na Comesp.

Respeito e dignidade
“A agressão decorrente da violência de gênero, doméstica e familiar atinge a mulher em partes muito visíveis do corpo e tem uma finalidade muito específica, que é exatamente acabar ou diminuir a autoestima dessa mulher. Dependendo da extensão dessa lesão, inviabiliza inclusive o exercício de atividades profissionais. A ideia [do projeto Fênix] é proporcionar a melhoria da autoestima e reinserção dessa mulher em uma atividade social que seja minimamente respeitosa e digna”, disse Teresa.

O crime de feminicídio é identificado por meio de indícios e elementos de prova, segundo explicou a juíza do TJ-SP Maria Domitila Manssur.

“Os crimes praticados contra as mulheres muitas vezes se caracterizam por um alto número de golpes, atingem as mulheres em locais que podem machucar de forma íntima ou causar um dano muito grave, que não leve à morte, mas cause dor e que a mutile, que deixe uma marca muito constrangedora no caso de tentativa de feminicídio ou, no caso de morte, um sofrimento”, explicou.

“Os crimes acontecem em todas as faixas e camadas sociais, não há nível financeiro, não há escolha pelo grau de intelecto da vítima ou do agressor. O Brasil infelizmente se encontra no ranking de violência contra mulher ruim, é o 5º país [no ranking]. É um dado de violência muito forte e muito ruim. Não há idade, não há nível social”, acrescentou a juíza.

violencianatal temproario

Foto: Gazeta do Cerrado

 

Mais projetos
Rio Branco, capital do Acre, vai receber em novembro deste ano o Workshop dos Direitos da Mulher Indígena, para prevenir e enfrentar a violência doméstica e familiar contra a mulher indígena no estado. A inciativa do Tribunal de Justiça do Acre (TJ-AC) e da Organização de Mulheres Indígenas do Acre Sul, do Amazonas e Noroeste de Rondônia (Sitoakore), apresentará a Lei Maria da Penha às participantes.

Para Eva Evangelista, juíza do TJ-AC, o Judiciário tem o dever de contribuir para evitar a violência contra a mulher. “Primeiro, resgatando a sensação de punibilidade das vítimas com o julgamento de processos sejam os de violência doméstica, sejam aqueles de feminicídio. E também trabalhar com a prevenção, que é muito importante”, disse.

“Ano passado eu fiz uma visita à aldeia Morada Nova, em Feijó [AC], e me pediram para falar dos direitos das mulheres indígenas. Eu disse ali naquela oportunidade que o Judiciário estava em atraso com as aldeias indígenas do Acre há 517 anos [desde a chegada dos portugueses ao Brasil], porque jamais naquela aldeia indígena tinha ido algum desembargador”, disse Eva Evangelista, que é também coordenadora das mulheres em situação de violência doméstica e familiar do tribunal.

Na cidade baiana de Feira de Santana, o Tribunal de Justiça (TJ-BA) presta atendimento psicossocial aos agressores responsáveis por violência doméstica e de gênero, em parceria com a prefeitura, com o objetivo de romper esse ciclo de violência.

“O projeto surgiu da necessidade de atendermos também os agressores. Nós já tínhamos os projetos destinados ao atendimento das mulheres, mas nós não estávamos conseguindo uma resposta na diminuição da violência porque não estávamos atendendo os agressores. Tivemos essa ideia, fizemos o projeto e teve um resultado muito bom desde maio de 2015 para cá”, disse Wagner Ribeiro Rodrigues, juiz da Vara da Justiça pela Paz em Casa, de Feira de Santana.

Reincidência
Ao longo do projeto, foram feitos 665 atendimentos, dos quais apenas três homens foram reincidentes e voltaram a praticar novamente ato de violência doméstica contra a mulher. “O restante não praticou mais nenhum ato nesse período, então temos uma resposta extremamente positiva”, destacou o juiz.

A participação no projeto é obrigatória na cidade. Quando há pedido da medida protetiva pela mulher agredida, a liminar já obriga o agressor a comparecer ao serviço de atendimento no tribunal. O agressor então recebe atendimento do psicólogo e da assistente social.

“Ali é feita uma orientação quanto à conduta, que esse comportamento é inadequado, busca-se saber quais as razões dessa agressão, por que ele está agindo dessa forma e feita toda a orientação quanto à parte psicológica e, se necessário também, a parte de assistência social, o que estaria faltando naquele lar efetivamente”, contou Rodrigues. Como o atendimento é obrigatório, já que é uma das condições da medida protetiva, se o homem não comparecer, ele pode ser preso.

Mais artigos...

  1. Epidemia de gripe espanhola no Brasil mata presidente, faz escolas aprovarem todos os alunos e leva à criação da caipirinha
  2. Reforma tornou ensino profissional obrigatório em 1971
  3. Museu do Ipiranga questiona os sentidos da independência
  4. Governo vai liberar recursos emergenciais para o Museu Nacional no Rio
  5. Alunos deixam ensino fundamental com desempenho pior do que entraram
  6. Câmara discute propostas polêmicas sobre orgânicos e agrotóxicos
  7. Especialistas apontam epidemia de cesarianas no Brasil
  8. Foco de instabilidade, impacto migratório é desafio em Pacaraima
  9. Há 55 anos, Senado ajudou a derrubar parlamentarismo
  10. Especialistas debatem soluções tecnológicas para ajudar o agronegócio
  11. Denúncias de feminicídio e tentativas de assassinato chegam a 10 mil
  12. Merenda escolar é vigiada no país por 80 mil “detetives”
  13. Dos 27,4 mil registros de candidaturas, 8,4 mil são de mulheres
  14. Jogadores contam histórias do preconceito enfrentado na Europa_2
  15. Subutilização da força de trabalho atinge 27,6 milhões no Brasil
  16. Ofensiva contra o lixo: país se engaja em debate sobre a coleta seletiva
  17. Seis em cada dez crianças no Brasil vivem na pobreza, diz Unicef
  18. Manifestações afros são incorporadas à cultura sem valorização dos negros
  19. Ruy Barbosa desafiou elite e fez 1a campanha eleitoral moderna
  20. Sarampo: especialista alerta sobre a importância da vacinação
  21. Casos de suicídio motivam debate sobre saúde mental nas universidades
  22. Mortes de presos aumentam 10 vezes em quase vinte anos no Rio
  23. Petróleo, combustíveis e Refis reforçam receitas da União este ano
  24. Mulheres que fizeram aborto relatam momentos de medo e desespero
  25. Supremo Tribunal Federal debate hoje a descriminalização do aborto
  26. 44% dos empresários do varejo e de serviços estão otimistas com economia para o segundo semestre
  27. Ecossistemas tropicais abrigam mais de três quartos das espécies de plantas e animais
  28. Metade dos docentes no país não recomenda a própria profissão
  29. Projeto cria regras para proteger dados pessoais
  30. Censo mostra aumento da área destinada à agricultura no país
  31. População brasileira deve chegar a 233,2 milhões em 2047, diz IBGE
  32. Construtoras acreditam em multa maior por distrato; Procons condenam
  33. Museu Paulista e Sesc Ipiranga apresentam “Papéis Efêmeros”
  34. Radiografia do ativismo indica revitalização do papel político das cidades
  35. Canecão foi referência para música brasileira e revelou grandes nomes
  36. Saúde alerta que as baixas coberturas vacinais acendem a luz vermelha
  37. Em minoria, mulheres buscam liderar negócios de inovação e tecnologia
  38. Lei de proteção de dados vai mudar cotidiano de cidadãos e empresas
  39. Estudo destaca papel central da música nos ritos de incorporação da Umbanda
  40. Cientistas vão treinar robôs para identificação automática de plantas
  41. Combate a Lampião quase entrou na Constituição de 1934
  42. Estudo aponta 30 profissões que estão surgindo com a indústria 4.0
  43. Na era Trump, imigrantes buscam espaço na política dos Estados Unidos
  44. Acompanhar tramitação de lei ainda é desafio
  45. O maravilhoso universo das plantas e a força dos nutrientes
  46. Junho deixou sementes de participação popular
  47. Número de brasileiros em áreas de risco passa de 8 milhões, diz IBGE
  48. Vida verde: benefícios do vegetarianismo e veganismo à saúde atraem cada vez mais brasileiros
  49. Uso de energia solar no campo cresce com usinas flutuantes
  50. Vinho é a bebida alcoólica preferida dos brasileiros na melhor idade, aponta pesquisa
  51. Músicos amadores criam grupos para reviver antigos sambas esquecidos
  52. Projetos buscam evitar tragédias como o desabamento de edifício em São Paulo
  53. Quilombo a 50 km de Brasília luta para manter território e identidade
  54. Lei Seca soma dados positivos após 10 anos, mas levanta questões
  55. Junho aumenta riscos de acidente com fogos e balões
  56. Dom Pedro I criou Supremo Tribunal com poderes esvaziados
  57. "Sem solução, quem matou terá carta branca", diz pai de Marielle
  58. Livro sobre intelectuais negros põe em xeque ideia de democracia racial no país
  59. Carro elétrico ainda espera incentivos para crescer no Brasil
  60. Cora Coralina é inspiração para artesãs e doceiras na Cidade de Goiás
  61. Ascensão e queda de José Bonifácio, o 'Patriarca da Independência'
  62. Brasil perdeu mais de 430 mil empregos na construção entre 2015 e 2016
  63. Desmatamento e ocupação desordenada ameaçam conservação do Cerrado
  64. Poluição sonora prejudica a saúde e preocupa especialistas
  65. Senado deve aprovar incentivo para combater cartéis
  66. Cade propõe medidas para reduzir preços dos combustíveis
  67. O Brasil ocupa o oitavo lugar no ranking de número de tabagistas no mundo
  68. Entenda a composição do preço da gasolina e do diesel no Brasil
  69. Guimarães Rosa é recriado em prosas, pinturas e bordados
  70. Verdades e mentiras sobre o Cadastro Positivo
  71. Estudo da USP mostra como o álcool em dose moderada protege o coração
  72. Brasil pretende atrair mão de obra estrangeira qualificada para o país
  73. Bossa nova completa 60 anos: conheça a história do gênero musical
  74. Saí da Igreja do Rosário, andei por São Paulo e tropecei na história
  75. País busca soluções para aumento de judicialização na saúde
  76. Divisão de tarefas domésticas ainda é desigual no Brasil
  77. Cuidar da saúde é principal motivação dos que se planejam para aposentadoria
  78. Economia brasileira ainda não sentiu efeitos da Copa 2018
  79. Senado e Câmara aprovaram Lei Áurea em apenas 5 dias
  80. Dimension Data e Cisco expandem tecnologia anticaça na África
  81. Proteção de dados ganha importância na política e economia no Brasil
  82. Mais de 80 mil brasileiros migraram para Portugal em busca de segurança
  83. A cinco meses das eleições, Câmara e Senado trabalham em ritmo lento
  84. Jornais noticiaram Esquadrão da Morte de acordo com clima político
  85. Famílias sonham com clínica-escola gratuita para autistas
  86. Senado avança na definição de código que defende contribuintes
  87. Livro explica o poder e a consolidação dos Estados Unidos
  88. Pediatras lançam campanha para elucidar mitos sobre saúde infantil
  89. Mais de 40% dos brasileiros até 14 anos vivem em situação de pobreza
  90. Um milhão de indígenas brasileiros buscam alternativas para sobreviver
  91. Cuba elege 1º presidente após 60 anos de governo dos irmãos Castro
  92. Oito em cada dez brasileiros não se preparam para aposentadoria
  93. Vida de Adoniran Barbosa é tema de documentário
  94. Proximidade entre animais domésticos e silvestres traz riscos de doenças a humanos
  95. IBGE: ricos receberam 36 vezes acima do que ganharam os pobres em 2017
  96. Pesquisa revela que 58% dos brasileiros não se dedicam às próprias finanças
  97. Os mano e as mina na mira dos homi
  98. Maior virtuose do bandolim é lembrado no seu centenário
  99. Ferramenta auxilia na preparação tática de goleiros
  100. "Eu tenho um sonho!" - morte de Martin Luther King completou 50 anos e ex-assessor relembra lutas

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP