Contato: (11) 3043-4171

Estigmas e tabus: por que o câncer de ontem não é o mesmo de hoje

O câncer aparece nos manuais de medicina desde a Antiguidade, mas o entendimento dele como um problema de saúde pública é muito mais recente

Estigmas 1 temporario

Foto: 

Imagem: Montagem com fotos do arquivo da pesquisa

Silvana Salles/Jornal da USP

Uma pesquisa de mestrado da FMUSP procurou desnaturalizar a doença enquanto problema para mostrar que o câncer possui dimensões que vão além do biológico. Com isso, produziu uma narrativa que conta a história social do câncer em São Paulo do final do século XIX até meados do século XX.

O historiador Elder Al Kondari Messora, que desenvolveu a pesquisa, levantou uma grande quantidade de documentos que nunca haviam sido analisados: pôsteres, notas de jornais e teses doutorais de médicos do início do século passado. Messora defendeu o trabalho em março e recentemente foi contemplado com o prêmio da Sociedade Brasileira de História da Ciência de melhor dissertação.

Na metáfora do historiador, o câncer é uma grande quimera (monstro mitológico híbrido) que se metamorfoseia o tempo inteiro, renovando-se ciclicamente na forma de um “novo mal” ao longo da história. A nomenclatura é da Grécia Antiga, por volta do ano 400 A.C., e costuma ser atribuída a Hipócrates. Naquele período, o termo significava um inchaço numa parte do corpo que tinha determinadas características: a parte superior razoavelmente enrijecida, com veias grossas que alimentavam o tumor.

Estigmas 4 temporario“Não tem absolutamente nada a ver com o que é o câncer hoje, que é a multiplicação celular descontrolada, com possibilidade de metástase”, alerta Messora. “Apesar do nome perdurar, a doença é outra coisa. O seu diagnóstico, o seu tratamento, o seu sofrimento, tudo é distinto, apesar do nome persistir”, completa o pesquisador.

Segundo o coordenador do Museu Histórico da FMUSP, professor André Mota, existe uma certa disputa na comunidade médica e na sociedade com relação à maneira como as doenças devem ser olhadas e qual a importância atribuída a elas. No caso do câncer, no período estudado por Messora, a doença ganhou notoriedade em São Paulo no contexto de um uso cada vez maior de tecnologias médicas avançadas.

“Ao mesmo tempo, o câncer começa a ser utilizado numa linguagem do viver social. Então, a política pode ser um câncer, a sociedade pode ser um câncer, os negros podem ser um câncer, os nordestinos que estão chegando podem ser um câncer. Há um espraiamento simbólico”, explica o docente, referindo-se a preconceitos que marcaram o período entre 1892 e 1953. “Essa aproximação do câncer o tempo todo como uma coisa muito ruim e que pode também servir de peça acusatória de determinados grupos, determinadas situações, ele [Messora] consegue flagrar na documentação”, emenda Mota, que orientou o trabalho.

Por meio da análise das representações e da simbologia da doença durante o período, Messora identificou quatro aspectos que permaneceram sempre presentes: a nomenclatura, a invencibilidade, a individualidade e o “estatuto maldito” da doença. “O trabalho mostra que isso não se dá de uma maneira natural. É uma construção histórica que vai se dar por diversos discursos e por diversas interações médicas, de saúde e socioculturais, todas elas em um eixo circular no qual todas as coisas se conversam”, comenta André Mota.

A história que Messora conta em sua dissertação de mestrado começa em 1892, ano em que surge o Serviço Sanitário do Estado de São Paulo. O câncer, então, ainda não era compreendido da mesma forma que hoje. Causava medo e era tratado como motivo de vexame para as famílias dos pacientes. Os doentes eram culpabilizados pela doença por não levarem uma “vida correta” e frequentemente o câncer era associado à homossexualidade, numa perspectiva bastante moralista.

Estigmas 3 temporario

Foto: Marcos Santos/USP Imagens

André Mota, coordenador do Museu Histórico da FMUSP.

As famílias pediam para os médicos no atestado de óbito não colocarem que foi câncer”, conta o historiador. Nos jornais, a doença aparecia pontualmente nos obituários, mais frequentemente como metáfora – “o câncer do papel moeda, o câncer da escravidão” – e eventualmente em conteúdo sobre o tratamento com elixires, pomadas, massagens e, já no começo do século XX, gabinetes radioterápicos. Os médicos ainda não tinham o monopólio do tratamento. Esse panorama começa a mudar com a criação do Serviço Sanitário.

Na avaliação do pesquisador, a instituição foi fundamental para iniciar uma mudança na forma como as pessoas percebiam a doença. Havia um setor responsável pelos Anuários Demográficos, que eram enormes cadernetas onde se anotavam os dados estatísticos relativos a doenças, mostrando uma alta nos registros de mortes por câncer. Essas estatísticas acabaram servindo como “um instrumento retórico de convencimento do poder público”, analisa Messora. Havia também uma Inspetoria de Profilaxia de Lepra e Doenças Venéreas, que, apesar do nome, também cuidava dos casos de morte por câncer.

Após a virada do século, as iniciativas para desenvolver a pesquisa e o tratamento começaram a se multiplicar. Estudantes e médicos passaram a se debruçar mais sobre o tema na Faculdade de Medicina e teorias como a da origem bacteriana do câncer, que circulava no século XIX, foram perdendo espaço. A comunidade médica se organizou sem ajuda financeira do governo federal para fazer frente à ocorrência da doença.

Foram fundados o Instituto Arnaldo Vieira de Carvalho, na Santa Casa, para atender pacientes de câncer e outras doenças; o Hospital Umberto I, que tinha um setor especializado para os cancerosos; e a Associação Paulista de Combate ao Câncer, embrião do Hospital A. C. Camargo. Já na década de 1940, o discurso nos jornais e cartazes era diferente daquele da virada do século. Agora, os médicos estavam travando uma guerra contra o câncer. Não por acaso, a conjuntura política era a da Segunda Guerra Mundial.

O marco final da dissertação é justamente a fundação do A. C. Camargo, o primeiro centro médico de São Paulo dedicado exclusivamente ao câncer, em 1953. O hospital “foi celebrado em São Paulo como um grande hospital, a grande vitória dos paulistas contra o câncer, contra um obstáculo civilizacional”, diz o pesquisador. O preconceito, no entanto, não havia sido vencido. Messora lembra que um dos fundadores do hospital, o médico Antônio Prudente, chegou a publicar em O Estado de S. Paulo um pedido às pessoas que parassem de atravessar a rua com medo ao passar perto do local, pois não pegariam a doença respirando o ar do centro médico.

“Eu percebi com essa pesquisa que existem dimensões para além do biológico a respeito do câncer, que se referem basicamente aos estigmas e tabus que os sujeitos na época chamados cancerosos carregavam. E que esses estigmas e tabus também são determinados pela conjuntura da época em que eles viviam. Não são medidas medicamentosas que vão dar conta desses tabus”, conta o pesquisador, que trabalha também como educador na Escola Móvel do hospital do Graacc. Para Messora, a escola é um exemplo prático de medida não medicamentosa que procura combater um efeito não biológico do câncer: a evasão escolar das crianças em tratamento.

Mais artigos...

  1. ONG oferece assessoria a empreendedores no Brasil
  2. Ministros do STF defendem necessidade de reforma política
  3. Sem obras em dois distritos, moradores de Mariana mostram apreensão
  4. Em novembro de 1955, crise fez Brasil ter 3 presidentes numa única semana
  5. General Heleno defende uso de atiradores de elite contra criminosos
  6. Preservar a Constituição e unir sociedade são prioridades de Bolsonaro
  7. Negros e brancos de alta renda moram em locais distantes e distintos
  8. Antes da Eletrobras, Brasil vivia rotina de apagões
  9. A água no Brasil: da abundância à escassez
  10. Alimentação está na pauta do novo Congresso
  11. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens
  12. Projeto pretende retardar o envelhecimento do sistema imune humano
  13. Comida síria transporta imaginário de refugiados para lugar que não existe mais
  14. ONU: nenhum país consegue garantir direitos reprodutivos das mulheres
  15. Estudo destaca estreita relação entre álcool, drogas e violência
  16. Brasil avança, mas tem desafio para cumprir meta de emissão de carbono
  17. Apenas 3,3% dos estudantes brasileiros querem ser professores
  18. Na primeira eleição presidencial, Brasil teve eleitor de menos e candidato demais
  19. Oito em cada dez idosos têm percepção positiva da terceira idade
  20. Senado analisa aposentadoria especial para condutores de ambulância
  21. Metade das cidades do país ainda não dá voz aos idosos
  22. Prédio do Museu Nacional já preocupava Senado do Império
  23. Referência da história contemporânea, Constituição completa 30 anos
  24. Desemprego pauta candidatos e será desafio ao próximo presidente
  25. Em 15 anos, Estatuto do Idoso deu visibilidade ao envelhecimento
  26. 30 anos da Constituição: Principal símbolo do processo de redemocratização nacional
  27. Rebanho de bovinos e produção de leite caem, diz pesquisa do IBGE
  28. Cresce preocupação com desperdício de alimentos em todo o mundo
  29. Empresários brasileiros apostam em alimentos e bebidas saudáveis
  30. Secretário admite que pode fechar o ano sem elucidar caso Marielle
  31. Futuro presidente terá de enfrentar financiamento do SUS
  32. Apesar de aumento, menos de 40% das cidades têm política de saneamento
  33. Metade das mulheres férteis em SP usaram pílula do dia seguinte
  34. Animais criados livres no Pampa fornecem carne mais saudável
  35. Primeiro transhomem a ser operado no Brasil, João Nery prepara livro
  36. Avança o Indicador de inadimplência do consumidor; país tem 62,9 milhões de negativados
  37. Filtro colorido aumenta velocidade de leitura de crianças com dislexia
  38. Manual ensina a cuidar da saúde bucal de crianças com autismo
  39. Iniciativas do Judiciário combatem e reparam violência contra a mulher
  40. Epidemia de gripe espanhola no Brasil mata presidente, faz escolas aprovarem todos os alunos e leva à criação da caipirinha
  41. Reforma tornou ensino profissional obrigatório em 1971
  42. Museu do Ipiranga questiona os sentidos da independência
  43. Governo vai liberar recursos emergenciais para o Museu Nacional no Rio
  44. Alunos deixam ensino fundamental com desempenho pior do que entraram
  45. Câmara discute propostas polêmicas sobre orgânicos e agrotóxicos
  46. Especialistas apontam epidemia de cesarianas no Brasil
  47. Foco de instabilidade, impacto migratório é desafio em Pacaraima
  48. Há 55 anos, Senado ajudou a derrubar parlamentarismo
  49. Especialistas debatem soluções tecnológicas para ajudar o agronegócio
  50. Denúncias de feminicídio e tentativas de assassinato chegam a 10 mil
  51. Merenda escolar é vigiada no país por 80 mil “detetives”
  52. Dos 27,4 mil registros de candidaturas, 8,4 mil são de mulheres
  53. Jogadores contam histórias do preconceito enfrentado na Europa_2
  54. Subutilização da força de trabalho atinge 27,6 milhões no Brasil
  55. Ofensiva contra o lixo: país se engaja em debate sobre a coleta seletiva
  56. Seis em cada dez crianças no Brasil vivem na pobreza, diz Unicef
  57. Manifestações afros são incorporadas à cultura sem valorização dos negros
  58. Ruy Barbosa desafiou elite e fez 1a campanha eleitoral moderna
  59. Sarampo: especialista alerta sobre a importância da vacinação
  60. Casos de suicídio motivam debate sobre saúde mental nas universidades
  61. Mortes de presos aumentam 10 vezes em quase vinte anos no Rio
  62. Petróleo, combustíveis e Refis reforçam receitas da União este ano
  63. Mulheres que fizeram aborto relatam momentos de medo e desespero
  64. Supremo Tribunal Federal debate hoje a descriminalização do aborto
  65. 44% dos empresários do varejo e de serviços estão otimistas com economia para o segundo semestre
  66. Ecossistemas tropicais abrigam mais de três quartos das espécies de plantas e animais
  67. Metade dos docentes no país não recomenda a própria profissão
  68. Projeto cria regras para proteger dados pessoais
  69. Censo mostra aumento da área destinada à agricultura no país
  70. População brasileira deve chegar a 233,2 milhões em 2047, diz IBGE
  71. Construtoras acreditam em multa maior por distrato; Procons condenam
  72. Museu Paulista e Sesc Ipiranga apresentam “Papéis Efêmeros”
  73. Radiografia do ativismo indica revitalização do papel político das cidades
  74. Canecão foi referência para música brasileira e revelou grandes nomes
  75. Saúde alerta que as baixas coberturas vacinais acendem a luz vermelha
  76. Em minoria, mulheres buscam liderar negócios de inovação e tecnologia
  77. Lei de proteção de dados vai mudar cotidiano de cidadãos e empresas
  78. Estudo destaca papel central da música nos ritos de incorporação da Umbanda
  79. Cientistas vão treinar robôs para identificação automática de plantas
  80. Combate a Lampião quase entrou na Constituição de 1934
  81. Estudo aponta 30 profissões que estão surgindo com a indústria 4.0
  82. Na era Trump, imigrantes buscam espaço na política dos Estados Unidos
  83. Acompanhar tramitação de lei ainda é desafio
  84. O maravilhoso universo das plantas e a força dos nutrientes
  85. Junho deixou sementes de participação popular
  86. Número de brasileiros em áreas de risco passa de 8 milhões, diz IBGE
  87. Vida verde: benefícios do vegetarianismo e veganismo à saúde atraem cada vez mais brasileiros
  88. Uso de energia solar no campo cresce com usinas flutuantes
  89. Vinho é a bebida alcoólica preferida dos brasileiros na melhor idade, aponta pesquisa
  90. Músicos amadores criam grupos para reviver antigos sambas esquecidos
  91. Projetos buscam evitar tragédias como o desabamento de edifício em São Paulo
  92. Quilombo a 50 km de Brasília luta para manter território e identidade
  93. Lei Seca soma dados positivos após 10 anos, mas levanta questões
  94. Junho aumenta riscos de acidente com fogos e balões
  95. Dom Pedro I criou Supremo Tribunal com poderes esvaziados
  96. "Sem solução, quem matou terá carta branca", diz pai de Marielle
  97. Livro sobre intelectuais negros põe em xeque ideia de democracia racial no país
  98. Carro elétrico ainda espera incentivos para crescer no Brasil
  99. Cora Coralina é inspiração para artesãs e doceiras na Cidade de Goiás
  100. Ascensão e queda de José Bonifácio, o 'Patriarca da Independência'

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171