Combate a Lampião quase entrou na Constituição de 1934

Ao longo das décadas de 1920 e 1930, Virgulino Ferreira da Silva, vulgo Lampião, espalhou o terror pelo Nordeste. Com seu bando, percorreu o sertão atacando vilas, matando inocentes, saqueando mercearias, achacando fazendeiros, roubando gado, trocando tiros com a polícia                                                                     

lampiao0 temproario

Foto: Reprodução

 

Ricardo Westin/Arquivo S/Ag.Câmara

A carreira do criminoso brasileiro mais célebre de todos os tempos chegou ao fim há 80 anos. Descoberto numa fazenda em Sergipe, Lampião foi morto pela polícia a tiros de metralhadora, ao lado de outros dez cangaceiros, incluindo Maria Bonita, sua companheira. Até o New York Times deu a notícia do histórico 28 de julho de 1938. Os senadores e os deputados da época olhavam o cangaço com preocupação.

Documentos guardados nos Arquivos do Senado e da Câmara mostram que os parlamentares trataram do tema na tribuna em inúmeras ocasiões. Em 1926, o senador Pires Rebello (PI) discursou: "Quem vive nesta capital da República [Rio], poderá achar que o governo tem feito a felicidade completa dos brasileiros. Ofuscados pelos brilhos da luz elétrica, é natural que os cariocas não saibam que naquele vasto interior existem populações aquadrilhadas fora da lei que zombam da Justiça e ridicularizam governos".

Muitos cangaceiros haviam assustado o Nordeste antes de Lampião, como Cabeleira, Jesuíno Brilhante, Antônio Silvino e Sinhô Pereira, mas nenhum foi tão temido quanto o rei do cangaço. As investidas de Lampião eram tão brutais que, na Assembleia Nacional Constituinte de 1934, deputados nordestinos — a Assembleia não teve senadores — redigiram cinco propostas para que a nova Constituição previsse o combate ao cangaço como obrigação do governo federal.

A repressão cabia às volantes, batalhões itinerantes das polícias dos estados. O que parte dos constituintes desejava era que o Exército reforçasse a ação das volantes. O deputado Negreiros Falcão (BA) afirmou: "Os Lampiões continuam matando, roubando, depredando, desvirginando crianças e moças e ferreteando-lhes o rosto e as partes pudentas sem que a União tome a menor providência. Os estados por si sós, desajudados do valioso auxílio federal, jamais resolverão o problema".

Biblioteca NacionalO deputado Teixeira Leite (PE) lembrou que os governos estaduais eram carentes de verbas, armas e policiais: "A força policial persegue os bandoleiros, prende-os quando pode e mata-os quando não morre. Hostilizados de todos os lados, recolhem-se à caatinga e se tem a impressão de que o bando se extinguiu. Mera ilusão. O vírus entrou apenas num período de latência. Cessada a perseguição, os facínoras repontam mais violentos e sequiosos de sangue e dinheiro, apavorando os sertanejos e a polícia".
Leite explicou por que seria diferente com o Exército em campo: "Que bando se atreveria a aproximar-se de uma zona onde estacionassem tropas do Exército, com armas modernas, transportes rápidos e aparelhos eficientes de comunicação?". Outra vantagem era que as tropas federais podiam transitar de um estado a outro. As estaduais não tinham tal liberdade — e os cangaceiros tiravam proveito disso. Uma vez encurralados em Alagoas, por exemplo, os bandidos escapavam para Sergipe, Bahia ou Pernambuco, estados nos quais as volantes alagoanas não podiam atuar.

Nenhuma das propostas que davam responsabilidade ao governo federal vingou, e a Constituição de 1934 entrou em vigor sem citar o cangaço. "Na nova Constituição, vamos invocar o nome de Deus. Vamos também constitucionalizar Lampião?", ironizou o deputado Antônio Covello (SP).

Para o deputado Francisco Rocha (BA), o cangaço exigia 'remédio social', e não 'remédio policial': "As causas do cangaceirismo são a falta de educação, estrada e justiça e a organização latifundiária preservando quase intactas as antigas sesmarias coloniais, para não mencionar a estúpida ação policial dos governos".

Segundo o jornalista Moacir Assunção, autor de 'Os Homens que Mataram o Facínora', sobre os inimigos de Lampião, o cangaço surgiu na Colônia e tinha a ver com o isolamento da região: "O sertão ficava separado do litoral e mantinha uma ligação muito tênue com Lisboa e, depois, com o Rio. O que prevalecia não era a justiça pública, mas a justiça privada. Era com sangue que o sertanejo vingava as ofensas. Muitos aderiram ao cangaço em razão de brigas de família ou abusos das autoridades. Uma vez cangaceiros, executavam a vingança contando com a proteção e a ajuda do bando".

Biblioteca NacionalLampião entrou no cangaço após a morte de seu pai pela polícia, em 1921. "O cangaceiro não era herói. Era bandido mesmo", esclarece Assunção. A aura de herói tem a ver com um atributo valorizado pelo sertanejo do passado: a valentia. O cangaceiro enfrentava a polícia sem medo, de peito aberto. Isso era heroísmo. Em 1935, com a nova Constituição já em vigor, o senador Pacheco de Oliveira (BA) apresentou um projeto que destinaria 1,2 mil contos de réis aos estados para repressão ao cangaço. O dinheiro sairia do orçamento da Inspetoria Federal de Obras contra as Secas, responsável pela abertura de açudes, poços e estradas no sertão.

A grande preocupação de Oliveira eram os criminosos que atacavam os trabalhadores e atrasavam as obras. "Um engenheiro avisou sobre o risco que corria seu pessoal. Como não lhe chegassem recursos, lançou mão do único expediente que lhe era praticável: armou os trabalhadores". Os cangaceiros matavam os operários por terem ciência de que a chegada do progresso ao sertão colocaria em risco o futuro das quadrilhas nômades.

O historiador Frederico Pernambucano de Mello, autor de 'Quem Foi Lampião', diz que havia motivos não confessos para que o governo federal e os estados pouco fizessem para acabar com o bandido de uma vez por todas: "Lampião vivia fora da lei, mas mantinha excelente relacionamento com os poderosos. Era protegido por coronéis e políticos. O governador de Sergipe, Eronildes Ferreira de Carvalho, tinha amizade com Lampião e lhe fornecia armamento e munição". A boa vida de Lampião acabou quando Getúlio Vargas deu o golpe de 1937 e instaurou o Estado Novo. Uma das bandeiras da ditadura era a modernização do país. Nesse novo Brasil, que deixaria de ser agrário para se tornar urbano e industrial, o cangaço era uma mancha a ser apagada.

A gota d’água foi um documentário mudo que revelou ao país a rotina do bando de Lampião na caatinga. O que se via eram cangaceiros alegres, bem vestidos e com joias. Nem pareciam fugitivos. Sentindo-se afrontado, Vargas ordenou aos governadores do Nordeste que parassem de fazer vista grossa e aniquilassem o rei do cangaço.

Assim se fez. Lampião e seus subordinados foram mortos e decapitados em 1938, e o governo expôs as cabeças em cidades do Nordeste.

Bandidos de outros grupos correram para se entregar, de olho na anistia prometida a quem delatasse companheiros. Corisco, o último dos pupilos de Lampião, foi morto em 1940, e o cangaço enfim se tornou passado.

Mais artigos...

  1. Estudo aponta 30 profissões que estão surgindo com a indústria 4.0
  2. Na era Trump, imigrantes buscam espaço na política dos Estados Unidos
  3. Acompanhar tramitação de lei ainda é desafio
  4. O maravilhoso universo das plantas e a força dos nutrientes
  5. Junho deixou sementes de participação popular
  6. Número de brasileiros em áreas de risco passa de 8 milhões, diz IBGE
  7. Vida verde: benefícios do vegetarianismo e veganismo à saúde atraem cada vez mais brasileiros
  8. Uso de energia solar no campo cresce com usinas flutuantes
  9. Vinho é a bebida alcoólica preferida dos brasileiros na melhor idade, aponta pesquisa
  10. Músicos amadores criam grupos para reviver antigos sambas esquecidos
  11. Projetos buscam evitar tragédias como o desabamento de edifício em São Paulo
  12. Quilombo a 50 km de Brasília luta para manter território e identidade
  13. Lei Seca soma dados positivos após 10 anos, mas levanta questões
  14. Junho aumenta riscos de acidente com fogos e balões
  15. Dom Pedro I criou Supremo Tribunal com poderes esvaziados
  16. "Sem solução, quem matou terá carta branca", diz pai de Marielle
  17. Livro sobre intelectuais negros põe em xeque ideia de democracia racial no país
  18. Carro elétrico ainda espera incentivos para crescer no Brasil
  19. Cora Coralina é inspiração para artesãs e doceiras na Cidade de Goiás
  20. Ascensão e queda de José Bonifácio, o 'Patriarca da Independência'
  21. Brasil perdeu mais de 430 mil empregos na construção entre 2015 e 2016
  22. Desmatamento e ocupação desordenada ameaçam conservação do Cerrado
  23. Poluição sonora prejudica a saúde e preocupa especialistas
  24. Senado deve aprovar incentivo para combater cartéis
  25. Cade propõe medidas para reduzir preços dos combustíveis
  26. O Brasil ocupa o oitavo lugar no ranking de número de tabagistas no mundo
  27. Entenda a composição do preço da gasolina e do diesel no Brasil
  28. Guimarães Rosa é recriado em prosas, pinturas e bordados
  29. Verdades e mentiras sobre o Cadastro Positivo
  30. Estudo da USP mostra como o álcool em dose moderada protege o coração
  31. Brasil pretende atrair mão de obra estrangeira qualificada para o país
  32. Bossa nova completa 60 anos: conheça a história do gênero musical
  33. Saí da Igreja do Rosário, andei por São Paulo e tropecei na história
  34. País busca soluções para aumento de judicialização na saúde
  35. Divisão de tarefas domésticas ainda é desigual no Brasil
  36. Cuidar da saúde é principal motivação dos que se planejam para aposentadoria
  37. Economia brasileira ainda não sentiu efeitos da Copa 2018
  38. Senado e Câmara aprovaram Lei Áurea em apenas 5 dias
  39. Dimension Data e Cisco expandem tecnologia anticaça na África
  40. Proteção de dados ganha importância na política e economia no Brasil
  41. Mais de 80 mil brasileiros migraram para Portugal em busca de segurança
  42. A cinco meses das eleições, Câmara e Senado trabalham em ritmo lento
  43. Jornais noticiaram Esquadrão da Morte de acordo com clima político
  44. Famílias sonham com clínica-escola gratuita para autistas
  45. Senado avança na definição de código que defende contribuintes
  46. Livro explica o poder e a consolidação dos Estados Unidos
  47. Pediatras lançam campanha para elucidar mitos sobre saúde infantil
  48. Mais de 40% dos brasileiros até 14 anos vivem em situação de pobreza
  49. Um milhão de indígenas brasileiros buscam alternativas para sobreviver
  50. Cuba elege 1º presidente após 60 anos de governo dos irmãos Castro
  51. Oito em cada dez brasileiros não se preparam para aposentadoria
  52. Vida de Adoniran Barbosa é tema de documentário
  53. Proximidade entre animais domésticos e silvestres traz riscos de doenças a humanos
  54. IBGE: ricos receberam 36 vezes acima do que ganharam os pobres em 2017
  55. Pesquisa revela que 58% dos brasileiros não se dedicam às próprias finanças
  56. Os mano e as mina na mira dos homi
  57. Maior virtuose do bandolim é lembrado no seu centenário
  58. Ferramenta auxilia na preparação tática de goleiros
  59. "Eu tenho um sonho!" - morte de Martin Luther King completou 50 anos e ex-assessor relembra lutas
  60. Multiculturalismo no futebol deve se expandir em seleções europeias
  61. Dia da Constituição comemorou avanços na cidadania desde a independência do Brasil
  62. Três anos depois de aprovada, Lei do Feminicídio tem avanços e desafios
  63. BC: Selic deve voltar a ter redução em maio e cortes se encerram em junho
  64. Em busca de um novo modelo de gestão para o uso da água
  65. Lei poderá dar segurança ao Farmácia Popular
  66. Acesso dos pobres à água só é possível com controle social, dizem especialistas
  67. Por que as mulheres “desapareceram” dos cursos de computação?
  68. Interiorização de venezuelanos para São Paulo e Manaus começa em abril
  69. Relatório da Unesco sobre água propõe soluções baseadas na natureza
  70. Veja quem luta contra quem no conflito na Síria
  71. Surto de febre amarela desafia vigilância de epidemias
  72. São Paulo, uma metrópole para poucos
  73. Mesmo com decisão do TST, governo não descarta privatização dos Correios
  74. Documento único estará disponível em julho
  75. Mulheres são donas de 31% de empresas nos Estados Unidos
  76. IBGE: mulheres ganham menos que homens mesmo sendo maioria com ensino superior
  77. Cadastro Positivo: Entenda o que é e quais são os reais benefícios ao consumidor
  78. CNI recomenda desburocratização, educação e pesquisa para indústria crescer
  79. Seu próximo negócio poderá ser de outro planeta
  80. Soluções sertanejas ajudam a vencer a seca no semiárido nordestino
  81. Pesquisador destaca papel da irrigação na sustentabilidade ambiental
  82. Laser infravermelho ajuda a combater gordura no fígado
  83. Leis não alteraram perfil dos caminhoneiros no Brasil, mostra estudo
  84. Técnicas de redução de ansiedade ajudam a acertar pênaltis
  85. Cremes dentais não resolvem sozinhos erosão dental e hipersensibilidade dos dentes
  86. Pesquisa diz que, de 69 milhões de casas, só 2,8% não têm TV no Brasil
  87. Hábitos alimentares deram nova identidade a japoneses na Amazônia
  88. Vitória antitabagista
  89. Desmatamento vai aquecer clima do planeta mais que o estimado
  90. Medida Provisória que altera reforma trabalhista ainda não começou a tramitar
  91. De Picasso a Chagall – Conheça o Carnaval retratado na arte
  92. Portela lembra na avenida os imigrantes judeus que se instalaram no Recife
  93. Beija-Flor fecha grupo especial com desfile sobre monstros e seus criadores
  94. União da Ilha desfila os sabores da culinária brasileira
  95. Na Marquês de Sapucaí, Imperatriz conta enredo dos 200 anos do Museu Nacional
  96. Haitianos são maioria entre os imigrantes no mercado formal brasileiro
  97. 60% das lesões no futebol atingem as coxas e joelhos
  98. Mídia representa pessoas em situação de rua de forma negativa
  99. Rap e jazz facilitam formação cultural e engajamento na escola
  100. Nova lei dá esperança a quem aguarda adoção