Falta de assistência no nascimento de bebês incomoda mães

Toda mãe deveria ter contato precoce com o recém-nascido e aleitamento materno na primeira meia hora após o parto. Essa é a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS). No entanto, pesquisa realizada na Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP) da USP constatou que os profissionais da saúde não dão assistência necessária para mulheres no momento do nascimento da criança

 3001226404 9c548f3a20 o-768x1024 temproario

Aleitamento deve começar na primeira meia hora após o parto, diz OMS.

Raquel Duarte/Agência USP de Notícias

O estudo realizado pela enfermeira Monise Martins da Silva, na maternidade da Santa Casa de Misericórdia da cidade de Passos (MG), analisou práticas dos profissionais de saúde no momento do parto. A enfermeira queria saber que assistência era oferecida às mães e recém-nascidos, principalmente quanto ao contato precoce e à amamentação na primeira meia hora após o nascimento da criança.

Todo o trabalho de Monise se baseou no quarto passo Ajudar as mães a iniciar o aleitamento na primeira meia hora após o nascimento, dos Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno estabelecidos pela OMS. Esses passos foram definidos pelo então Programa Iniciativa Hospital Amigo da Criança (IHAC) na década de 1990 para proteger e apoiar o aleitamento materno.

A enfermeira entrevistou médicos, enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem e psicólogos. Ela observou que, apesar desses profissionais entenderem a importância do contato precoce e do aleitamento na sala de parto, esta prática não é concretizada. A pesquisadora verificou que muitas vezes eles se preocupam com a realização de outros procedimentos, como o corte do cordão umbilical e o aquecimento do bebê, e se esquecem das recomendações da OMS.

Importância do contato precoce
O contato precoce consiste no momento pele a pele com a mãe. O bebê é colocado nu, de barriga para baixo, sobre o peito da mãe imediatamente após o parto. Esse contato pode durar até a primeira mamada ou pelo tempo que a mãe desejar. De acordo com a pesquisadora, “o contato precoce e o aleitamento materno são de suma importância, uma vez que, tais práticas criam um ambiente adequado para a adaptação do pequeno”.

Segundo a OMS, o aleitamento materno deve começar na primeira meia hora após o parto, para diminuir as dificuldades encontradas pelas mães, contribuir para a continuidade da prática, prevenir o desmame precoce e melhorar a satisfação materna quanto à amamentação. Deve ser estimulado pelos profissionais de saúde, como essenciais no incentivo ao contato precoce e ao aleitamento.

20130321 151622 temproarioPorém, a realidade que Monise encontrou foi outra. Os profissionais disseram que as mulheres não estão em condições de opinar sobre o que é melhor para elas e para os recém-nascidos no momento do parto. Mas Monise contradiz, afirmando que a opinião e a participação das mães são fundamentais, até mesmo quando o parto sofre complicações.

Segunda a enfermeira, as mulheres demonstram ansiedade para ver e tocar seus filhos. “Quando não conseguem ficar de imediato com a criança, se viram em direção ao berço aquecido, com o intuito de poder alcançá-los por meio do olhar e até questionam onde está o filho e se não vão amamentar”, diz.

Experiência materna

Muitas mães se sentem angustiadas quando o parto não acontece da forma desejada, afinal, é um momento único, que não volta mais. A pedagoga Dayane Yamashita passou por uma situação complicada durante o nascimento de seu filho e, após o parto, não teve contato precoce com o bebê. “Depois que meu filho nasceu não tive contato pele a pele com ele. Fico triste, pois senti muita falta disso. Poderia ter sido diferente, poderia ser mais humanizado, queria mais respeito, só isso”, conta.

3732097063 temproarioPara Érykah Moraes, engenheira ambiental e mãe de duas meninas, o contato precoce é muito importante, porém, também para ela, não aconteceu. “Pedi para a enfermeira pelo menos encostar o rosto da minha filha no meu e logo tiraram ela da sala de parto. Na cesárea, até os braços são amarrados. Eu questionei essa atitude e eles disseram que por ser cesariana o procedimento era esse, embora não tenha sofrido nenhum tipo de agressão, pois todo procedimento foi feito com muito cuidado”, relata.

A amamentação também não aconteceu de imediato com Dayane. Por ter tido um parto complicado, e prematuro, o primeiro alimento de seu filho foi um substituto do leite materno, a chamada fórmula, que os próprios profissionais deram. “Pelo fato do meu filho ter nascido prematuro, os enfermeiros deram fórmula para ele, então esse foi seu primeiro alimento, ao invés da amamentação. Eu tive o Davi com médico plantonista, e ele só foi me falar sobre amamentação quando eu tive alta”, diz.
O parto não foi como a pedagoga desejava e ela só foi amamentar seu filho pela primeira vez no dia seguinte ao nascimento. Para ela, amamentar é algo sem explicação, sensação única. “A coisa mais louca da minha vida foi amamentar. É uma sensação inexplicável, é muito instinto. Saber que você é a fonte de alimento de uma pessoa, do seu filho, é muito mágico, é incrível”, conta.

O estudo Contato precoce e aleitamento materno na sala de parto na concepção dos profissionais de saúde foi apresentado por Monise à EERP, para obtenção de seu título de mestre em fevereiro do ano passado. A enfermeira contou com a orientação da professora Juliana Cristina dos Santos Monteiro, da EERP.

Aplicativo ajuda médicos e enfermeiros no controle glicêmico

Bete Subires/Agência USP de Notícias

A Clínica de Endocrinologia e Metabologia do Hospital das Clínicas (HC), da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), acaba de lançar um aplicativo que irá auxiliar médicos e enfermeiros a realizarem controle glicêmico intensivo em pacientes internados. Trata-se do InsulinAPP, ferramenta desenvolvida para celulares smartphones e tablets capaz de calcular as doses hospitalares de insulina necessárias para um determinado paciente, em menos de 2 minutos. Basta o profissional inserir alguns dados do doente para obter as informações.
Segundo a doutora Márcia Nery, chefe do ambulatório de Diabetes e idealizadora do projeto, o controle glicêmico intensivo reduz, a curto e a longo prazo, a morbidade, o tempo de internação, a necessidade de internação em unidade de terapia intensiva e a mortalidade intra-hospitalar. O aplicativo, totalmente gratuito, disponibiliza, de forma ágil, dados específicos sobre fatores de risco para variabilidade glicêmica, via de administração da dieta, orientações de ajuste da insulinoterapia, dados da prescrição atual, fatores modificadores da dose, entre outros para total segurança do paciente.
Pessoas internadas sem controle glicêmico, independentemente se serem diabéticos ou não, correm sérios riscos de complicações, alertou a médica. “O não reconhecimento e o não tratamento da Hiperglicemia Hospitalar podem levar a um aumento de até 5,8 vezes no risco de infecção hospitalar, além de piora da evolução de pacientes com infarto agudo do miocárdio, piora da recuperação funcional após acidente vascular cerebral, aumento do risco de eventos trombóticos, entre outros, sendo este impacto negativo maior no grupo sem Diabetes Millitus prévio”, concluiu a médica.
O aplicativo foi desenvolvido pelos médicos, Alexandre Barbosa Câmara de Souza e Marcos Tadashi Kakitani Toyoshima. Ele pode ser baixado pelo (http://tinyurl.com/pw9n2q4). Para celulares com sistema Android utilizar o Google Play Store: (https://play.google.com/store/apps/details?id=com.wInsulinApp).

Mais artigos...

  1. Gastar menos energia é melhor ação contra aquecimento global
  2. Revelando o turista-fotógrafo
  3. Cidades pretendem reduzir quase pela metade emissões de CO2 até 2020
  4. O Estatuto do Desarmamento sob ameaça
  5. Getúlio e Collor também passaram por processo de impeachment
  6. Políticas públicas também tratam a saúde como mercadoria
  7. Estudo indica que Zika vírus está cada vez mais eficiente para infectar humanos
  8. Padronizar tamanho de roupas é possível, mostra estudo
  9. Pesquisador investiga a privatização e a concentração de capital no ensino superior
  10. Desmatamento reduz tamanho de peixes em região amazônica
  11. Mobilização marca vida dos encarcerados nas prisões
  12. Decreto regulamenta publicidade de alimentos infantis
  13. Chá verde e cacau protegem contra complicações causadas por diabete
  14. Lei de drogas vem causando lotação no sistema penitenciário
  15. Paleontólogos descrevem anfíbio gigante de 260 milhões de anos
  16. O padre aviador
  17. Presídio paraibano ilustra realidade do cárcere no Brasil
  18. Às vésperas da Rio 2016, legado da Olimpíada ainda é incógnita
  19. Rota de ônibus é definida com base no conforto do passageiro
  20. Filmes levam discussão sobre cultura indígena para a escola
  21. Entenda o que é a microcefalia e porque há um aumento dos casos em Pernambuco
  22. Pesquisas na Argentina dão vantagem ao candidato da oposição Mauricio Macri
  23. Modelo de governança é adaptado para clubes de futebol
  24. Estudante precisará de carteira padronizada para pagar meia
  25. Filha de Carolina de Jesus diz que não conseguiu ler livro mais famoso da mãe
  26. Envelhecimento da população precisa ser priorizado nas políticas públicas
  27. Entenda as novas regras para aposentadoria
  28. Elefante no Cerrado exerceria papel que já foi de mastodontes
  29. Fórmula auxilia médicos a lidarem com pé diabético
  30. Trotes telefônicos podem custar R$ 1 bilhão por ano ao país
  31. Tecnologia 29/10/2015
  32. Pesquisadores criam métodos estatísticos para prever fraudes em operações financeiras
  33. As particularidades da linguagem humorística brasileira
  34. Pílula da USP usada em tratamento contra o câncer divide opiniões
  35. Como identificar infarto, AVC e angina
  36. Viagens longas propiciam uso de drogas por caminhoneiros
  37. Jogos Mundiais: com máquinas ainda trabalhando, indígenas se instalam em Palmas
  38. Religiosidade traz alívio para idosos em hemodiálise
  39. Pequeno agricultor minimiza efeito do agrotóxico à saúde
  40. Educação financeira e previdenciária deve e pode começar na infância
  41. Uma em cada quatro pessoas morre no mundo por causas relacionadas à trombose
  42. Aviação também é um negócio bizarro!
  43. Material particulado veicular predomina no nível de poluição
  44. Alunos com tendência antissocial buscam segurança na escola
  45. 15 motivos para amar/odiar a palavra “kamikaze”
  46. Brasil perde R$ 156,2 bilhões do PIB com a morosidade do trânsito em São Paulo
  47. Santos pode se tornar mais suscetível a inundações
  48. 01 de Outubro - Dia Mundial do Idoso: Como os idosos veem a saúde
  49. Tecnologia permite fabricação de gelo por meio da luz solar
  50. Sistema prevê a ocorrência de raios com 24 horas de antecedência
  51. 11 (+1) músicas que falam sobre aviões e aeroportos
  52. Dez dúvidas mais frequentes sobre o diabetes
  53. Prática de atividade física pelos pais pode proteger filhos da obesidade
  54. Práticas corporais são eficientes para a saúde coletiva
  55. Amostras de pescado apresentam conservação inadequada
  56. Postura errada pode levar a graves problemas de saúde
  57. Subfertilidade feminina: o que é e como tratar
  58. Deputados votam texto que altera Estatuto do Desarmamento
  59. Os 50 anos do TUCA – Teatro da Universidade Católica
  60. Estudo traça panorama da transição do Brasil para TV Digital
  61. Realidade de times femininos vai de atletas sem chuteiras a clubes bem equipados
  62. Não há limites para quem sonha em pilotar
  63. Mudanças climáticas causam alterações no comportamento de beija-flores
  64. Os sentidos do “jeitinho brasileiro” em nossa cultura
  65. Mulheres engravidam mais velhas e congelamento de óvulos cresce
  66. Metodologias propõem olhares diferentes para alfabetização
  67. Vacinas de terceira geração terão “vetores de DNA”
  68. Terapias complementares ajudam no combate à infertilidade
  69. Incor comprova eficácia de exercícios fonoaudiológicoas no combate ao ronco
  70. Anil é anti-inflamatório e antioxidante, revela estudo
  71. MPF recebe 614 ossadas de possíveis desaparecidos políticos
  72. Deslocamento com bicicleta caiu em São Paulo de 2007 a 2012
  73. Guia Alimentar propõe novo olhar sobre a alimentação
  74. O colapso dos grandes herbívoros
  75. Marcha das Margaridas: 32 anos depois, líder ainda influencia mulheres do campo
  76. Cientistas procuram por abelha invasora na América do Sul
  77. Julgamento no STF pode levar Brasil a descriminalizar porte de drogas
  78. Mais fogo e menos água
  79. As novas cores da (des)igualdade racial no país
  80. Escolas rompem barreiras e levam crianças para ocupar e aprender na cidade
  81. Férias. É hora de aprender
  82. Biometria adaptativa é novo modo de avaliar identidade
  83. Demência vascular é mais comum que Alzheimer em idosos
  84. Imigrantes: as brechas para o acolhimento
  85. Pesquisa busca resgatar espaço memorial do teatro paulistano
  86. Santos Dumont, o Pai da Aviação, sim, senhor!
  87. Avaliação positiva do governo Dilma caiu para 7,7% em julho, mostra pesquisa
  88. Estatuto da Igualdade Racial completa 5 anos com desafio de equiparar direitos
  89. Estudo analisa a pluralidade do espiritismo kardecista
  90. Aumento de tamanho da próstata é normal e tem tratamento
  91. Brasil pode ser pioneiro em defensivos agrícolas naturais
  92. Crianças iam para a cadeia no Brasil até a década de 1920
  93. Especialistas dizem que intolerância é principal causa de linchamentos no Brasil
  94. Como transformar crise em oportunidade?
  95. Fruto amazônico tem efeito anti-inflamatório contra câncer
  96. Reservatórios de água ajudam sertanejos a conviver com a seca
  97. Divergência marca visões sobre patrimônio histórico
  98. Raul Seixas: o mito faz 70 anos e permanece vivo 25 anos após a morte
  99. Imigrantes atuam como embaixadores do Brasil nos Estados Unidos
  100. País pode ter Justiça mais ágil com a mediação

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP