Livro em tupi moderno busca fortalecer o idioma na Amazônia

Desde 2010, o professor Eduardo de Almeida Navarro, que há 24 anos leciona tupi na FFLCH/USP, dá aos seus alunos a tarefa de traduzir um conto para o idioma nheengatu, o tupi moderno

Marcel Ávila

Pesquisadores visitaram o município de São Gabriel da Cachoeira, no Vale do Rio Negro, que tem línguas indígenas declaradas como co-oficiais.

Diego C. Smirne/Jornal da USP

Dessa produção, cerca de 35 histórias foram escolhidas para integrar o livro 'Histórias em Língua Geral da Amazônia', organizado pelo professor e por seu doutorando Marcel Twardowsky Ávila e publicado pelo Centro Ángel Rama de Estudos Latino-Americanos da USP.

No início de 2018, os 2 mil exemplares impressos do livro serão levados à diocese de São Gabriel da Cachoeira, no Vale do Rio Negro, Amazonas, onde será feita a distribuição gratuita da obra para os falantes do nheengatu da região. “O bispo dom Edson Damian tem acesso aos mais distantes lugares no Rio Negro, locais que se leva cinco dias de barco para alcançar. A diocese é maior que o Estado de São Paulo. Só poderíamos conseguir fazer com que o livro chegasse aos moradores das localidades mais distantes com ajuda da Igreja ou do Exército”, afirma Navarro.

A região do Rio Negro é um dos poucos lugares onde ainda se fala o nheengatu no Brasil, mas, de acordo com o professor, até o período conhecido como ciclo da borracha (de 1879 a 1912) a língua era falada em quase toda a região amazônica, chegando até Belém. “Nheengatu quer dizer ‘língua boa’, isto é, uma língua que todos naquela região do Brasil entendiam e falavam, indígenas de várias etnias, negros, brancos. É uma língua supraétnica, muito mais fácil de se falar do que o tupi antigo, por isso a chamamos de língua geral da amazônia”, explica o professor.

Moradores de São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas.Quando os portugueses chegaram ao Brasil, o tupi antigo era falado em toda a costa do País, motivo pelo qual foi inicialmente batizado de língua brasílica, e, durante o primeiro século do período colonial, era mais usado que o português. Com o tempo e as incursões para o interior, o idioma começou a mudar, incorporando palavras e estruturas da língua portuguesa, e a partir do século 19 passou a ser chamado de nheengatu. Segundo Navarro, além de verbos e outros verbetes, o tupi moderno incorporou a estrutura sintática do português, o que lhe rendeu a alcunha de “língua boa”.

Apesar dessa facilidade, Marcel Ávila se diz preocupado com o futuro do idioma na Amazônia. Em 2011, o professor Navarro começou a viajar com seus alunos para a região do Rio Negro e, desde então, Ávila volta todos os anos para estadias que em geral duram um mês, mas já chegaram a sete meses. “Lá pude observar que todos acima de 50 anos falam o nheengatu, assim como a maioria das pessoas entre 40 e 30 anos de idade, mas com as crianças isso já começa a se perder. Muitas delas entendem perfeitamente o idioma, mas não sabem falar”, relata o pesquisador.

Ávila atribui esse enfraquecimento do nheengatu, entre outros fatores, ao fato de se tratar de um idioma ágrafo, isto é, que não é tradicionalmente manifestado pela escrita. “O português acaba se impondo por essa questão, e o nheengatu perde importância e prestígio". Nas universidades brasileiras, o idioma tupi também já teve maior presença. Conforme conta o professor, o primeiro curso sobre a língua foi o da USP, em 1935, numa resposta carregada de orgulho regional e afirmação política à derrota paulista na Revolução de 1932. Posteriormente, em 1954, foi promulgada uma lei que obrigava o ensino da língua em todas as faculdades de Letras do País.

Marcel Ávila em atuação no município de São Gabriel da Cachoeira, no Vale do Rio Negro, no Amazonas.Porém, nos anos 70, com o surgimento dos primeiros cursos de linguística, preocupados em estudar o fenômeno da linguagem de maneira mais abrangente, o idioma perdeu seu status. Com isso, somente na USP se manteve o estudo do tupi antigo, além de ser aqui a única universidade do Brasil onde o tupi moderno é ensinado, desde 2008, de maneira sistemática.

“Outras faculdades de Letras ainda estudam estruturas de línguas indígenas, mas aqui nós ensinamos a gramática, os alunos têm a chance de ler textos de pessoas como o padre José de Anchieta e mesmo de índios escritos em tupi”, afirma o professor. Esse trabalho já rendeu a produção de uma Gramática do Tupi Moderno, cujos 4 mil volumes impressos foram distribuídos na diocese de São Gabriel da Cachoeira, além de ter o projeto em desenvolvimento de um dicionário do idioma, coordenado por Marcel Ávila, e esta primeira abordagem literária com as Histórias em Língua Geral da Amazônia.

O livro traz histórias curtas, traduzidas para o nheengatu em sua maioria diretamente do idioma original. Entre elas estão desde fábulas como Chapeuzinho Vermelho até contos japoneses e árabes, traduzidos pelos alunos de Navarro de diferentes turmas desde 2010, de acordo com a língua que estudavam. A experiência de Ávila e de outros alunos do professor na Amazônia permitiu, segundo ele, que captassem nuances do idioma que não se poderia perceber apenas com os estudos na Universidade.

Livro 2 temporarioEsse trabalho é chamado pelo professor Navarro de um esforço de “purificação da língua”. “Essa influência do português é um dos sinais de que o idioma corre risco de desaparecer, por isso buscamos no vocabulário do tupi palavras que possam designar objetos modernos, como uma geladeira, por exemplo, em vez de usar uma variação portuguesa”, explica. Ávila relata também que, por serem povos de tradição oral, a leitura não é costume entre os falantes do nheengatu.

“Hoje, a televisão também está tomando esse papel da tradição oral. A escrita em tupi moderno é muito vinculada à Igreja ou às escolas, por isso tivemos essa preocupação de produzir um livro que tenha apelo também entre as crianças. Estamos começando a construir uma literatura em tupi, e ainda teremos que esperar uns anos para ver os resultados desse trabalho. Mas esperamos que essas histórias que traduzimos e o hábito de ler sejam transmitidos a elas através da educação”, diz o pesquisador.

“O tupi tem um valor histórico e cultural imenso. É a língua clássica do Brasil, foi referência para a identidade brasileira depois da Independência, grandes escritores brasileiros produziram textos a partir dela, os artistas do nosso Modernismo o tiveram como base. Por isso nosso objetivo é fazer com que nossa produção seja acessível aos falantes do nheengatu, e pretendemos produzir outras obras de literatura a partir das traduções que forem feitas na USP nos próximos anos".

Mais artigos...

  1. Retrospectiva/2017: Fim da recessão, queda de juros e da inflação marcaram a economia
  2. Retrospectiva/2017: O ano dos ataques cibernéticos
  3. Retrospectiva/2017: O ano em que o Brasil mostrou que se importa com a Amazônia
  4. Lado brasileiro de Itaipu também poderá ser reserva de biosfera da Unesco
  5. Simplificar para melhorar (e muito): a urgente Reforma Tributária
  6. Fake news e controle na internet são desafios para as eleições de 2018
  7. Condições de vida são mais baixas em áreas longe dos centros
  8. Bichos de pelúcia substituem animais de laboratório em aulas na USP
  9. IBGE: 50 milhões de brasileiros vivem na linha de pobreza
  10. Em 2015 sete municípios respondiam por 25% do PIB do país, mostra IBGE
  11. País ainda precisa avançar no combate ao racismo
  12. Com política eficiente, país pode reverter prazo para cumprir objetivos estipulados pela ONU
  13. 70 anos da maior descoberta arqueológica bíblica: Manuscritos do Mar Morto
  14. Bitcoin passa de US$ 13 mil e vira 'desejo de consumo'
  15. Pesquisa do IBGE mostra trabalho "invisível" feito em 2016 no país
  16. Divórcio demorou a chegar no Brasil
  17. Prédios públicos ficam vermelhos contra a aids
  18. Estudo resgata a história do Movimento do Custo de Vida
  19. Anabolizantes comprometem funcionalidade do “colesterol bom”
  20. Presença de árvores reduz casos de câncer de pulmão em idosos
  21. Proximidade do verão aciona alerta para desastres naturais
  22. Nova lei regula situação de estrangeiros no país
  23. SP e Prefeitura de Humaitá atendem ribeirinhos no Amazonas
  24. O desaparecimento de pessoas é um problema grave, que atinge milhares de famílias no Brasil
  25. Alimentos e cosméticos podem ter alerta sobre substância cancerígena_02
  26. OIT diz que há mais de 70 milhões de jovens desempregados no mundo
  27. Lixo no mar brasileiro vai de drogas a plástico
  28. Livro 'Vestígios da Memória' mostra a riqueza da arquitetura paulista
  29. Atenção dos pais pode reduzir risco de abuso de drogas na adolescência
  30. Reforma trabalhista entrou em vigor neste sábado com novas formas de contratação
  31. Alimentos e cosméticos podem ter alerta sobre substância cancerígena
  32. Dois anos depois, atingidos por barragem em Mariana ainda não foram indenizados
  33. População não entende rótulos, diz pesquisa
  34. Ética no esporte: uma poderosa ferramenta de formação de caráter
  35. Desafios para o cumprimento do Acordo de Paris
  36. Historiador desconstrói mitos sobre Teatro Municipal de São Paulo
  37. Dia mundial de combate ao abuso infantil
  38. Bullying na escola está ligado à má relação familiar, diz estudo
  39. Naufrágios chamam a atenção para a segurança nas hidrovias brasileiras
  40. Com frete rodoviário abaixo do custo, CNI defende fiscalização para evitar crise
  41. Livro analisa educação clandestina no gueto de Varsóvia
  42. Igualdade entre homem e mulher pode agregar US$ 28 trilhões ao PIB até 2025
  43. Os acordes dissonantes da contracultura nos anos de chumbo
  44. Reforma eleitoral abre espaço para propaganda paga em sites
  45. Rotina de jovens com HIV inclui estigma e mudança de hábitos
  46. Gravidez precoce ainda é alta, mostram dados
  47. Rede de apoio é fundamental para combater violência contra a mulher
  48. FAO sugere que jovens de países em desenvolvimento não deixem áreas rurais
  49. Conheça a trajetória do Velho Guerreiro
  50. O que as crianças estão aprendendo sobre o amor?
  51. Outubro Rosa conscientiza sobre prevenção do câncer de mama
  52. Indústria fecha primeiros oito meses do ano com crescimento de 1,5%, diz IBGE
  53. Perda de renda e medo do desemprego fazem brasileiros diminuírem consumo
  54. Desconfiança e preconceito da sociedade dificultam ressocialização de presos
  55. Açaí teve maior valor de produção na extração vegetal em 2016, diz pesquisa
  56. Fécula de mandioca poderá substituir parte da farinha de trigo na composição do pão
  57. Pesquisa aponta saídas para combater desigualdade no Brasil
  58. No Brasil, 45% da população ainda não têm acesso a serviço adequado de esgoto
  59. Integrar história da ciência nas escolas pode revolucionar ensino
  60. Cerca de 11 mil pessoas tiram a própria vida todos os anos no Brasil
  61. Estudo feito na Unicamp permite traçar o roteiro da obesidade
  62. Crise pode limitar financiamento estudantil
  63. Gorduras boas: saiba a importância desses nutrientes e porque eles devem fazer parte do nosso dia a dia
  64. Mercado de trabalho dá sinais de recuperação no segundo trimestre
  65. Cientistas dizem que furacões como o Irma são evidência de aquecimento global
  66. Programa Identidade Jovem enfrenta baixa adesão e resistência dos empresários
  67. Crescimento de ataques virtuais acende alerta sobre suicídio
  68. Na Georgia, brasileiros criam rede de apoio e acolhem mais de 300 pessoas
  69. O Império do Brasil
  70. Cabelos fracos, quebradiços e com queda? A solução pode estar no cardápio
  71. Microplásticos ameaçam 529 espécies da fauna marinha em todo o mundo
  72. Enade: matrículas em instituições públicas crescem e rede privada tem redução
  73. Pesquisadores descrevem 381 novas espécies de animais e plantas da Amazônia
  74. Direito à saúde bucal pode virar lei
  75. Casa da Moeda: Economistas não acreditam que privatização traga risco de fraude
  76. Taxa de feminicídios no Brasil é a quinta maior do mundo
  77. Travessia longa até um trânsito civilizado no país
  78. Intestino preguiçoso: saiba quais alimentos consumir para evitar esse mal e ter uma vida saudável
  79. Cerca de 58% dos alunos da rede pública têm rendimento abaixo da média em matemática
  80. Pelo terceiro ano seguido, desemprego é a principal causa da inadimplência, mostra levantamento do SPC Brasil e CNDL
  81. De concurso de miss a maternidade, cadeirantes contam como resgataram autoestima
  82. Verba de multas poderá ir para o trânsito
  83. Como seria uma guerra entre EUA e Coreia do Norte?
  84. Fundo Amazônia vai investir R$ 150 milhões em novos projetos de conservação
  85. Duração de licença-paternidade reforça desigualdade na criação dos filhos
  86. Há 80 anos, União Nacional dos Estudantes faz história no país
  87. Barriga tanquinho: regra 80/20 é o segredo para conquistar e manter o abdômen definido
  88. Estudo mostra que o uso de etanol nos veículos reduz a poluição por nanopartículas
  89. Aleitamento materno ainda enfrenta obstáculos
  90. Segurança pública: solução depende de participação social
  91. “Memórias Póstumas de Brás Cubas” observa a condição humana
  92. Do sertão à ‘selva’ paulistana, o rito de passagem dos pankararu
  93. Dieta pós 40: veja o que deve mudar no cardápio para garantir vigor durante a meia idade
  94. Uerj pesquisa influência da atividade física das mães na obesidade dos filhos
  95. A desigualdade “racial” nas eleições
  96. Pediatras lançam guia para promover atividade física a criança e adolescente
  97. Sem aumento do PIS/Cofins, governo perde R$ 78 milhões por dia, diz AGU
  98. Pesquisa diz que a cada 16,8 segundos uma tentativa de fraude é aplicada no país
  99. O ano de 2016 bateu um novo recorde de deslocamentos forçados - Quais países mais geram refugiados pelo mundo?
  100. Pesquisa revela como o exercício físico protege o coração
Mais Lidas