Contato: (11) 3043-4171

Em novembro de 1955, crise fez Brasil ter 3 presidentes numa única semana

Em novembro de 1955, os brasileiros assistiram a uma onda de conspirações políticas e militares que culminou em dois golpes de Estado fracassados e dois contragolpes bem-sucedidos

imagem materia 02 03 11 2018 temporario

Foto: Revista Cruzeiro

O cruzador Tamandaré, com Carlos Luz a bordo, no Rio: presidente interino foi deposto e fugiu por mar para criar governo paralelo.

O Rio, então capital, foi palco de cenas de guerra, com tanques nas ruas e tiros de canhão na praia. No Palácio do Catete, houve uma dança das cadeiras. Numa única semana, o Brasil teve três presidentes — Café Filho, Carlos Luz e Nereu Ramos.

Foram momentos decisivos da história nacional. O Arquivo do Senado, em Brasília, guarda documentos que ajudam a entender o acontecido. Os papéis, que contêm os discursos e as decisões dos senadores, mostram que o Senado teve função ativa no desenrolar dos eventos.

Um dos episódios mais dramáticos ocorre na manhã de 11 de novembro de 1955, quando os fortes do Leme e de Copacabana abrem fogo contra o navio de guerra Tamandaré. A bordo, está Carlos Luz. O presidente acaba de ser deposto, mas não se dobra.

A população, desesperada com os estrondos, estende lençóis brancos nas janelas dos edifícios da Avenida Atlântica. Nenhum disparo acerta o cruzador, e o navio não revida.

O Tamandaré escapa porque consegue emparelhar com um cargueiro que deixa a Baía de Guanabara e se escudar dos tiros. Luz, acompanhado de mais de mil militares, navega rumo a Santos (SP), para organizar um governo de resistência.

O 11 de novembro é o ápice de uma crise que começa muito tempo antes. Vice de Getúlio Vargas, Café Filho assume o poder após o suicídio do titular, em agosto de 1954.

Getúlio decide se matar para frear um iminente golpe encabeçado pela UDN (partido da oposição) e pelas Forças Armadas que o apearia da Presidência. Os dois grupos abominam a política nacionalista e trabalhista de Getúlio.

O suicídio do presidente e a posse do vice adormecem os impulsos golpistas. Café engaveta as políticas getulistas e escolhe a UDN para ocupar praticamente todos os ministérios.

A calmaria dura pouco. Em 3 de outubro de 1955, o país elege Juscelino Kubitschek presidente e João Goulart vice. O resultado da votação desperta os conspiradores de 1954.

JK e Jango pertencem respectivamente ao PSD e ao PTB, fundados por Getúlio. JK, à frente de Minas Gerais, foi o único governador a participar do velório do presidente. Jango foi ministro do Trabalho de Getúlio e perdeu o cargo por pressão dos militares, após tentar dobrar o valor do salário mínimo.

A UDN e parte das Forças Armadas, que não têm dúvida de que JK e Jango desengavetarão as bandeiras do getulismo, preparam-se para dar um golpe, impedindo a posse dos vitoriosos e tomando o poder.

Maioria absoluta
Novembro de 1955 já começa tenso. No dia 1º, num evento público, o coronel Jurandyr Mamede faz um virulento discurso contra JK e Jango. O militar classifica a vitória de “mentira democrática” e diz que eles não podem assumir o poder.

O episódio ocorre três meses antes da posse, marcada para 31 de janeiro de 1956, e ganha enorme repercussão nos jornais.

A principal alegação dos conspiradores é que JK não venceu com a maioria absoluta (mais de 50%) dos votos. O mineiro obteve 36%, ligeiramente à frente dos 30% do general Juarez Távora, o candidato apoiado pela UDN e pelos militares.

As leis da época, porém, são claras: se exige simplesmente a maioria dos votos e não há segundo turno.

A lista de argumentos continua. Os golpistas dizem que houve fraudes na votação e acusam de ilícito o apoio dado a JK pelo Partido Comunista do Brasil (PCB, depois Partido Comunista Brasileiro), que estava na clandestinidade.

Um dos poucos ministros de Café Filho não filiados à UDN é o general Henrique Lott, titular do Ministério da Guerra (hoje Comando do Exército).

Apesar de ter apoiado a candidatura do general Távora, Lott tem uma postura legalista. Ele defende que o resultado das urnas deve ser respeitado e proíbe a caserna de aderir ao golpismo.

O ministro participa do evento do dia 1º e não gosta da indisciplina de Mamede. Lott, entretanto, não pode puni-lo porque o coronel está cedido à Escola Superior de Guerra, subordinada à Presidência. O presidente teria de devolvê-lo ao Exército.

Quando procura o Catete para fazer o pedido, Lott se inteira de que Café Filho acaba de sofrer um “ligeiro distúrbio cardiovascular”, segundo o boletim emitido pela Presidência.

Os médicos preveem que Café precisará passar vários dias hospitalizado. No dia 8, o mandatário se licencia e transmite o poder para o presidente da Câmara, Carlos Luz.

No mesmo dia, o senador Paulo Fernandes (PSD-RJ) sobe à tribuna do Palácio Monroe, a sede do Senado, e faz uma avaliação preocupante do momento:

— Persistem grupelhos de políticos inconformados com os resultados do pleito. Eles fazem de tudo para tumultuar a situação e agitar o ambiente político.

No dia 10, Lott consegue uma audiência com o presidente interino. Luz, porém, responde que não vê motivos para punir Mamede. Sentindo-se desautorizado e desprestigiado, Lott pede demissão. O pedido é aceito e o presidente anuncia como sucessor o general Álvaro Fiúza de Castro. Lott negocia sua saída para o dia seguinte (Ricardo Westin/Ag. Senado/Arquivo S).

Chá de cadeira

imagem materia 02 11 2018 temporario

Foto: Acervo Marechal Lott

O general Lott, responsável por frear os golpes de 1955 e preservar a democracia

À noite, na cama, Lott reflete sobre todos os acontecimentos. Lembra que Carlos Luz correu para cumprimentar efusivamente Mamede após o desafiador discurso do dia 1º. Pensa que o chá de cadeira que Luz lhe impôs naquele dia na antessala do gabinete presidencial — duas horas de espera — foi pura provocação. Acha estranho ter aceitado a demissão tão rapidamente e ainda por cima anunciado de imediato o nome do novo ministro. Recorda, por fim, que o general Fiúza de Castro foi protagonista do movimento que levou Getúlio ao suicídio.
Para Lott, está claro: Luz quer se livrar do ministro da Guerra, que é legalista e tem as tropas nas mãos, e assim abrir caminho para um golpe militar que impedirá a posse de JK. O ministro demissionário, então, corre para orquestrar um contragolpe. Na madrugada do dia 11, mobiliza quartéis de várias partes do país. Na capital, cerca o Catete.
Os militares estão rachados. Uma parte apoia o legalismo do general Lott. A outra adere aos golpistas e ajuda Luz na fuga para Santos. Entre os conspiradores a bordo do cruzador Tamandaré, estão o coronel Mamede e o jornalista e deputado Carlos Lacerda (UDN).
Ainda no dia 11, Lott negocia com a Câmara e o Senado a derrubada formal de Carlos Luz. Em sessões tumultuadas, os deputados e os senadores aprovam o impedimento. Luz é presidente por três dias, o mandato mais breve da história nacional.
Com o presidente morto, o vice doente e o presidente da Câmara impedido, toma posse no Catete naquela noite o seguinte na linha de sucessão: o vice-presidente do Senado, Nereu Ramos. Em menos de uma semana, é a terceira pessoa na Presidência.
Segundo a Constituição da época, o vice-presidente da República se torna automaticamente o presidente do Senado — uma espécie de cargo honorífico. É por isso que quem aparece depois do presidente da Câmara na linha de sucessão não é o presidente do Senado, mas o vice da Casa.
No Palácio Monroe, os senadores apoiam o colega. Afirma Lima Teixeira (PTB-BA):
— À frente do governo nesta hora grave da nacionalidade, o ilustre vice-presidente desta Casa certamente agirá com espírito conciliador, equilíbrio e bom senso para debelar esta crise sem derramamento de sangue.
O senador Kerginaldo Cavalcanti (PSP-RN) concorda:
— Penetramos nos umbrais da inconstitucionalidade quando da deposição branca do senhor Getúlio Vargas, que dela se livrou pelo suicídio. Vivemos o segundo episódio do drama político da inconstitucionalidade. É preciso salvar o regime e as instituições. Estou convencido de que o senhor Nereu Ramos, e somente ele, poderá conciliar os ânimos.
Carlos Luz não consegue desembarcar em Santos. Quando chega, o porto já está ocupado pelos soldados de Lott. A ideia da resistência cai por terra.
O contragolpe de 11 de novembro consegue abortar o golpe da UDN, de parte dos militares e do próprio Luz. A sanha, no entanto, continua. Os conspiradores começam a tramar o segundo golpe (Ricardo Westin/Ag. Senado/Arquivo S).

Mais artigos...

  1. General Heleno defende uso de atiradores de elite contra criminosos
  2. Preservar a Constituição e unir sociedade são prioridades de Bolsonaro
  3. Negros e brancos de alta renda moram em locais distantes e distintos
  4. Antes da Eletrobras, Brasil vivia rotina de apagões
  5. A água no Brasil: da abundância à escassez
  6. Alimentação está na pauta do novo Congresso
  7. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens
  8. Projeto pretende retardar o envelhecimento do sistema imune humano
  9. Comida síria transporta imaginário de refugiados para lugar que não existe mais
  10. ONU: nenhum país consegue garantir direitos reprodutivos das mulheres
  11. Estudo destaca estreita relação entre álcool, drogas e violência
  12. Brasil avança, mas tem desafio para cumprir meta de emissão de carbono
  13. Apenas 3,3% dos estudantes brasileiros querem ser professores
  14. Na primeira eleição presidencial, Brasil teve eleitor de menos e candidato demais
  15. Oito em cada dez idosos têm percepção positiva da terceira idade
  16. Senado analisa aposentadoria especial para condutores de ambulância
  17. Metade das cidades do país ainda não dá voz aos idosos
  18. Prédio do Museu Nacional já preocupava Senado do Império
  19. Referência da história contemporânea, Constituição completa 30 anos
  20. Desemprego pauta candidatos e será desafio ao próximo presidente
  21. Em 15 anos, Estatuto do Idoso deu visibilidade ao envelhecimento
  22. 30 anos da Constituição: Principal símbolo do processo de redemocratização nacional
  23. Rebanho de bovinos e produção de leite caem, diz pesquisa do IBGE
  24. Cresce preocupação com desperdício de alimentos em todo o mundo
  25. Empresários brasileiros apostam em alimentos e bebidas saudáveis
  26. Secretário admite que pode fechar o ano sem elucidar caso Marielle
  27. Futuro presidente terá de enfrentar financiamento do SUS
  28. Apesar de aumento, menos de 40% das cidades têm política de saneamento
  29. Metade das mulheres férteis em SP usaram pílula do dia seguinte
  30. Animais criados livres no Pampa fornecem carne mais saudável
  31. Primeiro transhomem a ser operado no Brasil, João Nery prepara livro
  32. Avança o Indicador de inadimplência do consumidor; país tem 62,9 milhões de negativados
  33. Filtro colorido aumenta velocidade de leitura de crianças com dislexia
  34. Manual ensina a cuidar da saúde bucal de crianças com autismo
  35. Iniciativas do Judiciário combatem e reparam violência contra a mulher
  36. Epidemia de gripe espanhola no Brasil mata presidente, faz escolas aprovarem todos os alunos e leva à criação da caipirinha
  37. Reforma tornou ensino profissional obrigatório em 1971
  38. Museu do Ipiranga questiona os sentidos da independência
  39. Governo vai liberar recursos emergenciais para o Museu Nacional no Rio
  40. Alunos deixam ensino fundamental com desempenho pior do que entraram
  41. Câmara discute propostas polêmicas sobre orgânicos e agrotóxicos
  42. Especialistas apontam epidemia de cesarianas no Brasil
  43. Foco de instabilidade, impacto migratório é desafio em Pacaraima
  44. Há 55 anos, Senado ajudou a derrubar parlamentarismo
  45. Especialistas debatem soluções tecnológicas para ajudar o agronegócio
  46. Denúncias de feminicídio e tentativas de assassinato chegam a 10 mil
  47. Merenda escolar é vigiada no país por 80 mil “detetives”
  48. Dos 27,4 mil registros de candidaturas, 8,4 mil são de mulheres
  49. Jogadores contam histórias do preconceito enfrentado na Europa_2
  50. Subutilização da força de trabalho atinge 27,6 milhões no Brasil
  51. Ofensiva contra o lixo: país se engaja em debate sobre a coleta seletiva
  52. Seis em cada dez crianças no Brasil vivem na pobreza, diz Unicef
  53. Manifestações afros são incorporadas à cultura sem valorização dos negros
  54. Ruy Barbosa desafiou elite e fez 1a campanha eleitoral moderna
  55. Sarampo: especialista alerta sobre a importância da vacinação
  56. Casos de suicídio motivam debate sobre saúde mental nas universidades
  57. Mortes de presos aumentam 10 vezes em quase vinte anos no Rio
  58. Petróleo, combustíveis e Refis reforçam receitas da União este ano
  59. Mulheres que fizeram aborto relatam momentos de medo e desespero
  60. Supremo Tribunal Federal debate hoje a descriminalização do aborto
  61. 44% dos empresários do varejo e de serviços estão otimistas com economia para o segundo semestre
  62. Ecossistemas tropicais abrigam mais de três quartos das espécies de plantas e animais
  63. Metade dos docentes no país não recomenda a própria profissão
  64. Projeto cria regras para proteger dados pessoais
  65. Censo mostra aumento da área destinada à agricultura no país
  66. População brasileira deve chegar a 233,2 milhões em 2047, diz IBGE
  67. Construtoras acreditam em multa maior por distrato; Procons condenam
  68. Museu Paulista e Sesc Ipiranga apresentam “Papéis Efêmeros”
  69. Radiografia do ativismo indica revitalização do papel político das cidades
  70. Canecão foi referência para música brasileira e revelou grandes nomes
  71. Saúde alerta que as baixas coberturas vacinais acendem a luz vermelha
  72. Em minoria, mulheres buscam liderar negócios de inovação e tecnologia
  73. Lei de proteção de dados vai mudar cotidiano de cidadãos e empresas
  74. Estudo destaca papel central da música nos ritos de incorporação da Umbanda
  75. Cientistas vão treinar robôs para identificação automática de plantas
  76. Combate a Lampião quase entrou na Constituição de 1934
  77. Estudo aponta 30 profissões que estão surgindo com a indústria 4.0
  78. Na era Trump, imigrantes buscam espaço na política dos Estados Unidos
  79. Acompanhar tramitação de lei ainda é desafio
  80. O maravilhoso universo das plantas e a força dos nutrientes
  81. Junho deixou sementes de participação popular
  82. Número de brasileiros em áreas de risco passa de 8 milhões, diz IBGE
  83. Vida verde: benefícios do vegetarianismo e veganismo à saúde atraem cada vez mais brasileiros
  84. Uso de energia solar no campo cresce com usinas flutuantes
  85. Vinho é a bebida alcoólica preferida dos brasileiros na melhor idade, aponta pesquisa
  86. Músicos amadores criam grupos para reviver antigos sambas esquecidos
  87. Projetos buscam evitar tragédias como o desabamento de edifício em São Paulo
  88. Quilombo a 50 km de Brasília luta para manter território e identidade
  89. Lei Seca soma dados positivos após 10 anos, mas levanta questões
  90. Junho aumenta riscos de acidente com fogos e balões
  91. Dom Pedro I criou Supremo Tribunal com poderes esvaziados
  92. "Sem solução, quem matou terá carta branca", diz pai de Marielle
  93. Livro sobre intelectuais negros põe em xeque ideia de democracia racial no país
  94. Carro elétrico ainda espera incentivos para crescer no Brasil
  95. Cora Coralina é inspiração para artesãs e doceiras na Cidade de Goiás
  96. Ascensão e queda de José Bonifácio, o 'Patriarca da Independência'
  97. Brasil perdeu mais de 430 mil empregos na construção entre 2015 e 2016
  98. Desmatamento e ocupação desordenada ameaçam conservação do Cerrado
  99. Poluição sonora prejudica a saúde e preocupa especialistas
  100. Senado deve aprovar incentivo para combater cartéis

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171