Contato: (11) 3043-4171

Para complementar renda, 64% dos brasileiros recorreram a bicos

Embora o país tenha superado, ao menos tecnicamente, a recessão econômica, as consequências da crise ainda se mostram presentes em diversos aspectos do dia a dia da população.

Para temporaro

De modo geral, 77% dos brasileiros declaram que ainda não sentem os efeitos da melhora da economia. Foto: Daniela Oliveira/Ag.UVA

Um estudo realizado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostra que passou de 57% para 64% o percentual de consumidores que recorreram a alguma forma de trabalho extra ou bicos para complementar a renda no primeiro semestre deste ano.

Segundo o levantamento, em cada dez consumidores, cinco (51%) acreditam que as condições gerais da economia pioraram neste ano em comparação ao mesmo período do ano passado. Quando avaliam a própria condição financeira, 44% garantem que também houve piora em relação ao último ano, um aumento de oito pontos percentuais. Outros 34% falam em condições financeiras iguais, ao passo que apenas 19% pensam que a situação está melhor que antes.

“O momento mais crítico da crise ficou para trás, mas isso não significa que a vida das pessoas tenha melhorado substancialmente. A renda das famílias segue achatada e o consumo melhora a passos lentos porque o desemprego segue alto e a confiança abalada”, explica a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti. No primeiro semestre, 83% dos consumidores fizeram cortes para driblar crise; 77% não sentem efeitos da melhora da economia

O primeiro semestre foi um período marcado por dificuldades que exigiram sacrifício e capacidade de adaptar a vida financeira. 83% dos brasileiros tiveram de fazer cortes no orçamento para driblar as consequências da crise. 61% cortaram ou reduziram refeições fora de casa. Outros cortes comuns no período foram os de roupas, calçados e acessórios (57%), itens que não são de primeira necessidade em supermercados, como carnes nobres, congelados, iogurtes e bebidas (55%) e gastos de lazer, como cinema e teatro (53%).

De modo geral, 77% dos brasileiros declaram que ainda não sentem os efeitos da melhora da economia, seja nos preços dos bens e serviços, juros, emprego ou consumo. Consideram que os preços continuam aumentando, ao mesmo tempo em que 56% pensam que as taxas de juros estão muito elevadas e 54% argumentam que o mercado de trabalho segue sem contratar. Além disso, 57% das pessoas ouvidas disseram que ficaram desempregados ou tiveram algum membro da família que perdeu o emprego nos últimos meses (SPC/CNDL).

OMS: epidemia de aids não terá fim sem ações direcionadas

OMS temporaro

Epidemia de HIV não terá fim sem que haja políticas direcionadas para as chamadas populações-chave. Foto: Reprodução

Agência Brasil

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse ontem (23) que a epidemia de HIV no mundo não terá fim sem que haja políticas direcionadas para as chamadas populações-chave – sobretudo gays, homens que fazem sexo com homens, trabalhadores do sexo, usuários de drogas e população LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, transsexuais e transgêneros).

“A melhor forma de abordar todo o espectro de suas necessidades de saúde é por meio de sistemas de saúde fortes baseados numa atenção primária centrada nas pessoas e que seja direcionada para alcançar saúde para todos”, publicou Tedros em seu perfil na rede social Twitter.
O diretor-geral da OMS participou ontem da cerimônia de abertura da 22ª Conferência Internacional sobre Aids, que ocorre até a próxima sexta-feira (27) em Amsterdã, na Holanda.

O encontro é considerado o maior do mundo sobre o tema e reune especialistas em ciência, direitos humanos e defesa dos interesses de quem vive com HIV. O tema deste ano é 'Quebrando Barreiras, Construindo Pontes'. A proposta é chamar a atenção para desafios como estigma, preconceito e outros problemas enfrentados por quem vive com o vírus em algumas partes do mundo, incluindo populações-chave do leste europeu e da Ásia Central, assim como do Oriente Médio e do Norte da África.

Dados da OMS revelam que homens que fazem sexo com homens, trabalhadores do sexo, pessoas transexuais, usuários de drogas e pessoas encarceradas respondem por 40% das novas infecções por HIV registradas em 2016.

Candidatos do Encceja podem consultar locais de prova

Agência Brasil

Já está disponível, na internet, a consulta aos locais de prova dos inscritos no Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja Nacional) 2018. A informação pode ser acessada no cartão de confirmação da inscrição, na página do participante. Para isso é preciso informar o CPF e a senha cadastrada durante a inscrição.

O cartão de confirmação informa também data e horário da prova, número de inscrição, as áreas de conhecimento do exame e nível de ensino, além de solicitações de atendimento diferenciado. A aprovação no exame garante uma certificação de conclusão no ensino fundamental ou médio. Para fazer as provas do ensino fundamental é preciso ter a idade mínima de 15 anos e, para o médio, de 18 anos.

O Encceja Nacional 2018 será aplicado no dia 5 de agosto para 1.695.607 pessoas. Dessas, 356.326 farão provas para o ensino fundamental e 1.339.281, para o ensino médio. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) do Ministério da Educação sugere que os candidatos levem o cartão de confirmação da inscrição impresso no dia do exame, embora não seja obrigatório.

"Não cedi nada", diz Trump em relação a reunião com Putin

Nao temporaro

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Foto: Jim Watson/AFP

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ressaltou ontem (23) que não cedeu "nada" em seu encontro com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, uma semana depois da polêmica cúpula de Helsinque entre os líderes. "Quando escutarem a imprensa 'fake news' falar de maneira negativa sobre o meu encontro com o presidente Putin e tudo o que cedi, lembrem-se, não cedi NADA, simplesmente falamos de futuros benefícios para ambos os países", ressaltou Trump no Twitter.

Além disso, o presidente americano apontou que os dois líderes se deram 'muito bem", o que "é uma coisa boa, exceto para a Mídia Corrupta". Trump recebeu uma avalanche de críticas nos EUA após a cúpula de Helsinque na semana passada, na qual desautorizou as agências de inteligência americanas ao apontar que acreditava em Putin, que nega que tenha havido interferência russa nas eleições presidenciais de 2016.

Posteriormente, o líder se retratou ao afirmar que havia se "expressado mal" e disse acreditar nas informações dos seus serviços de inteligência, entre eles o FBI e a CIA, de que Moscou tentou interferir nas eleições nas quais derrotou sua adversária, a democrata Hillary Clinton. No entanto, dias depois, voltou a surpreender a opinião pública dos EUA ao informar que tinha convidado Putin para uma segunda cúpula em Washington no outono (Agência EFE).

Evento do MinC espera atrair 30 mil visitantes em SP

Agência Brasil

O Ministério da Cultura lançou ontem (23) o Mercado das Indústrias Criativas do Brasil (MincBR), evento para alavancar e internacionalizar o setor, com expectativa de atrair 30 mil pessoas vindas de diversos países. O evento está previsto para ocorrer de 5 a 10 de novembro em várias instituições culturais da Av. Paulista. O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, disse que esta não será a única edição do MincBR, uma vez que o ministério espera que o evento “seja incorporado ao panorama da cultura e negócios culturais no nosso país”.

O evento é aberto a empreendedores de audiovisual, artes cênicas, animação, jogos eletrônicos, design, moda, editoração, música, museus, artes visuais e gastronomia. O público poderá circular pela Paulista, onde terá acesso às atividades. Alguns dos lugares previstos são a Casa das Rosas, o Sesc, o Instituto Moreira Salles, o MASP, a Livraria Cultura, o Japan House e a Caixa Bellas Artes.

A seleção de expositores será por meio de chamadas públicas, de modo a estimular a participação de empreendedores de fora do estado de São Paulo, que terão as despesas pagas pelos organizadores. Foram recebidas 260 inscrições e 180 serão selecionados. Um edital, no valor de R$ 3 milhões, foi lançado para selecionar uma organização da sociedade civil responsável por organizar o evento. O certame fica aberto por 30 dias e o resultado sai em setembro.

Roma anuncia acordo para contratar Malcom

A Roma anunciou ontem (23) um acordo com o Bordeaux, da França, para contratar o atacante brasileiro Malcom, de 21 anos. Segundo o clube giallorosso, a transação será concluída assim que o jogador passar por exames médicos. Os dois times ainda não falam em valores, mas a imprensa italiana cita pelo menos 35 milhões de euros (cerca de R$ 155 milhões, pela cotação atual) e um contrato de cinco temporadas.

Revelado pelo Corinthians, Malcom se destacou na campanha do título brasileiro de 2015 e foi vendido ao Bordeaux por cerca de 9,5 milhões de euros - incluindo os 4,5 milhões que o clube francês pagou em 2017 para comprar os 15% restantes dos direitos econômicos do atleta. Malcom também era cobiçado pela Inter de Milão, mas a Roma, com os cofres turbinados pela venda de Alisson ao Liverpool, acabou vencendo a concorrência. O atacante é a 11ª contratação da Roma para a próxima temporada (ANSA).

 
 

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171