Geraldo Nunes, jornalista e memorialista,
integra a Academia Paulista de História.
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

São Paulo com suas ruas e bairros de nomes polêmicos

Em recente visita à Coreia do Sul o prefeito João Doria anunciou que empresas coreanas sediadas na capital paulista irão revitalizar a região do Bom Retiro e, em agradecimento, pretende acrescentar ao nome do bairro, a denominação em inglês, “Little Seul”, ou seja, uma pequena Seul dentro da capital paulista. As reclamações nas redes sociais já começaram visto que a população paulistana, por tradição, é renitente a mudanças

680854-970x600-1 temproario

Os prefeitos, por sua vez, como mostra a história, seja por falta de sensibilidade, pura teimosia ou ainda interesse político, modificam ou acrescentam nomes sem muita preocupação. O Bom Retiro sempre foi um lugar de comunidades. Os coreanos, por exemplo, começaram a se instalar na região pelo final da década de 1980, passando a conviver com moradores de outras nacionalidades e seus descendentes. Gente da Itália morou neste bairro e a Rua dos Italianos, onde por sinal foi fundado o Corinthians, em 1910, já recebia pelo início do século XX a comunidade judaica. Vieram depois os gregos, sírio-libaneses, espanhóis, portugueses, peruanos, bolivianos e inúmeros brasileiros provenientes do Nordeste.

Por este motivo, o Bom Retiro não é um bairro só de sul-coreanos, tanto que o comércio é variado e são diversas as instituições culturais e religiosas ali instaladas. Há sinagogas, igrejas cristãs da linha ortodoxa, centros espíritas, a paróquia Nossa Senhora Auxiliadora e também, é claro, templos orientais. São Paulo continua sendo uma cidade cosmopolita como antigamente, quando italianos chegaram a morar no bairro da Liberdade, depois ocupado maciçamente, a partir da década de 1920, pelos orientais especialmente os japoneses. Mas há também hoje na região muitos chineses, taiwaneses e sul-coreanos. Nos anos 1970, a Liberdade teve suas ruas ornamentadas com luminárias que fazem lembrar os países do oriente, mas nem por isso algum prefeito teve a ousadia de chamá-la “Little Tokio” ou “Chinatown”.

Já o que acontece nas Marginais do Tietê e do Pinheiros é impressionante. Primeiro, a via muda de nome durante o trajeto e nem se percebe. Na Vila Guilherme chama-se Av. Morvan Dias de Figueiredo e do outro lado, ao passar pelo Bom Retiro, Av. Castelo Branco. Quando o assunto passa a ser nome de rua, avenida, ou viaduto, aí então é que a confusão aumenta. A Rua Vergueiro aparece e desaparece do mapa várias vezes. Começa larga como uma avenida na Liberdade, segue pelo Paraíso e Vila Mariana para se transformar na Av. Professor Noé de Azevedo e depois voltar a ser uma rua apertada e sinuosa no Ipiranga, até o início da Via Anchieta. A Av. Sapopemba também é assim, larga e estreita, começa e acaba pelo caminho de quem a segue por automóvel. A Rua da Consolação é outro exemplo. Uma avenida com largas pistas nos dois sentidos e canteiro central para depois se transformar numa alameda de sentido único na região dos Jardins.

Já o que acontece nas Marginais do Tietê e do Pinheiros é impressionante. Primeiro, a via muda de nome durante o trajeto e nem se percebe. Na Vila Guilherme chama-se Av. Morvan Dias de Figueiredo e do outro lado, ao passar pelo Bom Retiro, Av. Castelo Branco. Para se evitar confusão todos a chamam de Marginal e fim de papo. O trajeto entre a zona norte e o Aeroporto de Congonhas também vai mudando de nome. São as avenidas: Santos Dumont, Tiradentes, 23 de Maio, Rubem Berta, Moreira Guimarães e Washington Luís. Para simplificar, virou para os repórteres que acompanham o trânsito, Corredor Norte-Sul.

Após a Proclamação da República, em 1889, algumas ruas do centro tiveram também seus nomes alterados por questões políticas. Tudo o que lembrava o Império deixou de existir. A Rua da Imperatriz, passou a se chamar XV de Novembro; a Rua do Príncipe virou Quintino Bocaiuva; e a da Princesa, Benjamin Constant, todos nomes republicanos. Um mapa de 1899 aponta que a Rua Direita teve modificada sua denominação para Floriano Peixoto e a Rua São Bento foi dedicada a Moreira César, um coronel massacrado na Revolta de Canudos. Mas o apelo popular fez com que a Rua Direita voltasse a se chamar Direita e a São Bento, idem. O povo também ignorou quando mudaram o nome da Av. Paulista para Carlos de Campos, entre 1927 e 1930 e a continuou chamando de Paulista.

Na entrada do túnel há uma placa ostentando dois nomes: Túnel Nove de Julho – Dr. Daher Elias Cutait.Um outro episódio interessante aconteceu na gestão Marta Suplicy em 2006. A pretexto de que o nome do Túnel Nove de Julho não era oficial, a ex-prefeita resolveu mudá-lo para Túnel Dr. Daher Elias Cutait, professor da Faculdade de Medicina da USP, da Santa Casa de Misericórdia e um dos fundadores do Hospital Sírio-Libanês. Ocorre que Nove de Julho é data sagrada para o povo de São Paulo.

Por esta razão alguns intelectuais ligados ao Instituto Histórico e Geográfico recorreram da decisão. Foi então que a família do ilustre professor entrou na discussão, exigindo que se devolvesse o nome do túnel para o homenageado. Não se chegou a um acordo e hoje na entrada do túnel há uma placa ostentando dois nomes: Túnel Nove de Julho – Dr. Daher Elias Cutait. A decisão fez jurisprudência tanto que depois disso algumas pontes da Marginal do Tietê também passaram a apresentar dois nomes, é o caso da Ponte da Casa Verde - Adhemar Ferreira da Silva, ou ainda a Ponte Cruzeiro do Sul - Jornalista Ary Silva, fundador da Gazeta da Zona Norte.

Há mais o que contar sobre a duplicidade de nomes. A Rua Washington Luís, faz homenagem ao mesmo presidente que dá nome à avenida que passa em frente ao Aeroporto de Congonhas. Nas placas aparecem grafias diferentes, em algumas o nome Luís vem com “S” e acento no “i”, noutras o nome Luiz aparece com “Z” e sem acento. Na Alameda dos Tajurás, no Morumbi, durante a gestão de Celso Pitta, em 1998, trocaram as placas e com elas veio a denominação errada. Em vez de Tajurás, foi escrito Alameda dos Tapurás e ficou daquele jeito por um bom tempo.

Mas, voltando ao assunto da intenção do atual prefeito João Doria de criar o nome Bom Retiro - Little Seul, acreditamos que a discussão quanto às denominações dos logradouros públicos tende a prosseguir. Na Rádio Bandeirantes, o jornalista e radialista José Paulo de Andrade, tem comentado o assunto no programa “O Pulo do Gato”. Ele defende a retirada do nome de pessoas que nem fazem parte da história paulista, mas que batizam vias importantes da capital.

Por exemplo, Luís Eduardo Magalhães para um viaduto na região do Aeroporto. “Quanto ao Elevado, se tivessem dado o nome do cardiologista e ex-ministro Adib Jatene teria sido feita uma homenagem muito melhor do que a João Goulart que governou o país, mas nunca esteve ligado à cidade de São Paulo”, alfineta o apresentador. Com a nova ideia do atual prefeito de rebatizar o Bom Retiro, a discussão sobre o nome dos bairros, avenidas e outros logradouros públicos continua.

(*) Geraldo Nunes, jornalista e memorialista, integra a Academia Paulista de História. (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.).

Mais artigos...

  1. São Paulo de Todos os Tempos e o sentido de respeito à cidade
  2. O fim da Rádio Estadão é só um pedaço da crise instalada na mídia
  3. Há 150 anos o trem chegava a São Paulo
  4. Bravo Maestro, ou Maestro Bravo?
  5. Belém ou Belenzinho? Eis a questão
  6. “Novos Cangaceiros” agem no interior do Nordeste como nos tempos de Virgulino Ferreira, o “Lampião”
  7. Memórias de um repórter aéreo no aniversário da cidade
  8. A estrela sobe
  9. Circulando de carro por uma São Paulo que não volta mais
  10. Um passeio na história paulistana para quem visita a Liberdade
  11. Os 50 anos do álbum Revolver e a curiosa história de Eleanor Rigby
  12. Na festa da Rádio Nacional preocupação e saudades
  13. Paralimpíadas prometem marcar história no Brasil
  14. Morre o policial criador do Museu do Crime
  15. A curiosa passagem de um cronista inglês pelo Brasil de 1927
  16. Postura do povo paulista em 32 é exemplo para nossos dias
  17. Narrações esportivas da Copa 50 são doadas ao Museu do Futebol
  18. Vamos falar da Mooca?
  19. Os reis do futebol
  20. Esculápios, Boticas e Misericórdias na Piratininga D’Outrora
  21. A magia da vida nas canções de Gal Costa
  22. Conheça a verdadeira história da Revolução Constitucionalista
  23. A Era do Rádio
  24. São Paulo mantém mas não preserva a lenda do DC-3
  25. Os 20 anos do Windows 95 e o museu brasileiro do computador
  26. 50 anos depois a Jovem Guarda já é vista com melhores olhos
  27. Estados Unidos reabrem embaixada com festa e desconfiança
  28. Constellation: uma viagem aérea e musical pelo Rio de Janeiro antigo
  29. Há 60 anos surgia a fábrica de sonhos de Walt Disney
  30. Da maioridade de Dom Pedro II aos dias atuais, o Brasil sempre foi um país de “pedaladas”
  31. Marisa Monte reconhecida entre as melhores da MPB
  32. Estatuto da Pessoa com Deficiência: agora começa luta para qualificar a mão de obra
  33. A verdadeira história da Revolução Constitucionalista
  34. Marreco jogou melhor no tricolor do que Pato e Ganso
  35. Maria Bethânia: quinta melhor voz da MPB em todos os tempos
  36. Você já foi chamado de “coxinha”?
  37. Descubra o que São Paulo perdeu visitando acervo digital
  38. Descubra o que São Paulo perdeu visitando acervo digital (2)
  39. Livro e exposição resgatam chegada do zepelim ao Brasil
  40. Arqueólogas descobrem no Rio caminho secreto de Dom Pedro I
  41. Mostra desvenda a figura do Morgado de Mateus
  42. Em novo livro Gilles Lapouge declara seu amor ao Brasil
Mais Lidas