J. B. Oliveira

       EDUCAÇÃO: OBJETIVOS E RECURSOS. E NOSSA REALIDADE.

 

 

*J. B. Oliveira

 

 Vem de longe a preocupação com a educação. O quinto livro da Bíblia, Deuteronômio, cuja autoria é atribuída a Moisés (que viveu por volta de 1.250 a.C.), traz, no capítulo 6, versículos 6 e 7, estas recomendações: “E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração. E as transmitirás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te”. O único meio educacional de então era o lar, a família. E funcionava! Com o passar do tempo e as inexoráveis modificações impostas pela “evolução” da civilização humana, esse eixo se desloca da família para a “área especializada”: os educadores, a escola. Funciona?

Em muitos países, sim!

De todas as nações atingidas pelo flagelo da Segunda Guerra Mundial, nenhuma foi mais prejudicada que o Japão. Suas perdas se estenderam dos danos materiais e financeiros aos humanos, morais e psicológicos. Foi o único país a sofrer a desgraça de dois bombardeios atômicos, de que resultou um saldo de mortes que oscila entre 140 e 220 mil pessoas. Isso, em 1.945. Apenas seis décadas após, o Japão chegou a figurar como a segunda maior economia do mundo! A razão principal dessa fantástica mudança? O país priorizou a educação!

Em memorável palestra em São Paulo, a que tive a honra de assistir, Akihiro Nakae, Cônsul do Japão no Brasil (autor do livro “Vale a pena lutar pelo Brasil... na visão de um cônsul”) dizia: “Em meu país, se estiverem reunidos profissionais das mais diversas áreas, como o médico, o engenheiro, o diplomata, o advogado e o professor, este último será reverenciado por todos e terá precedência sobre os demais. Eles sabem que se são o que são, devem-no ao Professor, e não se esquecem disso”. Na segunda edição da obra, em 1992, acham-se estabelecidas algumas comparações entre os dois países: “No Japão, o PNB per capita é de US$ 23.296 e no Brasil de US$ 2.059. O PNB total do Japão é de US$ 3 trilhões, enquanto o do Brasil é de cerca de US$ 297 bilhões”. “No país existe 1,1 milhão de professores do primeiro grau, mas 6% destes professores têm instrução de primeiro grau incompleto e 13% têm primeiro grau completo. No Nordeste, o índice dos professores com até o primeiro grau incompleto é de 30%. No país, os professores com primeiro grau incompleto totalizam 74 mil. A instrução média dos professores é de 11,4 anos. Segundo os dados mencionados, podemos observar que o investimento educacional é muito pouco. E isso é um dos maiores obstáculos para o desenvolvimento. Esse problema não causa apenas falta de volume de conhecimento, mas tem grande influência no pensamento lógico e na Filosofia. No Brasil, nota-se uma constante falta de verbas destinadas à Educação, especialmente para o ensino básico.”

No Brasil, portanto, o sistema educacional implantado NÃO FUNCIONA!

Apesar de nossa Carta Magna de 1988 – a “Constituição Cidadã” – rezar no artigo 205 da Seção I, do Capítulo III: “A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho”, não é isso que se verifica na prática. Caminhando nesse mesmo rumo, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (lei federal n°. 9394/96) enuncia, em seu artigo 2° que “A educação... tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho”. Meras falácias. E os testes comprovam essa triste realidade. O SAEB – Sistema Nacional de Avaliação Básica do Ministério da Educação, em teste de Português e Matemática para alunos da 4ª e 8ª séries do ensino fundamental e 3ª do ensino médio constatou que, em Matemática, alunos da 4ª série, em uma escala de 0 a 500, obtiveram 182 pontos. Significa que além de dificuldade para somar, multiplicar, subtrair e dividir, eles não sabem sequer ver as horas em um relógio de ponteiros! Em Português, alunos da 8ª série atingiram 232 pontos, resultado que mostra que o aluno médio, aos 14 anos, tem sérios problemas de compreensão de texto!

Isso é a escola convencional brasileira. E a família? Bem, a família há muito tempo delegou a função de “educar” aos meios eletrônicos de comunicação: a TV e, agora, a Internet! Que – diga-se de passagem – se usadas corretamente, seriam excelentes fontes de ampliação e universalização do conhecimento. Isso porque ambas usam recursos atraentes, dinâmicos, lúdicos e até interativos. Mas, como as facas, se pegas pelo cabo têm um efeito; se pela lâmina, outro.

 

*Dr. J. B. Oliveira, Consultor Empresarial e Educacional, é

 

Advogado, Professor e Jornalista. Pertence à Academia Cristã

 

de Letras e ao Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo

 

www.jboliveira.com.br

Mais artigos...

  1. O turismo descollorido
  2. Haviam ou havia?
  3. Entendeu? ... Ou quer que eu desenhe?
  4. “Aquele acentozinho enjoado chamado crase...”
  5. “O pior cego é o que não quer ver”
  6. “Fale agora ou cale-se para sempre...”
  7. “...muitas pessoas que sofrem de depressão sentem-se melhores...”
  8. É um momento 'onde' só a acusação tem vez e tem voz
  9. “Esse corretor mais atrapalha do que ajuda”!
  10. Línguas parecidas...I
  11. Os pronomes possessivos. E o comportamento dos filhos
  12. Comunicação visual: o que elas fazem. E eles não entendem...
  13. O JOVEM E A EDUCAÇÃO : UM BINÔMIO CRÍTICO
  14. Jerry Lewis, Ruy Castro e Amar e gostar...
  15. A prolixidade castigada...
  16. Pó... ou Vida?
  17. “20% das mais de 18 milhões de moedas...”
  18. Codificação e decodificação
  19. Grama: no jardim ou na balança?
  20. Uma arroba de história...
  21. Um sério RUÍDO na comunicação interpessoal...
  22. Alternativas. Na aviação e na Oratória...
  23. HÁ 39 ANOS...
  24. IMPROVISO!
  25. Recordar é viver...
  26. Variações do mesmo tema ...
  27. SAUDOSISMO... E CIVISMO!
  28. Afinal, é Este ou Esse?
  29. É PÁSCOA. ONDE ESTÃO O COELHINHO E OS OVOS?
  30. A EDUCAÇÃO E A ÉTICA
  31. Que palavra usar: Humanização ou Fragilização da lei?
  32. Comunicação e Relacionamento Humano
  33. Línguas parecidas
  34. Duas fases da PALAVRA no grupo de Cristo
  35. DUAS PERGUNTAS PERTINENTES. E PREOCUPANTES
  36. No princípio era o Verbo
  37. O PODER DA IMPRENSA LIVRE
  38. A EDUCAÇÃO E A IMPRENSA
  39. EM ORATÓRIA, É PRECISO ESTAR SEGURO!
  40. PLEONASMOS: ESCRACHADOS, DISSIMULADOS E SUTIS...
  41. Travas e entraves da comunicação
  42. A vírgula... ah! a vírgula!
  43. BENEFÍCIO, PREVIDÊNCIA E PROVIDÊNCIA...NA GRAMÁTICA
  44. DELITOS NOVOS versus LEIS ANTIGAS...
  45. Uma palavra para ser usada... com cuidado!
  46. Juizeco e Chefete...
  47. UM POUCO DO DESCALABRO EDUCACIONAL
  48. O xis da questão...
  49. Inibição! Como e porque surge!
  50. COMO ANDA SUA ORATÓRIA FAMILIAR?
  51. PREMEIO ESSE EXCECIONAL SECTOR, SEM DECECIONAR NEM INDEMNIZAR!
  52. OS DOZE TRABALHOS DE...HÍFEN!
  53. COMO É QUE É MESMO?
  54. A Polissemia e o trágico fim do guia de turismo!
  55. A QUADRA QUE ENQUADRA...
  56. PALAVRAS “DENOREX”: PARECEM ... MAS NÃO SÃO!
  57. Oratória Negocial
  58. Quando o PLURAL não é o plural do SINGULAR...!
  59. “AMANHÃ EU VÔ NUM VIM TRABALHÁ....”
  60. A velha questão do “VOCÊ”...
  61. PALAVRINHAS que dão vontade de dizer um PALAVRÃO!
  62. “AS PREPOSIÇÕES E AS CONJUNÇÕES NA GRAMÁTICA E TAMBÉM NA PRÁTICA”
  63. “AS EMPRESAS SE ADEQUAM ÀS NOVAS CONDIÇÕES”
  64. A IMPORTÂNCIA DO LAZER
  65. Agüentar tranqüilo nunca mais. Trema, trema!
  66. PLEONASMO NOS OLHOS
  67. “ESTOU CORRENDO ATRÁS DO PREJUĺZO…”
  68. UM MAGNO EQUÍVOCO
  69. SAVOIR FAIRE: COMO AS ÉPOCAS MUDAM AS PALAVRAS...
  70. BRIGADO POR QUÊ?
  71. “DIGITATORE TRADITORE”
  72. VOCÊS SABEM O QUE É DOCE DELEITE?
  73. NÓS E A PÁTRIA
  74. Afinal, qual é a posição correta das bandeiras?
  75. ANUNCIARAM O HINO NACIONAL! O QUE DEVO FAZER?
  76. EXÓRDIO... QUE REMÉDIO É ESSE?
  77. Por conta dos vícios de linguagem...!
  78. O ÓPTIMO ACTO DE ADOPTAR OBJECÇÕES
  79. No novo acordo, acentuação rima com recordação...
Mais Lidas