J. B. Oliveira

Será que fui claro?

 

 

                                                                                                                                                           * J. B. Oliveira

 

 

 

Essa pergunta deveria ser frequentemente feita por quem se comunica. Escrevendo ou falando...

Há três “Ces” que são imprescindíveis em qualquer tipo de comunicação: Concisão, Coerência e Clareza.

Concisão é a arte de “falar pouco e dizer muito”. É a virtude que algumas pessoas possuem de escolher e aplicar tão bem as palavras que, com umas poucas, consegue fazer-se compreender. Para isso, basta usar o vocábulo certo, o termo unívoco, isto é, que tem um só significado, não se confundindo com outros.

No curso de Oratória que ministrei recentemente em Palmas, no Tocantins, disse aos alunos que eu queria que me fornecessem um objeto metálico, que tem uma extremidade oblonga ou obovoide, corpo afilado e a outra extremidade serrilhada ou denteada. De imediato, alguém ofereceu um serrote. Como disse que não era o que eu queria, outros objetos vieram à baila: garfo, faca, tesoura, chave de fenda...

Esgotadas – sem sucesso – as tentativas, fiz na lousa o desenho da peça, seguindo os termos da descrição: um objeto metálico, que tem uma extremidade oblonga ou obovoide, corpo afilado e a outra extremidade serrilhada ou denteada. A reação unânime foi:

 

– “Por que você não disse apenas que o que queria era chave?” Teria sido muito mais fácil!

 

– “Porque não me lembrei dessa palavra”, foi a desculpa esfarrapada que dei. Claro que não foi

     o que de fato ocorreu. Foi apenas uma ilustração para gravar o ensinamento.

 

O que transpareceu claramente é que o desconhecimento da palavra unívoca leva à necessidade do emprego de palavras equívocas, ou seja, quem não têm sentido único e admitem variações e interpretações. Leva também ao alongamento da frase, gerando o que se chama circunlóquio, caracterizado pelo excesso de palavras. Outro detalhe para o qual chamei a atenção: os termos raros, de uso não frequente, aumentam a dificuldade de assimilação da mensagem. Quem é que usa normalmente palavras como “oblongo”, “obovoide” e “afilado”?

 

O episódio lembra o caso do senhorzinho calvo, nariz adunco, suportando óculos de aros pesados, que chega ao balcão da farmácia e pede:

 

– “Por favor, eu quero um comprimido de ácido acetilsalicílico”!

 

– “Ah! Melhoral?!” Responde prontamente o balconista.

 

– “Isso. Não consigo lembrar esse nome!”

 

Coerência, por sua vez, resume-se a falar “coisa com coisa”, a não misturar “alhos com bugalhos”, como muitas pessoas fazem, mudando frequentemente, em sua conversa, de “pato pra ganso”. É o que se chama desconexão verbal: quem está falando não mantém sequência lógica e encadeada de assuntos e com isso não só cria confusão na mente de quem supostamente a está ouvindo, como o consequente desinteresse do interlocutor ou do público. Para consertar esse mal, basta lembrar que toda expressão – curta ou longa – deve ter: início, meio e fim! Nessa ordem! Começou um assunto? Leve-o até o fim, antes de dar início a outro. Faça a “amarração” entre os pontos sobre os quais está discorrendo!

 

Clareza, por fim, nada mais é do que “falar e ser entendido”! Pode parecer incrível, mas não faltam por aí aquelas pessoas que falam e ninguém as entende.

 

“Necessária e indispensável, clareza demanda alguns cuidados nas áreas física, fisiológica, fonética, vocabular e cultural. De início, é importante que se fale com boa postura física, com o corpo ereto, de modo a deixar o diafragma livre e sem tensão. A seguir, desenvolver respiração correta, inspirando profundamente – pelo nariz – para manter os pulmões abastecidos de ar, o que permitirá manter boa tonalidade da voz até o fim da frase, evitando que o som venha a cair, a “morrer” (tonalidade descendente), tornando-se inaudível.

Outro cuidado elementar é abrir bem a boca para falar. Há pessoas que falam de boca semicerrada, dificultando o entendimento de suas palavras, ou então não as pronunciam por inteiro, suprimindo fonemas e sílabas”. (J. B. Oliveira, em “Boas Dicas para Boas Falas”, Editora JBO).

Para concluir, devemos agregar o cuidado singelo de prestar atenção à própria fala! Será que estou sendo coerente? Estou usando os termos certos? Estou falando no tom, timbre e ritmo corretos? Enfim: será que estou sendo claro?

 

 *J. B. Oliveira, consultor de empresas, é advogado, jornalista, professor e escritor.

É membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo e da Academia Cristã de Letras.

www.jboliveira.com.br – O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Mais artigos...

  1. Onde, mesmo, começa a comunicação?
  2. A redação da filhinha do ministro de Brasília...
  3. Aí vão mais frases mal...ditas!
  4. Da “Voz do Povo” à Imprensa Oficial do Estado...
  5. Mais frases mal...ditas!
  6. Qual é a forma correta: havia ou haviam?
  7. Porque os Homens não estão mais amando as Mulheres!
  8. Por que os homens dizem e as mulheres falam...
  9. AFILANDO AS FILAS!
  10. Direito de resposta
  11. Uma frase mal...dita!
  12. “Caso consigam serem os mais votados...”
  13. “O amor é forte como a morte”.
  14. Novos tempos na Política?
  15. O QUE SE ESPERA DO ADVOGADO
  16. “Eu quero é rosetar...”
  17. A importância histórica da Grafotécnica e Documentoscopia
  18. Sociedade Amigos da Cidade e o Zoneamento Urbano
  19. Influências americanas na língua italiana...
  20. Conteúdo e Forma
  21. “Toda a mulher sábia edifica a sua casa”
  22. Licitude, Moral, Ética... e algo mais!
  23. Silêncio...
  24. Verbos diferentes para seres diferentes...
  25. E “O homem do tempo”, heim?
  26. Ela o chamou pelo nome completo? Hum...!
  27. EDUCAÇÃO: OBJETIVOS E RECURSOS. E NOSSA REALIDADE
  28. O turismo descollorido
  29. Haviam ou havia?
  30. Entendeu? ... Ou quer que eu desenhe?
  31. “Aquele acentozinho enjoado chamado crase...”
  32. “O pior cego é o que não quer ver”
  33. “Fale agora ou cale-se para sempre...”
  34. “...muitas pessoas que sofrem de depressão sentem-se melhores...”
  35. É um momento 'onde' só a acusação tem vez e tem voz
  36. “Esse corretor mais atrapalha do que ajuda”!
  37. Línguas parecidas...I
  38. Os pronomes possessivos. E o comportamento dos filhos
  39. Comunicação visual: o que elas fazem. E eles não entendem...
  40. O JOVEM E A EDUCAÇÃO : UM BINÔMIO CRÍTICO
  41. Jerry Lewis, Ruy Castro e Amar e gostar...
  42. A prolixidade castigada...
  43. Pó... ou Vida?
  44. “20% das mais de 18 milhões de moedas...”
  45. Codificação e decodificação
  46. Grama: no jardim ou na balança?
  47. Uma arroba de história...
  48. Um sério RUÍDO na comunicação interpessoal...
  49. Alternativas. Na aviação e na Oratória...
  50. HÁ 39 ANOS...
  51. IMPROVISO!
  52. Recordar é viver...
  53. Variações do mesmo tema ...
  54. SAUDOSISMO... E CIVISMO!
  55. Afinal, é Este ou Esse?
  56. É PÁSCOA. ONDE ESTÃO O COELHINHO E OS OVOS?
  57. A EDUCAÇÃO E A ÉTICA
  58. Que palavra usar: Humanização ou Fragilização da lei?
  59. Comunicação e Relacionamento Humano
  60. Línguas parecidas
  61. Duas fases da PALAVRA no grupo de Cristo
  62. DUAS PERGUNTAS PERTINENTES. E PREOCUPANTES
  63. No princípio era o Verbo
  64. O PODER DA IMPRENSA LIVRE
  65. A EDUCAÇÃO E A IMPRENSA
  66. EM ORATÓRIA, É PRECISO ESTAR SEGURO!
  67. PLEONASMOS: ESCRACHADOS, DISSIMULADOS E SUTIS...
  68. Travas e entraves da comunicação
  69. A vírgula... ah! a vírgula!
  70. BENEFÍCIO, PREVIDÊNCIA E PROVIDÊNCIA...NA GRAMÁTICA
  71. DELITOS NOVOS versus LEIS ANTIGAS...
  72. Uma palavra para ser usada... com cuidado!
  73. Juizeco e Chefete...
  74. UM POUCO DO DESCALABRO EDUCACIONAL
  75. O xis da questão...
  76. Inibição! Como e porque surge!
  77. COMO ANDA SUA ORATÓRIA FAMILIAR?
  78. PREMEIO ESSE EXCECIONAL SECTOR, SEM DECECIONAR NEM INDEMNIZAR!
  79. OS DOZE TRABALHOS DE...HÍFEN!
  80. COMO É QUE É MESMO?
  81. A Polissemia e o trágico fim do guia de turismo!
  82. A QUADRA QUE ENQUADRA...
  83. PALAVRAS “DENOREX”: PARECEM ... MAS NÃO SÃO!
  84. Oratória Negocial
  85. Quando o PLURAL não é o plural do SINGULAR...!
  86. “AMANHÃ EU VÔ NUM VIM TRABALHÁ....”
  87. A velha questão do “VOCÊ”...
  88. PALAVRINHAS que dão vontade de dizer um PALAVRÃO!
  89. “AS PREPOSIÇÕES E AS CONJUNÇÕES NA GRAMÁTICA E TAMBÉM NA PRÁTICA”
  90. “AS EMPRESAS SE ADEQUAM ÀS NOVAS CONDIÇÕES”
  91. A IMPORTÂNCIA DO LAZER
  92. Agüentar tranqüilo nunca mais. Trema, trema!
  93. PLEONASMO NOS OLHOS
  94. “ESTOU CORRENDO ATRÁS DO PREJUĺZO…”
  95. UM MAGNO EQUÍVOCO
  96. SAVOIR FAIRE: COMO AS ÉPOCAS MUDAM AS PALAVRAS...
  97. BRIGADO POR QUÊ?
  98. “DIGITATORE TRADITORE”
  99. VOCÊS SABEM O QUE É DOCE DELEITE?
  100. NÓS E A PÁTRIA

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP