J. B. Oliveira

Conteúdo e Forma   

 

J. B. Oliveira

                                                                                                                                                             

Qualquer tipo de comunicação: cultural, sacra, política, pedagógica, literária, poética ou o que quer que seja a área a que se refira, tem a compô-la apenas dois fatores:

 

Conteúdo e

Forma.

 

Conteúdo é o que se tem que dizer. É a essência da comunicação. É a mensagem, enfim.

Em uma aula, é a matéria que deve ser transmitida aos alunos. Em negócios, a proposta do produto ou serviço que se quer vender. Em política, é o argumento com que se pretende obter o apoio, o voto dos eleitores. Em palestra, a mensagem que o palestrante pretende fixar na mente e na alma do público a que se dirige.

 

Forma é a maneira a ser usada para se comunicar o conteúdo. É a “embalagem” que vai revesti-lo, de modo a fazer com que seja bem recebido, bem aceito pelo público.

 

Nos segmentos de Propaganda, Publicidade e Marketing, a escolha da embalagem é objeto de sérios e aprofundados estudos. Título, cores, forma, apresentação, texto de chamada, por exemplo, são cuidadosamente pesquisados, analisados e discutidos. Entre outras coisas, leva-se em consideração o público-alvo do produto. Se destinado ao segmento da assim chamada “melhor idade”, formato muito ousado e cores berrantes não são recomendáveis. Já para a ala jovem, evitam-se formas que sejam conservadoras (“quadradas”), bem como cores de nuance pastel, pálidas, esmaecidas...

 

No dia a dia, muitas são as pessoas que – em razão de sua inteligência, erudição, estudos, vivência acadêmica, leitura, pesquisas etc. – possuem vasto e rico acervo intelectual. Não conseguem, entretanto, transmitir eficazmente esse valioso somatório de conhecimentos!

É comum acontecer isto: conhecemos os livros de um grande escritor e passamos a admirar seu talento e inteligência. Então, ficamos sabendo que ele vai proferir uma palestra a que podemos assistir. Entusiasmados, comparecemos para ouvi-lo ao vivo... e nos decepcionamos! O autor de obras tão extraordinárias se expressa mal, tem postura incorreta, má colocação de voz, gagueja, tartamudeia, usa “muletas verbais” inaceitáveis, como “tá”, “né”, “ok”, “entende”, perde-se na sequência das palavras, é repetitivo, fala em tomo monocórdio, cansativo, enfadonho e sem ênfase...

Chegamos até a pensar: “será que esta é a mesma pessoa que escreveu aquelas obras tão notáveis?”

 

É isso o que acontece quando um bom “produto” não dispõe de uma boa “embalagem”, de exposição correta!

 

O oposto também acontece: há verdadeiras mediocridades no campo do conhecimento que levam imensas plateias ao delírio com sua fala, várias vezes interrompida por palmas e ovações, sendo, ao encerramento, aplaudidas de pé! Uma simples observação mostrará que esse orador flexionou sua voz, ora elevando-a a quase grito, ora trazendo-a próxima de um sussurro – para traduzir intimidade, coloquialismo, cumplicidade. Em determinados momentos, falou rapidamente, como a acompanhar um movimento lépido, fugaz, a que se referiu. Em outros, sua fala foi compassada, lenta, dividida si-la-bi-ca-men-te, para enfatizar cada parte do vocábulo! Terá tido, também, boa presença de palco, enriquecida por gestos, dinâmica corporal e expressões fisionômicas diversas!

Isso faz toda a diferença.

 

Pelo que está dito acima, pode-se perceber que conteúdo e forma trabalham lados distintos do cérebro. O conteúdo aciona o hemisfério esquerdo, da razão, da lógica. Já a forma se assenta mais no lado direito, da emoção, da sensibilidade e da criatividade.

É evidente que ambos são indispensáveis às boas falas. Uma fala sem conteúdo é um discurso sem mensagem, sem consistência. Por sua vez, uma comunicação sem a forma adequada arrisca o orador a não atrair e manter a atenção dos ouvintes.

 

O equilíbrio entre esses dois fatores é fundamental para o bom sucesso de toda e qualquer comunicação.

 

*Dr. J. B. Oliveira, Consultor Empresarial e Educacional, é

Advogado, Professor e Jornalista. Pertence à Academia Cristã

de Letras e ao Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo

www.jboliveira.com.br

Mais artigos...

  1. “Toda a mulher sábia edifica a sua casa”
  2. Licitude, Moral, Ética... e algo mais!
  3. Silêncio...
  4. Verbos diferentes para seres diferentes...
  5. E “O homem do tempo”, heim?
  6. Ela o chamou pelo nome completo? Hum...!
  7. EDUCAÇÃO: OBJETIVOS E RECURSOS. E NOSSA REALIDADE
  8. O turismo descollorido
  9. Haviam ou havia?
  10. Entendeu? ... Ou quer que eu desenhe?
  11. “Aquele acentozinho enjoado chamado crase...”
  12. “O pior cego é o que não quer ver”
  13. “Fale agora ou cale-se para sempre...”
  14. “...muitas pessoas que sofrem de depressão sentem-se melhores...”
  15. É um momento 'onde' só a acusação tem vez e tem voz
  16. “Esse corretor mais atrapalha do que ajuda”!
  17. Línguas parecidas...I
  18. Os pronomes possessivos. E o comportamento dos filhos
  19. Comunicação visual: o que elas fazem. E eles não entendem...
  20. O JOVEM E A EDUCAÇÃO : UM BINÔMIO CRÍTICO
  21. Jerry Lewis, Ruy Castro e Amar e gostar...
  22. A prolixidade castigada...
  23. Pó... ou Vida?
  24. “20% das mais de 18 milhões de moedas...”
  25. Codificação e decodificação
  26. Grama: no jardim ou na balança?
  27. Uma arroba de história...
  28. Um sério RUÍDO na comunicação interpessoal...
  29. Alternativas. Na aviação e na Oratória...
  30. HÁ 39 ANOS...
  31. IMPROVISO!
  32. Recordar é viver...
  33. Variações do mesmo tema ...
  34. SAUDOSISMO... E CIVISMO!
  35. Afinal, é Este ou Esse?
  36. É PÁSCOA. ONDE ESTÃO O COELHINHO E OS OVOS?
  37. A EDUCAÇÃO E A ÉTICA
  38. Que palavra usar: Humanização ou Fragilização da lei?
  39. Comunicação e Relacionamento Humano
  40. Línguas parecidas
  41. Duas fases da PALAVRA no grupo de Cristo
  42. DUAS PERGUNTAS PERTINENTES. E PREOCUPANTES
  43. No princípio era o Verbo
  44. O PODER DA IMPRENSA LIVRE
  45. A EDUCAÇÃO E A IMPRENSA
  46. EM ORATÓRIA, É PRECISO ESTAR SEGURO!
  47. PLEONASMOS: ESCRACHADOS, DISSIMULADOS E SUTIS...
  48. Travas e entraves da comunicação
  49. A vírgula... ah! a vírgula!
  50. BENEFÍCIO, PREVIDÊNCIA E PROVIDÊNCIA...NA GRAMÁTICA
  51. DELITOS NOVOS versus LEIS ANTIGAS...
  52. Uma palavra para ser usada... com cuidado!
  53. Juizeco e Chefete...
  54. UM POUCO DO DESCALABRO EDUCACIONAL
  55. O xis da questão...
  56. Inibição! Como e porque surge!
  57. COMO ANDA SUA ORATÓRIA FAMILIAR?
  58. PREMEIO ESSE EXCECIONAL SECTOR, SEM DECECIONAR NEM INDEMNIZAR!
  59. OS DOZE TRABALHOS DE...HÍFEN!
  60. COMO É QUE É MESMO?
  61. A Polissemia e o trágico fim do guia de turismo!
  62. A QUADRA QUE ENQUADRA...
  63. PALAVRAS “DENOREX”: PARECEM ... MAS NÃO SÃO!
  64. Oratória Negocial
  65. Quando o PLURAL não é o plural do SINGULAR...!
  66. “AMANHÃ EU VÔ NUM VIM TRABALHÁ....”
  67. A velha questão do “VOCÊ”...
  68. PALAVRINHAS que dão vontade de dizer um PALAVRÃO!
  69. “AS PREPOSIÇÕES E AS CONJUNÇÕES NA GRAMÁTICA E TAMBÉM NA PRÁTICA”
  70. “AS EMPRESAS SE ADEQUAM ÀS NOVAS CONDIÇÕES”
  71. A IMPORTÂNCIA DO LAZER
  72. Agüentar tranqüilo nunca mais. Trema, trema!
  73. PLEONASMO NOS OLHOS
  74. “ESTOU CORRENDO ATRÁS DO PREJUĺZO…”
  75. UM MAGNO EQUÍVOCO
  76. SAVOIR FAIRE: COMO AS ÉPOCAS MUDAM AS PALAVRAS...
  77. BRIGADO POR QUÊ?
  78. “DIGITATORE TRADITORE”
  79. VOCÊS SABEM O QUE É DOCE DELEITE?
  80. NÓS E A PÁTRIA
  81. Afinal, qual é a posição correta das bandeiras?
  82. ANUNCIARAM O HINO NACIONAL! O QUE DEVO FAZER?
  83. EXÓRDIO... QUE REMÉDIO É ESSE?
  84. Por conta dos vícios de linguagem...!
  85. O ÓPTIMO ACTO DE ADOPTAR OBJECÇÕES
  86. No novo acordo, acentuação rima com recordação...
Mais Lidas