ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

J. B. Oliveira

O GRUPO DE CRISTO

 *J. B. Oliveira

Escolher pessoas para nosso relacionamento social ou profissional é, sem dúvida, uma grande dificuldade!

“Ninguém traz uma estrela na testa”, diz a sabedoria popular, reafirmando essa verdade. Quantas vezes enganamo-nos com a aparência externa de alguém para – só muito depois – percebermos a dura realidade? Mesmo nos dias atuais, em que há sofisticados processos de seleção de pessoal, contando com entrevistadores profissionais, psicotestes e tudo mais, o problema persiste: não é fácil “separar o joio do trigo”.

Enviado por Deus para ungir um novo rei para os hebreus, em substituição a Saul, Samuel escolhe logo o primeiro dos filhos de Jessé, Eliabe “...certamente está perante o Senhor o seu ungido” (I Samuel, 16:6). A escolha de Deus, porém, é outra “...porque o Senhor não vê como o homem vê, pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração. ” (I Samuel, 16:7).

Jesus, como Filho de Deus, detinha essa capacidade de conhecer os corações. Poderia, portanto, ter escolhido pessoas perfeitas para integrarem seu reduzido grupo de apóstolos. Escolheu, chamou, apenas doze. Entretanto, não ficou livre do NEGADOR – Pedro (Lucas, 22:54 a 62); do TRAIDOR – Judas (Mateus, 26: 47 a 50); do INCRÉDULO – Tomé (João, 20:19 a 25); dos EGOCÊNTRICOS – Tiago e João, filhos de Zebedeu, que apenas queriam, no reino celestial, sentar-se “um à direita e outro à esquerda” de Cristo (Marcos, 10:35 a 37); e dos MEDROSOS – todos eles, pois fugiram na hora difícil da prisão: “Então, deixando-o ali, TODOS fugiram” (Marcos, 14:50). O medo que os invadiu foi tão intenso que um jovem, tendo apenas um lençol a envolver o corpo, quando se sentiu ameaçado, largou o lençol e fugiu nu! (Marcos, 14:51 a 52). Como esse registro se encontra apenas no Evangelho de Marcos, seria o próprio evangelista! (Assim o consideram a Bíblia de Jerusalém e a Bíblia em Edição Ecumênica).

Por muito tempo, fiquei a pensar “por que Cristo, que podia conhecer mentes, caracteres e corações, não escolheu pessoas perfeitas? Por que admitiu gente tão falha e com tantas mazelas? Sem dúvida, ele poderia ter selecionado melhor. Por que não o fez? ”.

Hoje sei a resposta!

Cristo, extraordinário mestre do ensino prático e direto, ainda aqui nos dá uma lição. Quis ele mostrar – por meio daquele pequeno grupo – as falhas que, inevitavelmente, marcam a humanidade. Ensinou-nos, então, a estarmos preparados para encontrar, entre os mais íntimos e queridos companheiros de jornada, quem nos negue; quem nos traia por umas poucas moedas; quem não creia em nós; quem busque usar-nos para beneficiar-se e – de modo geral – quem nos abandone nos momentos mais amargos... Assim, quando um desses tristes e decepcionantes episódios nos colher, podemos olhar para Cristo – uma vez mais – e recordar que também isso ele nos ensinou: “Lembrai-vos da palavra que vos disse: Não é o servo maior do que o seu senhor. Se a mim me perseguiram, também vos perseguirão a vós...” (João, 15:20),

Jesus, na verdade, tinha pleno conhecimento de tudo o que ocorreria. Já havia anunciado que Judas o havia de trair (João, 13:21 a 26); que todos os abandonariam: “... porque está escrito: ferirei o pastor, e as ovelhas se dispersarão” (Marcos, 14:27); e que Pedro o negaria: “... Em verdade te digo que, nesta noite, antes que o galo cante, três vezes me negarás” (Mateus, 26:40). Pedro, entretanto, demonstrando o abismo existente entre o querer e o fazer; o prometer e o cumprir; o falar e o praticar, responde, ousado: Ainda que me seja necessário morrer contigo, não te negarei. E todos os discípulos disseram o mesmo”! (Mateus, 26:35).

O mais extraordinário e impressionante, porém, no grupo de Cristo, é que – passado esse episódio, tendo continuado com Cristo, TODOS, exceto Judas – foram revestidos do PODER DE DEUS, conforme prometido em Lucas, 24:49 e Atos, 1:8, e cumprido em Atos, 2:4 “E todos foram cheios do Espírito Santo...”! A partir daí, tornaram-se ousados, decididos, corajosos e destemidos. O próprio Pedro, que negara Jesus diante de simples servos, brada com vigor, em discurso público no dia de Pentecostes: “... e esse Jesus, a quem vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo. ” (Atos, 2:36).

Diante do temível Sinédrio, advertidos para não falar a respeito de Jesus, Pedro e João não se intimidam e proclamam: “Julgai vós se é justo diante de Deus ouvir-vos antes a vós do que a Deus; porque não podemos deixar de falar do que temos visto e ouvido. ” (Atos, 4:9 e 20). Que diferença fantástica entre o antigo e o novo Pedro! Entre os antigos e os novos discípulos, todos corajosos e prontos, realmente, a morrer por Cristo! Todos dispostos a ser testemunhas de Jesus:

      “Tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria, e até os confins da terra. ”

 

(Atos, 1:8).

 

 *J. B. Oliveira, consultor de empresas, é advogado, jornalista, professor e escritor.

É membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo e da Academia Cristã de Letras.

www.jboliveira.com.br – O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Mais artigos...

  1. Intuição existe mesmo? E... funciona?
  2. Você se comunica em branco e preto?
  3. Pasmem: o ser humano está deixando de existir!
  4. Será que fui claro?
  5. Onde, mesmo, começa a comunicação?
  6. A redação da filhinha do ministro de Brasília...
  7. Aí vão mais frases mal...ditas!
  8. Da “Voz do Povo” à Imprensa Oficial do Estado...
  9. Mais frases mal...ditas!
  10. Qual é a forma correta: havia ou haviam?
  11. Porque os Homens não estão mais amando as Mulheres!
  12. Por que os homens dizem e as mulheres falam...
  13. AFILANDO AS FILAS!
  14. Direito de resposta
  15. Uma frase mal...dita!
  16. “Caso consigam serem os mais votados...”
  17. “O amor é forte como a morte”.
  18. Novos tempos na Política?
  19. O QUE SE ESPERA DO ADVOGADO
  20. “Eu quero é rosetar...”
  21. A importância histórica da Grafotécnica e Documentoscopia
  22. Sociedade Amigos da Cidade e o Zoneamento Urbano
  23. Influências americanas na língua italiana...
  24. Conteúdo e Forma
  25. “Toda a mulher sábia edifica a sua casa”
  26. Licitude, Moral, Ética... e algo mais!
  27. Silêncio...
  28. Verbos diferentes para seres diferentes...
  29. E “O homem do tempo”, heim?
  30. Ela o chamou pelo nome completo? Hum...!
  31. EDUCAÇÃO: OBJETIVOS E RECURSOS. E NOSSA REALIDADE
  32. O turismo descollorido
  33. Haviam ou havia?
  34. Entendeu? ... Ou quer que eu desenhe?
  35. “Aquele acentozinho enjoado chamado crase...”
  36. “O pior cego é o que não quer ver”
  37. “Fale agora ou cale-se para sempre...”
  38. “...muitas pessoas que sofrem de depressão sentem-se melhores...”
  39. É um momento 'onde' só a acusação tem vez e tem voz
  40. “Esse corretor mais atrapalha do que ajuda”!
  41. Línguas parecidas...I
  42. Os pronomes possessivos. E o comportamento dos filhos
  43. Comunicação visual: o que elas fazem. E eles não entendem...
  44. O JOVEM E A EDUCAÇÃO : UM BINÔMIO CRÍTICO
  45. Jerry Lewis, Ruy Castro e Amar e gostar...
  46. A prolixidade castigada...
  47. Pó... ou Vida?
  48. “20% das mais de 18 milhões de moedas...”
  49. Codificação e decodificação
  50. Grama: no jardim ou na balança?
  51. Uma arroba de história...
  52. Um sério RUÍDO na comunicação interpessoal...
  53. Alternativas. Na aviação e na Oratória...
  54. HÁ 39 ANOS...
  55. IMPROVISO!
  56. Recordar é viver...
  57. Variações do mesmo tema ...
  58. SAUDOSISMO... E CIVISMO!
  59. Afinal, é Este ou Esse?
  60. É PÁSCOA. ONDE ESTÃO O COELHINHO E OS OVOS?
  61. A EDUCAÇÃO E A ÉTICA
  62. Que palavra usar: Humanização ou Fragilização da lei?
  63. Comunicação e Relacionamento Humano
  64. Línguas parecidas
  65. Duas fases da PALAVRA no grupo de Cristo
  66. DUAS PERGUNTAS PERTINENTES. E PREOCUPANTES
  67. No princípio era o Verbo
  68. O PODER DA IMPRENSA LIVRE
  69. A EDUCAÇÃO E A IMPRENSA
  70. EM ORATÓRIA, É PRECISO ESTAR SEGURO!
  71. PLEONASMOS: ESCRACHADOS, DISSIMULADOS E SUTIS...
  72. Travas e entraves da comunicação
  73. A vírgula... ah! a vírgula!
  74. BENEFÍCIO, PREVIDÊNCIA E PROVIDÊNCIA...NA GRAMÁTICA
  75. DELITOS NOVOS versus LEIS ANTIGAS...
  76. Uma palavra para ser usada... com cuidado!
  77. Juizeco e Chefete...
  78. UM POUCO DO DESCALABRO EDUCACIONAL
  79. O xis da questão...
  80. Inibição! Como e porque surge!
  81. COMO ANDA SUA ORATÓRIA FAMILIAR?
  82. PREMEIO ESSE EXCECIONAL SECTOR, SEM DECECIONAR NEM INDEMNIZAR!
  83. OS DOZE TRABALHOS DE...HÍFEN!
  84. COMO É QUE É MESMO?
  85. A Polissemia e o trágico fim do guia de turismo!
  86. A QUADRA QUE ENQUADRA...
  87. PALAVRAS “DENOREX”: PARECEM ... MAS NÃO SÃO!
  88. Oratória Negocial
  89. Quando o PLURAL não é o plural do SINGULAR...!
  90. “AMANHÃ EU VÔ NUM VIM TRABALHÁ....”
  91. A velha questão do “VOCÊ”...
  92. PALAVRINHAS que dão vontade de dizer um PALAVRÃO!
  93. “AS PREPOSIÇÕES E AS CONJUNÇÕES NA GRAMÁTICA E TAMBÉM NA PRÁTICA”
  94. “AS EMPRESAS SE ADEQUAM ÀS NOVAS CONDIÇÕES”
  95. A IMPORTÂNCIA DO LAZER
  96. Agüentar tranqüilo nunca mais. Trema, trema!
  97. PLEONASMO NOS OLHOS
  98. “ESTOU CORRENDO ATRÁS DO PREJUĺZO…”
  99. UM MAGNO EQUÍVOCO
  100. SAVOIR FAIRE: COMO AS ÉPOCAS MUDAM AS PALAVRAS...

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171