“Rebelião, O Coro de Todos os Santos”

O espetáculo “Rebelião, O Coro de Todos os Santos” com texto e direção de Marcelo Marcus Fonseca estreia no próximo dia 24

A peça traz elementos da cultura popular traduzidos de forma livre, de forma surrealista ou carnavalesca, explorando a dialética nos motivos religiosos ou sociais.

No enredo, Artura (Gabriela Morato), Cacimba (Elena Vago) e Jí (Francisco Silva) saem do interior do país com o intuito de salvar o Brasil, devolvendo para Portugal símbolos da colonização. Para cumprirem a missão eles enfrentam os terríveis Arranca-línguas, figuras míticas que encontram durante a viagem. Com música executada ao vivo, entre temas inéditos de Bisdré Santos e Marcelo Marcus Fonseca e peças de compositores esquecidos do Séc. XVIII, a peça traz elementos da cultura popular traduzidos de forma livre, de forma surrealista ou carnavalesca, explorando a dialética nos motivos religiosos ou sociais que controlam a razão do cidadão brasileiro contemporâneo. A caminhada de Artura e Cacimba é um levante com destino certo: o ponto exato onde pretendem devolver, para reparo na Europa, um objeto da época da colonização portuguesa que, apesar da boa intenção, trouxe desgraça ao ser usado com maus propósitos.

Teatro do Incêndio, R. Treze de Maio, 48, Bela Vista, tel. 609-3730. Sábados. Às 20h e domingos às 19h. Ingressos: Pague quanto puder. Até 24/06.

REFLEXÃO

Permissão
Permita um tempo para apenas Ser.
Nós precisamos de você. É importante que você se abra mais às riquezas da vida. Encontre o seu espaço de permissão incondicional. Isto não é fácil, pois você está muito acostumado a passar grande parte do seu tempo apenas agindo e se mantendo ocupado a fim de ser produtivo, mas é esta mesma ação que o impede de ver os resultados que está desejando.
Medite por 15 minutos todos os dias apenas para se sentir bem e permitir, todos os dias. Você não pode ser melhor para ninguém, incluindo você mesmo, quando não está se sentindo melhor. Inicie um livro de aspectos positivos. Neste livro você pode somente escrever pensamentos, observações e sentimentos positivos que tem sobre si mesmo, a sua vida, seu mundo e os outros. Passe algum tempo todos os dias escrevendo neste livro.
O pensamento para hoje é: “Juntos somos mais fortes e podemos optar por manter as nossas intenções e atenções de uma maneira melhor. Vamos escolher, cada um, com sabedoria.”
E assim é. Você é muito amado e apoiado, sempre
Os Anjos e Guias - Sharon Taphorn.

Bossa Nova

Simoninha apresenta o show 60 anos de Bossa Nova.

Wilson Simoninha show que faz parte do projeto 60 anos de Bossa Nova, que presta homenagem ao movimento musical, derivado do samba, mas com forte influência do jazz. No final dos anos 1950, a cumplicidade entre os músicos que se reuniam nas noitadas cariocas e desabafavam as histórias de amor fez surgir essa que é considerada uma das mais belas expressões musicais brasileiras.Entre os músicos estavam João Gilberto, Tom Jobim e Vinicius de Moraes que, juntos de outros compositores da época, consagraram sucessos como Balanço Zona Sul, Lobo bobo, Eu e a Brisa, Samba do Avião que estão no repertório do show de Simoninha.

Serviço: Theatro NET São Paulo (Shopping Vila Olímpia), R. Olimpíadas, 360. Quinta (01/03) às 21h. Ingressos: R$ 120 e R$ 60 (meia).

NOTA

No dia 4 de abril de 2018 o ícone Cazuza completaria 60 anos, uma data a ser lembrada e comemorada. O cantor e compositor Marcelo Quintanilha, lança dia 19 de janeiro, o álbum CAJU, para honrar este ícone de uma geração. No repertório estão 11 canções de Cazuza, como “Blues da Piedade” que ganhou versão à capela; “Codinome Beija-Flor”, numa versão valsada; “Exagerado”; “Azul e Amarelo”; e “Brasil”, com participação de sua filha Nina Quintanilhadando voz da nova geração. Fechando o álbum, a canção “Caju”, de Marcelo Quintanilha reverencia Cazuza com versos “quase tão livres quando a alma desse tão poeta”, contra o tédio, contra os chatos, e contra as convenções.

Jazz

Cantor Jean William.

O cantor Jean William e o grupo Jazz Trio, apresentam o show “Tonight” . Luciana Mello fará uma participação especial cantando algumas músicas ao lado de Jean. No repertório serão apresentadas releituras de grandes obras norte americanas, de compositores como Leonard Bernstein e George Gershwin, escritas para ópera e musicais da Broadway. As canções retrataram as lutas sociais de latinos e negros nos Estados Unidos, revolucionando a música de sua época. O nome do espetáculo é uma homenagem à canção de mesmo título, do compositor Leonard Bernstein, que passou a ser reconhecido mundialmente depois de compor o repertório do famoso musical da Broadway “West Side Story Broadway”.

Serviço: Teatro J. Safra, R. Josef Kryss, 318, Barra Funda. Quinta (22) às 21h. Ingressos: R$ 60 e R$ 30 (meia).


Mais Lidas