O palhaço “Piolin”

O que precisa morrer para um palhaço nascer? Essa foi a pergunta que norteou o trabalho para a montagem de “Piolin”, o mais novo espetáculo da Cia Lúdicos de Teatro Popular, que estreia dia 16

Cena do Espetáculo “Piolin”.

Com direção de Gira de Oliveira, a montagem concebida especialmente para a rua também fará apresentações no Teatro Flávio Império e no Parque Piquerí sempre com ingressos gratuitos. Inspirado livremente em momentos da vida de Abelardo Pinto, o Palhaço Piolin, o espetáculo reconta a história do palhaço que nasceu num picadeiro e morreu engasgado com uma bala. O que acontece naquela fração de segundo que antecede a morte? O que parte? O que fica? Neste pequeno instante, o palhaço revive memórias que passam diante de seus olhos e são refletidas no espelho de seu camarim, trazendo a sensação de que enquanto lá se está, sob a lona do circo, o tempo é infinito. Em um espaço cênico que relembra um picadeiro e um camarim, os quatro atores, Cristiane Guerreiro, Gizele Panza, John Halles e Nayara Martins, dão vida aos palhaços de um circo. Entre músicas tocadas ao vivo, acrobacias e números clássicos de palhaço Piolin conta, de forma não linear, a vida de um artista genuinamente brasileiro.

Serviço: Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes. Rua Inácio Monteiro, 6900, Conj. Hab. Sitio Conceição. Sextas (16 e 23) às 15h e sábados (17 e 24) às 17h. Teatro Flávio Império, R. Prof. Alves Pedroso, 600, Cangaíba. Sextas (09 e 16/3) às 15h e sábados (10 e 17/3), às 17h. Parque do Piquerí, R. Tuiutí, 515, Tatuapé. Domingos (11, 18 e 25/03) às 11h (dia 25 de março a apresentação também às 15 horas). Entrada franca.

REFLEXÃO

Maior Compreensão
Veja as coisas como elas realmente são. A realidade está realmente no olho do espectador e é, muitas vezes, um desafio ver além das ilusões que o protegiam da verdade de muitas coisas. É mais fácil ver imagens e verdades parciais e esperar dos outros um poder superior - sejam eles seres físicos ou não físicos, para que assumam a responsabilidade máxima pelo estado atual das coisas, em vez de assumir a responsabilidade pessoal pela verdade. Em outras palavras, é o momento de resgatar o seu poder, de assumir a responsabilidade pelas suas ações, e fazer as mudanças que são necessárias para transformar o mundo neste lugar melhor.Isto não acontecerá até que cada um de vocês comece a viver o seu discurso e compreenda que cada pensamento e ação afetam tudo e tudo o que é. Observe mais atentamente e saiba que nem sempre é fácil ver o passado à luz da verdade, além dos véus da ilusão. Veja esta revisão da vida como os seus anjos o veem, de modo que ela possa ser vista com compaixão, compreensão e como uma oportunidade para o crescimento. Veja o seu passado com amor e saiba que a melhor maneira de curar a tristeza é através da compaixão, do perdão e mudando o futuro você será e fará melhor em todos os sentidos. É o momento de ver a grande cena, para que você possa se afastar deste ciclo de recriar o que é e foi, de modo que possa criar um caminho melhor e este primeiro passo começa e deve continuar com você. O pensamento para hoje é: “A fim de mudar o que há, você deve ter certeza de se tornar aquilo que espera dos outros e se perdoar pelo que houve.” E assim é. Você é muito amado e apoiado, sempre. Os Anjos e Guias - Sharon Taphorn

“Tchiribim Tchiribom – Cantando pelo Mundo

Elenco do musical infantil “Tchiribim Tchiribom – Cantando pelo Mundo”.

Um passeio pelas tradições musicais de povos e regiões ao redor do mundo, como China, Israel, África, Itália, México e Nova Zelândia. Em síntese, esta é a proposta do musical infantil “Tchiribim Tchiribom, Cantando pelo Mundo”, a mais nova parceria entre a cantora Fortuna e o compositor e produtor musical Hélio Ziskind que estreia no dia 17. O musical dá sequência ao seu tradicional trabalho de apresentar músicas do mundo, levando este universo de povos e culturas de forma divertida para o público infantil, apresentando-se acompanhada pelos cantores/bailarinos Denise Yamaoka, Duda Moreno, Elcio Bonazzi e Tamirys O’hanna. Completam a formação no palco um grupo formado por cinco músicos, que dão vida às canções: Gabriel Levy (teclado e acordeom), Mario Aphonso III (sopros), Marcus Simom (bateria), Marquinho Mendonça ( guitarra e violão) e Ricardo Zohyo (baixo).

Serviço: Sesc Pompeia, R. Clélia, nº 93, tel. 3871-7700. Sábados e domingos às 12h. Ingressos: R$ 17 e R$ 8,50 (meia). Até 11/03.

Comemoração

Vencedor do Prêmio APCA na categoria especial de teatro e um dos indicados ao Prêmio Shell de inovação pelo uso arquitetônico inédito voltado para o teatro, inserido na região degradada do centro de São Paulo, o Teatro de Contêiner Mungunzá construído na região da Luz com 11 contêineres marítimos, completa um ano de atividades em março. Para comemorar, a Cia Mungunzá de Teatro realiza de 19 de fevereiro a 9 de março a Mostra Solo Mulheres, uma programação com 11 espetáculos de teatro, um show e lançamento de livro. A atriz Luaa Gabanini abre a mostra com o solo Efeito Cassandra: Na Calada da Noite (dia 19). Mais informações (www.ciamungunza.com.br.)

Serviço: Teatro de Contêiner Mungunzá, R. dos Gusmões, 43, Luz. De segunda (19/02) a sexta (09/03). Ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia).

Histórias

Em atividade gratuita, Cristiano Gouveia mostrará o universo musical de forma lúdica.

O projeto “Canto que Conta”, voltado a crianças a partir de 6 anos e mediado pelo músico, escritor e contador de histórias Cristiano Gouveia, que de forma lúdica, apresentará o universo dos instrumentos musicais. Cordas (17/02) Quem tirou da cabeça a ideia de criar o violão? Quem dormiu e sonhou que inventou o ukulele? Cristiano Gouveia brinca de inventar histórias que imaginam como nasceram os instrumentos de cordas. Tambores (24/02) Cristiano Gouveia apresenta contos tradicionais e outros tirados de sua cachola, pra contar a origem de alguns instrumentos de bater: tambores, pandeiros, tamborins, alfaias e djembês.

Serviço: Sesc São Caetano, R. Piauí -554, Santa Paula, ão Caetano do Sul, tel. 4223-8800. Sábados (17 e 24/02) às 12h. Entrada franca.

Dança

“De onde você vem?” é a pergunta que norteia o espetáculo de dança Agora. A coreografia investe nos vínculos entre corpo e espaço, através de ações/depoimentos que revelam a memória do lugar na memória do corpo. 

A proposta atual é um desmonte do espetáculo original (criado há três anos), sem o aparato de iluminação original, privilegiando a performance dos três bailarinos, que tenta responder à pergunta “de onde você vem?”. A questão se desdobra também em outra: “para onde você migra?”, porque o lugar onde estamos pode ser também o lugar em que imaginamos estar. Com Clara Anastácia, Eduardo Hermanson e Tony Hewerton
Trilha sonora: João Penoni e João Werneck em domicílio.

Serviço: Sesc Pompeia, R. Clélia, 93. Sábado (24), às 21h, e domingo (25), às 19h. Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia).


Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP